18 de out de 2018

um depoimento

na semana dos tradutores, blog da companhia das letras, disponível aqui


Um depoimento, por Denise Bottmann
Este ano faz 35 anos que comecei a traduzir. Digo, traduzir “para fora”. Antes já traduzia um pouco, poemas, ensaios, coisas de que gostava, que guardava na gaveta ou às vezes publicava aqui e ali, em alguma revista. Mas traduzir por encomenda, a pedido, por contratação, a primeira vez foi 35 anos atrás, com Luiz Schwarcz, ainda na Brasiliense. Ocorreu meio por acaso, e nem vem muito – para rimar – ao caso. Tirando um intervalo de dez anos em que parei de traduzir, continuo na C/companhia de Luiz, com alguns passeios paralelos.
Traduzir é algo maravilhoso, por todos os lados que se olhe. Começa, em primeiro lugar, por ser a única – não, única talvez não, mas a principal – coisa capaz de estabelecer contato entre povos e culturas de qualquer tempo e de qualquer espaço, transpondo milhares de anos e muitos milhares de quilômetros. Então é uma coisa significativa, importante. Imaginem todo mundo ilhado na sua língua. Bem ou mal, não haveria propriamente uma humanidade. Não estaríamos aqui conversando.
Outro lado de traduzir é que a gente se sente, de certa forma, contribuindo não só para conservar, mas também para criar uma memória das coisas – e, de mais a mais, uma memória compartilhada, trazida de outro canto do mundo. Digo isso porque considero memória algo muito importante. Sou historiadora, por formação, por carreira acadêmica e, na última década, por estudos historiográficos que venho fazendo sobre... ora, vejam só, a tradução no Brasil.
Além disso, o ofício é muito generoso, ensina sem cessar; a gente está sempre aprendendo, vendo coisas novas, sabendo coisas que não sabia antes, e de maneira muito agradável: lendo, escrevendo, com paz e tranquilidade, tendo nosso fiel amigo, o leão cuja pata ferida ajudamos a curar, sempre a nosso lado.

Assim, nesses 35 anos, é como se se formasse um círculo perfeito para quem adotou a tradução por gosto e convicção: é uma das mais importantes atividades que vieram a constituir um tempo-espaço humano coletivo; é o eixo de formação de um patrimônio imaterial comum; como se não bastasse, é um ofício prazeroso e enriquecedor no plano pessoal.
Quase tudo passa. Mas algumas coisas ficam. Ficam vozes de estadistas firmando a paz, súplicas de reis ansiando por herdeiros, cantos de amor e aventura de poetas, devoções ardentes, cosmogonias e épicos grandiosos, conselhos e receituários médicos multimilenares, de povos há muito desaparecidos.
Fica a escrita – e a escrita nunca cessa de se multiplicar: sobre ela, prosseguem os infindáveis pentimentos que a mão de todos os jerônimos e todas as jerônimas traça incansavelmente ao longo do tempo. E é assim que dialogamos.

13 de set de 2018

as ondas, 1946 (cont.)





  





agradeço a thiago dias da silva pelas imagens: página de rosto, verso da página de rosto, início da obra, nota da tradutora, primeiro interlúdio, dados de gráfica.

 sylvia valladão, nascida c.1900, filha do celebrado médico mathias valladão, pertencente à alta sociedade paulistana, casou-se em c.1921 com noé azevedo, advogado de grande fama futura. noé azevedo se tornou em 1923-24 o diretor responsável pela revista dos tribunais - esta, por sua vez, em 1933 passou a operar também como gráfica e a partir de 1955 como editora, atividade que mantém até hoje. a ligação matrimonial entre sylvia valladão e noé azevedo parece suficiente para explicar por que sua tradução de as ondas foi publicada pela revista dos tribunais.


12 de set de 2018

as ondas, 1946


incrível - sempre pensei que a primeira (e única) tradução de "as ondas" de virginia woolf no brasil era a de lya luft.
que nada: em 1946, a editora revista dos tribunais publica "as ondas" em tradução de uma desconhecida sylvia valladão azevedo. digo "desconhecida" nos meios editoriais, pois é até nome de rua no guarujá.
o interessante é que foi uma edição não comercial de 150 exemplares, lançada pela RT com autorização da globo de porto alegre, que era a detentora dos direitos de publicação da obra no brasil.
e mais interessante ainda é que foi a globo a primeira a publicar woolf no brasil, começando no mesmo ano de 1946 com "mrs. dalloway", na tradução de mário quintana [em circulação até a data de hoje], e prosseguindo em 1947 com o lançamento de "orlando", na tradução de cecília meirelles [idem idem].
estou agora procurando mais dados a esse respeito, e por enquanto não encontrei grande coisa. mas minha cabeça já começou a especular. p.ex., a globo teria contratado os direitos de tradução e publicação dessas três obras da woolf no brasil como um pacote; publicou "mrs. dalloway" e "orlando", e autorizou a RT a um uso não comercial de "as ondas" - mas jamais lançou "as ondas", seja na tradução da referida sylvia ou em qualquer outra. até aí sabemos [salvo a hipótese da contratação de um "pacote", que é especulação minha], e é tudo documentado. mas, pelo que vi até agora, foi relativamente ou até bastante pequena a repercussão de "mrs. dalloway" na imprensa da época, tanto é que levou décadas para ser reeditada; a de "orlando" não foi muito maior. terá a globo concluído que não valeria a pena lançar um terceiro livro da autora? a que se destinaria o uso não comercial dos 150 exemplares lançados pela RT? brinde para seus clientes, uma encomenda, um balão de ensaio para a própria globo?
devo esse dado interessantíssimo sobre a existência de "as ondas" em português desde 1946 a Thiago Dias da Silva. agora estou na maior curiosidade para conhecer essa edição, ver a capinha, a página de rosto, a declaração de autorização da globo que consta no livro (da qual fui informada também por Thiago).

