20 de mai. de 2020

jorge amado - um novo achado

elena beliakova fala sobre essa tradução, até então praticamente esquecida, e aventa a possibilidade de ter sido feita a partir do espanhol, na edição da madrilenha cenit. ver aqui.


saiu em 1947 pela livraria e editora martins, em sua "coleção contemporânea", volume 9.


aqui um anúncio da editorial vitória, no jornal imprensa popular, de 10 de janeiro de 1951

disponível aqui

e aqui uma simples chamada, sem autor nem editora (imprensa popular, 13/6/51)

disponível aqui


a edição da cenit (1930), possível base para a tradução de jorge amado

Schkid. la república de los vagabundos, por bel - Vendido en ...

17 de mai. de 2020

rilke no brasil



as elegias de duíno foram publicadas em 1951, numa edição restrita, fora do comércio, em apenas 120 exemplares, com ilustrações de oswald de andrade filho, na primeira iniciativa editorial de josé mindlin, pela editora revista dos tribunais. a tradução era de dora ferreira da silva, que posteriormente, em edição comercial, veio a ter grande consagração.

mas descubro que, já em outubro de 1946, dora começara a publicar sua tradução das elegias, uma por semana (sendo que, na primeira semana, saíram as duas primeiras elegias), no suplemento domiinical "letras e artes" do jornal "a manhã".
é tradução visivelmente feita por amor e com amor. ela devia conhecer e amar rilke desde algum tempo.

dora nasceu em julho de 1918; se tiver traduzido todas as elegias no mesmo ano em que as publicou, 1946, teria entre 27 e 28 anos.

achei admirável.

aqui, ilustração de oswaldo goeldi. http://memoria.bn.br/docreader/114774/28



lúcio cardoso, "a propósito de traduções"


http://memoria.bn.br/DocReader/093092_03/16306