11 de ago de 2018

coleção rubáiyát, a transição

para acompanhar a pesquisa sobre a coleção rubáiyát, clique aqui.



a série de poemas orientais, 1938-1942, sementeira da coleção rubáiyát, 
em seu volume final, a flauta de jade.



em 1943, a josé olympio inicia a coleção rubáiyat, inaugurando-a com o amor de bilitis.
interessante notar que ela incorpora retroativamente os sete volumes que compunham 
o catálogo de sua coleção anterior, a série de poemas orientais.


8 de ago de 2018

veríssimo e vallandro em contraponto


há coisa de uns dez dias, senti uma certa perplexidade quando descobri que "contraponto", de aldous huxley, traduzido por erico veríssimo em 1933 e publicado em 1934 pela livraria do globo, a partir de 1956 começara a aparecer com créditos de tradução a ele e a leonel vallandro. vide aqui.

especulando e vendo o número de páginas das diversas edições (690 nas iniciais; 460 nas posteriores), cogitei que se trataria de uma condensação que vallandro, a pedido da globo, teria feito naquela altura e que assim acabou ficando.

chegaram os exemplares que encomendei: a edição em 2 volumes só com veríssimo; a edição num volume só com veríssimo e vallandro. pelo que comparei até agora, são:

............................................idênticas ............................................

e a diferença no número de páginas?!
bom, o formato da edição dos anos 30 (a que comprei é de 1939), em 2 vols. não chega a ser de bolso, mas é de tamanho bastante reduzído, de 17,5 x 12,5. já o volume da coleção nobel (6a. edição, 1956) é significativamente maior: 22,5 x 15.

a fonte tipográfica de 1939 é maior e o entrelinhas razoavelmente espaçado, enquanto a fonte de 1956 é menor e o entrelinhas mais estreito.

a página do formato menor tem 32 linhas de texto, com 60 toques (isto é, caracteres + espaços), ou seja, se não houvesse parágrafos, as linhas fossem totalmente ocupadas até o final, os capítulos não terminassem no começo ou meio da página, não houvesse divisão de seções etc.etc., haveria 1920 toques por página. por outro lado, a página do formato maior tem 45 linhas de texto, com 70 toques, o que corresponderia a 3150 toques.




ou seja, se há alguma diferença, o texto com créditos a veríssimo e leandro seria maior, não menor.

sinceramente, não é hoje nem nos próximos tempos que vou comparar 1.150 páginas de texto, mas as dúvidas, embora mudadas, continuam e a pergunta persiste: por que leonel vallandro passa, a partir de 1956, a constar dos créditos da tradução de "contraponto" ao lado de erico veríssimo?


30 de jul de 2018

leonel vallandro tradutor

Pelos dados localizados, a primeira tradução de Leonel Vallandro foi A mão de Fu-Manchu,
de Sax Rohmer, publicada como volume 17 da Coleção Amarela da Livraria do Globo, em 1932.


Reproduzo abaixo a lista de traduções feitas por Leonel Vallandro, extraída do Ditra [Dicionário de Tradutores] da PGET/UFSC, aqui. No link encontra-se também uma breve biografia dele. Na listagem, acrescentei em negrito o ano da primeira edição quando não constava na referência. Ao final, acrescentei outras traduções de Vallandro não incluídas na referida listagem.

Traduções Publicadas
Baum, Vicki. Hotel Berlim. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 19. (Hotel Berlin). Romance. 1944 
Cain, James M. O destino bate à porta. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 19--. (The postman always rings twice). Romance. 1947
Christie, Agatha. O assassinato de Roger Ackroyd. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 1951. (The murder of Roger Ackroyd). Romance policial.*  
Christie, Agatha. O Caso dos dez negrinhos. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 19--. (Tem little niggers). Romance policial. 1942 
Conrad, Joseph. Vitória.  [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 19--. (Victory). Romance. 1942 
Crofts, Freeman Wills. O mistério de Groote Park.  [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 19--. (The Groot Park murder). Romance policial. 1936 
Douglas, Norman. Vento sul. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 19--. (South wind). Romance. 1944 
Gardner, Erle Stanley. O caso das pernas de sorte. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 19--. (The case of the lucky legs). Romance policial. 1943
Greene, Graham. O condenado. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 19--. (Brighton Rock). Romance. 1952 
Greene, Graham. O terceiro homem. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 19--. (The third man). Romance. 1951
Hilton, James. Aquele dia inesquecível. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 19--. (So well remembered). Romance. 1947
Hilton, James. E agora, adeus. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 19--. (And now goodbye). Romance. 1941 
Horler, Sydney. A Srta. Mistério. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 19--. (Miss Mystery). Romance policial. 1937
Kennedy, Margaret. O idiota da família. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 19--. (The fool of the family)Romance. 1941 
Lewis, Sinclaire. Babbitt. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 19--. (Babbitt). Romance. 1942 
Maugham, William Somerset. A Casuarina. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 1951. (The Casuarina tree). Contos.
Maugham, William Somerset. A indomável. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 1952. (Creature of Circumstance). Contos.
Maugham, William Somerset. Ah king. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 1944. (Ah king). Contos.
Maugham, William Somerset. As três mulheres de Antibes. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 1956. (The mixture as before). Contos. [com Octavio Mendes Cajado - db]
Maugham, William Somerset. Catalina. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 1950. (Catalina). Romance.
Maugham, William Somerset. Férias de Natal. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 1941. (Christmas holiday)Romance.
Maugham, William Somerset. Histórias dos mares do sul. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 1937. (The rembling of a leaf). Contos.
Maugham, William Somerset. O mágico. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 1962. (The magician). Romance.
Maugham, William Somerset. O pecado de Liza. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 1956. (Liza of Lambeth). Romance.
Maugham, William Somerset. Seis novelas. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 1951. (First person singular)Contos.
Morgan, Charles. O quarto vazio. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 19--. (The empty room). Romance. 1959
Packard, Frank. As aventuras de Jimmie Dale. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 1939. (The adventures of Jimmie Dale). Romance. 
Porter, Katherine Anne. A nau dos insensatos. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 19--. (Ship of fools). Romance. 1964 
Rohmer, Sax. Sombras amarelas. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 19--. (Yellow shadows). Romance. 1938
Wallace, Edgar. A lei dos quatro homens justos. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 19--. (The four just men). Romance policial. 1940
Wallace, Edgar. O caso da dama apavorada. [Por: Leonel Vallandro]. Porto Alegre: Editora Globo, 19--. (Case of the frightened lady). Romance policial. 1938

* Essa mesma novela de A. Christie saiu em 1933 pela Coleção Amarela, porém em tradução de Heitor Berutti, sendo posteriormente retraduzida por Vallandro e reeditada como vol. 146  da mesma coleção (ver aquiaqui) - db 

Complementos - todos pela editora do Globo, salvo indicação em contrário

Sax Rohmer, A mão de Fu-Manchu, Coleção Amarela, vol. 17, 1932
Edgar Wallace, Os três homens justos, Coleção Amarela, vol. 48, 1936
Ernest Trattner, Arquitetos de ideias, 1940
Dirk van der Heide, Minha irmã e eu: diário de um pequeno refugiado holandês, 1941
Pierre van Paassen, Estes dias tumultuosos: biografia duma geração desesperada, 1941
Somerset Maugham, Um casamento em Florença, 1942
Friedrich Hayek, O caminho da servidão, 1948
William Sedgwick, Harry Tyler e Robert Bigelow, História da ciência: desde a remota antiguidade até o alvorecer do século XX, 1952
Joseph Kessel, O leão, Seleções do Reader's Digest, ed. Ypiranga, 1958
Gonzague Truc, História da filosofia, 1958 (com Ruy Flores Lopes)
James Hadley Chase, Com o mundo no bolso, Série Amarela, 1958
Somerset Maugham, Assunto pessoal, 1959
James Hilton, Horizonte perdido, 1960 (com Francisco Machado Vila)
Platão, Diálogos vol. III, A república, 1964
Edward M. Burns, História da civilização ocidental, 2 vols., 1965 (com Lourival Gomes Machado e Lourdes Santos Machado)
C. Arndt et al.Educação comunitária: princípios e práticas colhidos na experiência através do mundo, USAID, 1965
Henry Clay Lindgren, Ansiedade: a doença do século, 1965
Donald M. Dozer, América Latina: uma perspectiva histórica, 1966
J.E. Johnson, Guerra no ar (história da aviação de caça), 1966
Ian Fleming, A morte no Japão, 1966
James Hadley Chase, O infrator cauteloso, Série Amarela, 1967
James Hadley Chase, Não enviem orquídeas para Miss Blandish, Série Amarela, 1967
Pitirim Sorokin, Sociedade, cultura e personalidade, 2 vols., 1968 (com João Baptista Coelho Aguiar)
James Kuethe, Processo ensino-aprendizagem, 1968
James Hadley Chase, Um trouxa como qualquer outro, Série Amarela, 1968
James Hadley Chase, Confidencial, Série Amarela, 1969
James Hadley Chase, Jornada para a morte, Série Amarela, 1969
James Hadley Chase, A morte vem de Hong-Kong, Série Amarela,1969
Alfred Hitchcock, Um pouco do seu sangue e outras histórias, 1969
Pitirim Sorokin, Novas teorias sociológicas, coedição EdUSP, 1969
Aristóteles, Metafísica, 1969
Henry Thomas, Os quatro livros do saber, em 4 volumes, 1970 (com Oscar Mendes)
John Udell Michaelis, Estudos sociais para crianças numa democracia, 1970
Goethe, Memórias: Poesia e verdade, 2 vols., 1971
Graham Greene, A inocência e o pecado, Verbo, 1971
William H. McNeill, História universal: um estudo comparado das civilizações, 1972
Richard Harold Lindeman, Medidas educacionais, 1972
Sherwin Kaufman, A mulher sempre jovem, 1972
Arthur Clarke, Vento solar: histórias da era espacial, 1973
Arthur Clarke, Encontro com Rama, Nova Fronteira, 1973
Blaise Pascal, Pensamentos, 1973
David Hume, Investigação sobre o entendimento humano, Os Pensadores, Abril Cultural, 1973
Aristóteles, Tópicos: Dos Argumentos sofísticos, Os Pensadores, Abril Cultural, 1973 (com Gerd Bornheim)
Gilles Ferry, A prática do trabalho em grupo, 1974
Ralph W. Tyler, Princípios básicos de currículo e ensino, 1974
Tennessee Williams, Moise e o mundo da razão, Círculo do Livro, 1975
Armand Cuvillier, Sociologia da cultura, Globo/EdUSP, 1975
Louise M. Berman, Novas prioridades para o currículo, 1975
Mark Blaug, Introdução à economia da educação, 1975 (com Volnei Alves Corrêa)
William Cruickshank e G. Orville Johnson, Educação da criança e do jovem excepcional, 2 vols., 1975 (com Jurema Alcides Cunha)
W. James Popham e Eva Baker, Táticas de ensino em sala de aula, 1976*
W. James Popham e Eva Baker, Sistematização do ensino, 1976 (com Zaida Grinberg Lewin)*
Robert P. Davis, O piloto, Record, 1976*

* É de se supor que estas tenham sido suas últimas traduções.

Para os volumes lançados na Coleção Amarela, veja aqui.

Um episódio curioso envolvendo Leonel Vallandro se refere a Contraponto, de Aldous Huxley. A obra foi traduzida por Erico Veríssimo e saiu em dois volumes em 1934, com quase 700 páginas ao todo. Teve algumas reedições nos vinte anos seguintes. Em 1956, porém, a tradução passa a constar em nome de Erico Veríssimo e Leonel Vallandro. Após algumas pesquisas, foi possível cogitar se não se trataria de uma edição condensada, com cerca de 470 páginas. Nesse caso, seria de se supor, portanto, que o crédito a Vallandro tivesse sido acrescentado em vista de seu trabalho de condensação e adaptação (e por essa razão não foi incluído nesta sua bibliografia tradutória). A partir daquele ano, todas as inúmeras reedições passaram a trazer esses duplos créditos de tradução.
atualização em 08/08/18: vide novos dados e a reviravolta aqui.

Outra informação desencontrada é a que consta em A Globo da Rua da Praia, de José Otávio Bertaso, que a certa altura afirma que, se não lhe falhava a memória, Leonel Vallandro teria traduzido uma parte de A Rússia por dentro, do jornalista John Gunther. Sim, a memória lhe falhou: foi Lino, irmão de Leonel, que se incumbiu de uma parte da tradução.


25 de jul de 2018

erico veríssimo tradutor


Resultado de imagem para mansfield psicologia "revista do globo" 1939

Curiosamente, embora Erico Veríssimo seja um dos maiores autores brasileiros e exista fartíssimo material sobre sua vida e obra, os dados circulantes sobre sua produção tradutória não raro são incompletos e por vezes até trazem alguns equívocos e imprecisões.

Abaixo apresento em ordem cronológica o que consegui reconstituir a partir de fontes variadas, tanto primárias quanto secundárias:

O sineiro, de Edgar Wallace, 1931 (Coleção Amarela, vol. 3)

O homem sinistro, de Edgar Wallace, 1931 (Coleção Amarela, vol. 6)

Alemanha: fascista ou soviética?, de H.R. Knickerbocker, 1932

O mistério da escada circular, de M. R. Rinehart, 1932 (Coleção Amarela, vol. 11)

Na pista do alfinete novo, de Edgar Wallace, 1933 (Coleção Amarela, vol. 24)

Classe 1902, de Ernst Glaeser, 1933

Contraponto, de Aldous Huxley, 1934 (em 2 vols.)

A morte mora em Chicago, de Edgar Wallace, 1934 (Coleção Amarela, vol. 34)1

A filha de Fu-Manchu, de Sax Rohmer, 1935 (Coleção Amarela, vol. 36)

A cobra amarela, de Edgar Wallace, 1936 (Coleção Amarela, vol. 41)2

A vida começa aos quarenta, de Walter Pitkin, 1936

Navios - e de como eles singraram os sete mares, de H. van Loon, 1936

A guerra secreta pelo algodão, de Anton Zischka, 1936 (com Othmar Krausneck)

“O sorriso da Gioconda”, de Aldous Huxley, in A Novela, n. 5, fev. 1937

E agora, seu moço?, de Hans Fallada, 1937

“História de Anandi, a vaishnavi”, de Rabindranath Tagore, in A Novela, n. 19, abr. 19383

Três titãs - Miguel Ângelo, Rembrandt, Beethoven, de Emil Ludwig, 1939

Felicidade, de Katherine Mansfield, 19404

Não estamos sós, de James Hilton, 1940

Adeus, Mr. Chips, de James Hilton, 1940

Ratos e homens, de John Steinbeck, 1940

O homem e a técnica, de Oswald Spengler, Meridiano, 19415

O retrato de Jennie, de Robert Nathan, Meridiano, 1942

Mas não se mata cavalo?, de Horace McCoy, 1947

Maquiavel e a dama, de Somerset Maugham, 1948


1 Relançado em 1969 pela Cultrix com o título de A lei do chefão.

Para a Coleção Amarela, como se vê, Erico Veríssimo fez sete traduções, de 1931 a 1936. Premido por outras  tarefas, como diretor da Revista do Globo, “conselheiro literário” de Bertaso na editora,  dedicando-se a traduções de mais  fôlego e, sobretudo, com o deslanche de sua obra própria, Veríssimo encerra suas contribuições como tradutor para a Coleção Amarela em 1936.

3 Outra curiosidade é a menção de Erico Veríssimo a Tagore, em suas memórias Solo de clarineta: “Eu lia e traduzia Rabindranath Tagore.  Vejo agora aqui a meu lado, tirada do fundo duma gaveta quase esquecida, uma tradução que fiz de passagens do livro Pássaros Extraviados”.

Felicidade foi o primeiro lançamento de Mansfield em livro no Brasil, enfeixando catorze contos. Seis desses contos traduzidos por Veríssimo já haviam sido publicados antes, em A Novela e na Revista do Globo. Vale notar que foi ele quem introduziu Mansfield entre nós, escolhendo-a para integrar o lançamento do primeiro número de A Novela, a revista literária da Livraria Globo, com o conto “A lição de música”. Antes da publicação da antologia completa Felicidade em 1940, saíram quatro contos da autora em A Novela, em sua breve existência de 1936 a 1938, e outros dois na Revista do Globo em 1939, a saber: “A lição de música”, “Seis pence”, “O dia de Mr. Reginald Peacock”, “A jovem governanta”, “Psicologia” e “Seu primeiro baile”.

5 A Edições Meridiano foi um braço editorial criado pela Globo em 1941, com efêmera existência até 1943. Sua Coleção Tucano, pela qual saiu em 1942 O retrato de Jennie, foi absorvida pela Globo após o encerramento da Meridiano. Assim, Mas não se mata cavalo?, de 1947, saiu como volume 25 da coleção, já pela própria Globo. Diga-se de passagem que José Otávio Bertaso apresenta uma explicação extremamente implausível para a criação da Edições Meridiano em seu A Globo da rua da Praia.

Alguns equívocos repetidos com certa frequência merecem ser retificados. O primeiro equívoco a ser desfeito é o seguinte: O círculo vermelho e A porta das sete chaves, ambos de Edgar Wallace, publicados respectivamente como  volume 1 e volume 2 da  Coleção Amarela (1931), teriam sido traduzidos por Erico Veríssimo. A informação não procede. O círculo vermelho foi traduzido pelo autor regionalista gaúcho Darcy Azambuja, e A porta das sete chaves por Pedro Bruno Dischinger. A fonte desse equívoco, até onde conseguimos apurar,encontra-se em“Memória seletiva: O tempo e os ventos”, uma cronologia biográfica publicada no número  16 dos Cadernos  de  Literatura  Brasileira, do  Instituto  Moreira Salles,  de novembro  de  2003,  em  número  dedicado  a  Erico  Veríssimo, atualmente reproduzida   na   biografia   constante   no   Memorial   do Centro Cultural Erico Veríssimo (CCCEV).:
1931 A  Seção  Editora  da  Livraria  do  Globo  lança  a  primeira  tradução  de  Erico, O sineiro,  de  Edgar  Wallace.  No  mesmo  ano,  traduz  desse  escritor O  círculo vermelho e A porta das sete chaves (CADERNOS 16:10).
Na  cronologia  não  consta  o  nome  do  autor  dos  verbetes  nem  do organizador dos dados, e tampouco qualquer referência às fontes utilizadas. Após  várias diligências  e  consultas  a  diversas  pessoas, obtivemos em correspondência  pessoal com  a pesquisadora  e  docente Maria  da  Gloria Bordini, responsável à época por encaminhar aos coordenadores da edição do IMS  os  materiais  provenientes  do  Rio  Grande  do  Sul, a  confirmação  de  que houve um engano e que as atribuições corretas são, de fato, as que constam na  página  de  rosto  das  obras  citadas: a  tradução d’O  círculo  vermelho é, como dissemos,  de Darcy Azambuja; a d’A porta de sete chaves é de Pedro Bruno Dischinger. O  equívoco  é  tanto  mais  grave,  não  só  porque  não  há registro  de qualquer  fonte  primária ou  mesmo  secundária que  abalizasse a inverossímil asserção publicada no Caderno do IMS, mas porque ao longo dos anos ela tem sido acriticamente reproduzida nos  mais  variados  estudos,  teses,  artigos  e pesquisas, sempre remetendo direta ou indiretamente, explícita ou implicitamente, ao citado Caderno.

Mais grave, porém, e de abrangência muito maior é o grosseiro equívoco de que “Gilberto Miranda” seria o pseudônimo usado por Erico Veríssimo em várias de suas traduções.Na verdade, como explica o próprio Verissimo em Um certo Henrique Bertaso:
Até hoje de vez em quando alguém nos pergunta quem é Gilberto Miranda, que há tanto tempo trabalha para a Globo. Ora, trata-se duma “personalidade de conveniência”que inventei, uma espécie de factótum literário. Se uma equipe anônima organiza um livro ou escreve um ensaio e precisamos dum nome para aparecer como autor dessas tarefas, convocamos Gilberto Miranda, que assim tem sido, além de tradutor, especialista em crítica literária, modas femininas e masculinas, trabalhos manuais, política internacional, história natural, psicologia etc., etc. (2011: 50)
É a partir de 1936, com a tradução de Piratas modernos, de Hans Dominik, como volume 20 da Coleção Universo, que surge a mítica figura de "Gilberto Miranda". aquela “espécie de factótum literário” que designava um improvisado grupo variável de pessoas fazendo talvez às pressas ou dividindo em várias partes qualquer tarefa urgente ou desatendida. Aliás, é interessante notar que, em várias das traduções assinadas por essa "personalidade de conveniência", consta também o nome de outro tradutor, este sim de carne e osso. A hipótese que me parece mais plausível, nesses casos, é a de algum atraso ou eventual desistência do real encarregado pela tarefa, a qual, então, teria sido finalizada por alguma "equipe anônima" da editora ou alguns colaboradores externos convocados às pressas.


Iconografia


Resultado de imagem para "ALEMANHA: FASCISTA OU SOVIÉTICA"

Resultado de imagem para "classe 1902"

Resultado de imagem para contraponto huxley 1934Resultado de imagem para "a morte mora em chicago"



Revista A Novela número 5, 1937: Resultado de imagem para "a vida começa aos quarenta" globo

Resultado de imagem para "a guerra secreta pelo algodão"




Resultado de imagem para "três titãs" globo

Resultado de imagem para "adeus mr. chips" james hilton


Resultado de imagem para spengler "o homem e a técnica"

Resultado de imagem para "mas não se mata cavalo?"Resultado de imagem para "maquiavel e a dama"



22 de jul de 2018

rachel de queiroz tradutora

transcrevo abaixo a lista de traduções feitas por rachel de queiroz, disponível no ditra (dicionário de tradutores, pela pget/ufsc), aqui.

Traduções Publicadas
Agnon, Shmuel Yoseph. Noivado e outros contos. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: Ópera Mundi, 1973. (The Bridal Canopy). Contos.
Auclair, Marcelle. Viva jovem! [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: Agir, 1973. (Vers une vieillesse heureuse). Romance.
Austen, Jane. Mansfield Park. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1942. (Mansfield Park). Romance.
Balzac, Honoré de. A mulher de trinta anos. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1948. (La femme de trente ans). Romance.
Bard, Mary. O doutor meu marido: Confissão da esposa de um médico. [Por: Maria Luiza de Queiroz & Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1952. (The doctor wears three faces). Romance.
Baum, Vicki. Helena Wilfuer. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1944. (Stud. chem. Helene Willfüer). Romance. Tradução indireta do alemão. Língua intermediária: inglês.
Bellamann, Henry. A intrusa. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1945. Romance.
Bottone, Phyllis. Tempestade d'alma. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1943. (The Mortal Storm). Romance.
Brontë, Emily. O morro dos ventos uivantes. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1947. (Wuthering Heights). Romance.
Bruyère, André. Os Robinsons da montanha. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1948. (Les Robinsons de la montagne). Literatura infantojuvenil.
Buck, Pearl. A exilada: retrato de uma mãe americana. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1943. (The exile). Biografia.
Buck, Pearl. A promessa. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1946. (The Promise). Romance.
Butler, Samuel. Destino da carne. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1942. (The Way of All Flesh). Romance.
Chaplin, Charles. Minha vida. [Por: Rachel de Queiroz, R. Magalhães Júnior & Genolino Amado]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1965. (My Autobiography). Biografia.
Christie, Agatha. A mulher diabólica. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1971. (At BertramIs Hotel). Romance Policial.
Cronin, A. J. A família Brodie. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1940. (Hatter's Castle). Romance. Tradução rebatizada O Castelo do homem sem alma: (A família Brodie) em reedições posteriores.
Cronin, A. J. Anos de ternura. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1947. (The Green Years). Romance.
Cronin, A. J. Os gerânios tornam a florir. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1948. (Adventures of a Black Bag). Romance. Tradução rebatizada Aventuras da maleta negra (Os gerânios tornam a florir) em reedições posteriores.
Cronin, A. J. Os deuses riem. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1952. (Jupiter Laughs). Teatro.
Donal, Mario (Marie Chambom). O quarto misterioso e Congresso de bonecas. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1947.
Dostoiévski, Fiódor. Humilhados e ofendidos. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1944. (Unizhennye i oskorblyonye). Romance. Tradução indireta do russo. Língua intermediária: francês.
Dostoiévski, Fiódor. Os demônios. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1951. (Bésy). Romance. Tradução indireta do russo. Língua intermediária: francês.
Dostoiévski, Fiódor. Os irmãos Karamazov. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1952. (Bratya Karamazovy). Romance. 3 volumes. Tradução indireta do russo. Língua intermediária: francês.
Dostoiévski, Fiódor. Recordações da casa dos mortos. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1945. (Zapiski iz Myortvovo doma). Romance. Tradução indireta do russo. Língua intermediária: francês.
Du Maurier, Daphne. O roteiro das gaivotas. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1943. (Frenchman’s Creek). Romance.
Dumas, Alexandre. Memória de Alexandre Dumas, pai. [Por: Rachel de Queiroz] Rio de Janeiro: José Olympio, 1947. (Mémoires de Alexandre Dumas, Pére). Memórias.
Fremantle, Anne. Idade da fé. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1970. (Great Ages of Faith). Romance. Biblioteca de História Universal Life
Galsworthy, John. A crônica dos Forsyte. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1946. (The Forsyte Saga). Romance. 3 volumes. Coleção Fogos Cruzados
Gaskell, Elizabeth. Cranford. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1946. (Cranford). Romance.
Gauthier, Théophile. O romance da múmia. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: Ed. de Ouro, 1972. (Le pied de momie). Romance.
Heidnstam, Verner Von. Os carolinos: crônica de Carlos XII. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: Delta, 1966. (Karolinerna – The Charles Men). Crônicas. Tradução indireta do sueco. Língua intermediária: inglês.
Hilton, James. Fúria no Céu. [Por: Rachel de Queiroz; Cícero Franklin de Lima]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1943. (Rage in Heaven). Romance.
Jesus, Santa Teresa de. Vida de Santa Teresa de Jesus: escrita por ela própria. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio,1946. (La vida de la Santa Madre Teresa de Jesus). Memórias.
La Contrie, M. D'Agon de. Aventuras de Carlota. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1947. (Pauvre Charlotte). Romance.
Loisel, Yves. A casa dos cravos brancos. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1947. (La maison d’ceillets blancs). Romance.
London, Jack. O lobo do mar. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: Edições de Ouro, 1972. (The Sea-Wolf). Literatura infantojuvenil.
Mauriac, François. O deserto do amor. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: Delta, 1966. (Le désert de l’amour). Romance.
Maurois, André. Eduardo VII e o seu tempo. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: Guanabara, 1935. (Édouard VII et son temps). Biografia.
Merrel, Concordia. Coração Indeciso. [Por: Rachel de Queiroz; Cícero Franklin de Lima]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1943. (Hearth’s Journey). Romance.
Prouty, Olive. Stella Dallas. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1945. (Stella Dallas). Romance. (Stella Dallas). Romance.
Remarque, Erich Maria. Náufragos ("E assim acaba a noite"). [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1942. (Liebe deinen Nächsten). Tradução indireta do inglês (Flotsam). Língua de origem: alemão.
Rosaire, Forrest. Os dois amores de Grey Manning. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1948. (East of midnight). Romance.
Rosmer, Jean (Jeanne Louise Marie Ichard). A afilhada do imperador. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1950. Romance.
Sailly, Suzanne. A deusa da tribo. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1950. (La Petite Mère Michel). Romance.
Stone, Irving. Mulher imortal. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1947. (Immortal Wife). Romance.
Tolstoi, Leon. Memórias (infância, adolescência, juventude). [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1944. Biografia. Tradução indireta. Língua de origem: russo.
Verdat, Germaine. A conquista da torre misteriosa. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1948. (A la conquête du mystérieux Donjon). Literatura infantojuvenil.
Verne, Júlio. Miguel Strogoff. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: Edições de Ouro, 1972. (Michel Strogoff). Romance.
Wharton, Edith. Eu soube amar: (a solteirona). [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1940. (The Old Maidthe fifties). Romance.
Willems, Raphaelle. A predileta. [Por: Rachel de Queiroz]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1950. (La Préférée). Romance.


Inclua-se "Markheim", de Robert Louis Stevenson, publicado na coletânea Os ingleses: antigos e modernos, pela editora Leitura, em 1944 (org. Rubem Braga):



19 de jul de 2018

leonardo fróes tradutor


Resultado de imagem para leonardo fróes

·         Albuquerque, Severino J., (org.) Joaquim Nabuco e Wisconsin, 'Centenário da conferência na Universidade – Ensaios comemorativos'. [Por: Leonardo Fróes e Sônia Moreira]. Rio de Janeiro: Bem-Te-Vi, 2010.
·         Bonowitz, Dom Bernardo, (org.). Os místicos cistercienses do século XII, 'Sermões medievais de Bernardo de Claraval, Guilherme de Saint-Thierry, Elredo de Rievaulx, Guerrico de Igny, Isaac de Estrela e Balduíno de Ford'. [Por: Leonardo Fróes]. Juiz de Fora: Subiaco, 2005.
·         Browning, Elizabeth Barrett. Sonetos da portuguesa.[Por: Leonardo Fróes]. Rio de Janeiro: Rocco, 2012.
·         Byron, Lord. "O infiel", excerto [Por Leonardo Fróes], in Antologia do vampiro literário, org. Bruno Berlendis de Carvalho. São Paulo: Berlendis & Vertecchia, 2010.
·         Cassiano, João. Conferências, vol. 3 [Por: Leonardo Fróes]. Juiz de Fora: Subiaco, 2008.
·         Choisy, François-Timoléon de. Memórias do Abade de Choisy vestido de mulher. [Por: Leonardo Fróes]. Rio de Janeiro: Rocco, 2009.
·         Eliot, George. Middlemarch – um estudo da vida provinciana. [Por: Leonardo Fróes]. Rio de Janeiro: Record, 1998.
·         Faulkner, William. A árvore dos desejos. [Por: Leonardo Fróes]. São Paulo: CosacNaify, 2009.
·         Faulkner, William. Esquetes de Nova Orleans. [Por: Leonardo Fróes]. Rio de Janeiro: José Olympio, 2002.
·         Faulkner, William. O intruso. [Por: Leonardo Fróes]. São Paulo: Siciliano,1995.
·         Ferlinghetti, Lawrence. Um parque de diversões da cabeça. [Por: Leonardo Fróes e Eduardo Bueno].Porto Alegre: L&PM, 1984.
·         Ginsberg, Allen. “Sutra do girassol” e “Presença em Gales” [Por Leonardo Fróes], in Quingumbo: Nova poesia norte-americana, org. Kerry Shawn Keys. São Paulo: Escrita, 1980.
·         Goethe, Johann Wolfgang von. Trilogia da Paixão. [Por: Leonardo Fróes]. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.
·         Goethe, Johann Wolfgang von. "A noiva de Corinto". [Por Leonardo Fróes] in Antologia do vampiro literário, org. Bruno Berlendis de Carvalho. São Paulo: Berlendis & Vertecchia, 2010.
·         La Fontaine, Jean de. Fábulas selecionadas de La Fontaine. [Por: Leonardo Fróes]. São Paulo: Cosac Naify, 2013.
·         Lawrence, David Herbert. Poemas de D. H. Lawrence. [Por: Leonardo Fróes]. Rio de Janeiro: Alhambra, 1985.
·         Le Clézio, Jean-Marie Gustave.História do pé e outras fantasias. [Por: Leonardo Fróes]. São Paulo: Cosac Naify, 2012.
·         Le Clézio, Jean-Marie Gustave. O africano. [Por: Leonardo Fróes]. São Paulo: Cosac Naify, 2007.
·         Le Clézio, Jean-Marie Gustave. Pawana. [Por: Leonardo Fróes]. São Paulo: Cosac Naify, 2009.
·         Le Clézio, Jean-Marie Gustave. Refrão da fome. [Por: Leonardo Fróes]. São Paulo: Cosac Naify, 2008.
·         Lowry, Malcolm. À sombra do vulcão. [Por: Leonardo Fróes]. Porto Alegre: L&PM, 2007.
·         Marder, Herbert. Virginia Woolf: A medida da vida. [Por: Leonardo Fróes]. São Paulo: Cosac Naify, 2011.
·         Maurois, André. Em busca de Marcel Proust. [Por: Leonardo Fróes]. São Paulo: Siciliano, 1995.
·         McGuire, William (org.). Freud/Jung: Correspondência completa. [Por: Leonardo Fróes e Eudoro de Souza]. Rio de Janeiro: Imago, 1976.
·         Merton, Thomas. Merton na intimidade: sua vida em seus diários. [Por: Leonardo Fróes]. Rio de Janeiro: Fisus, 2001.
·         O’Connor, Flannery. Contos completos. [Por: Leonardo Fróes]. São Paulo: Cosac Naify, 2008.
·         Perrault, Charles. Contos da Mamãe Gansa, ou Histórias do tempo antigo. [Por: Leonardo Fróes]. São Paulo: Cosac Naify, 2015.
·         Shelley, Percy Bysshe. O triunfo da vida. [Por: Leonardo Fróes]. Rio de Janeiro: Rocco, 2001.
·         Schwob, Marcel. "O pão nosso de cada dia". [Por: Leonardo Fróes] in Apêndice a Moll Flanders, de Daniel Defoe, trad. Donaldson M. Garschagen. São Paulo: Cosac Naify, 2014.
·          Sick, Helmut. Tukaní, Entre os animais e os índios do Brasil Central. [Por: Leonardo Fróes]. Rio de Janeiro: Marigo, 1977.
·         Swift, Jonathan. Panfletos satíricos. [Por: Leonardo Fróes]. Rio de Janeiro: Topbooks, 1999.
·         Tagore, Rabindranath. O casamento e outros contos. [Por: Leonardo Fróes]. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1992.
·         Tompkins, Peter, e Bird, Christopher. A vida secreta das plantas. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, 1974.
·         Torgovnick, Marianna, Paixões primitivas, 'Homens, mulheres e a busca do êxtase' [Por: Leonardo Fróes]. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.
·         VV.AA. Clones do inglês. Poemas traduzidos de Thomas Wyatt, Philip Sidney, Jonathan Swift, William Cowper, Emily Brontë, Thomas Hardy, G.M. Hopkins, e.e. cummings, Louis MacNeice, John Berryman, Robert Lax e Douglas Dunn. [Por: Leoanrdo Fróes]. In: Chinês com sono; Rio de Janeiro: Rocco, 2005.
·         Wilson, Edward Osborne. Naturalista. [Por: Leonardo Fróes]. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997.
·         Wiser, William. Os anos loucos. [Por: Leonardo Fróes]. Rio de Janeiro: José Olympio, 1995.
·         Woolf, Virginia. Contos completos. [Por: Leonardo Fróes]. São Paulo: Cosac Naify, 2005.
·         Woolf, Virginia. O valor do riso e outros ensaios. [Por: Leonardo Fróes]. São Paulo: Cosac Naify, 2014.
Woolf, Virginia. "Defoe". [Por: Leonardo Fróes] in Apêndice a Moll Flanders, de Daniel Defoe, trad. Donaldson M. Garschagen. São Paulo: Cosac Naify, 2014.