30 de set de 2008

os três mosqueteiros

Alexandre Dumas, Os três mosqueteiros (trad. Octávio Mendes Cajado, Ed. Abril Cultural, com licença da Saraiva, 2a. ed., 1971) (pp. 345, 350, 401):

Capítulo XLIII
Mal chegado ao acampamento, o rei, tão ansioso de se ver diante do inimigo, e que, com maiores direitos que o cardeal, compartia do seu ódio contra Buckingham, quis logo fazer todos os preparativos, primeiro para expulsar os ingleses da ilha de Ré, e depois para apertar o cerco da Rochela; no entanto, malgrado seu, retardaram-no as dissensões surgidas entre os senhores de Bassompierre e Schomberg, de um lado, e o Duque de Angoulême, de outro. [...]

Era favorável a conjuntura: os ingleses, que, antes de tudo, precisam de bons víveres para serem bons soldados, só comiam carne seca e biscoitos estragados, e por isso tinham muitos doentes nas fileiras; de mais a mais, o mar, muito revolto nessa época do ano em todas as costas do oceano, metia quase diariamente a pique algum navio [...]

Um homem embuçado apareceu incontinenti e trocou algumas palavras com o cardeal; depois, montou a cavalo e partiu na direção de Surgères, que era também a de Paris.

Capítulo LI
[...] Por melhor que a Rochela estivesse cercada, por mais seguro que parecesse o triunfo, graças às precauções tomadas e, principalmente, ao dique que já não permitia a entrada de nenhuma embarcação na cidade sitiada, o bloqueio, entretanto, poderia durar muito tempo ainda; o que representava para o senhor cardeal que já não precisava, é verdade, indispor Luís XIII com Ana da Áustria, porque já estavam indispostos, mas, pelo contrário, reconciliar o Sr. de Bassompierre com o Duque de Angoulême, que estavam brigados.

Alexandre Dumas, Os três mosqueteiros (atrib. Mirtes Ugeda, ed. Nova Cultural, 2003) (pp. 332, 337, 393):

Capítulo XLIII
Mal chegado ao acampamento, o rei, tão ansioso de se ver diante do inimigo, e que, com maiores direitos que o cardeal, compartia do seu ódio contra Buckingham, quis logo fazer todos os preparativos, primeiro para expulsar os ingleses da ilha de Ré, e depois para apertar o cerco de La Rochelle; no entanto, malgrado seu, retardaram-no as dissensões surgidas entre os senhores de Bassompierre e Schomberg, de um lado, e o Duque de Angoulême, de outro. [...]

Era favorável a conjuntura: os ingleses, que, antes de tudo, precisavam de bons víveres para serem bons soldados, só comiam carne-seca e biscoitos estragados, e por isso tinham muitos doentes nas fileiras; de mais a mais, o mar, muito revolto nessa época do ano em todas as costas do oceano, metia quase diariamente a pique algum navio [...]

Um homem embuçado apareceu incontinenti e trocou algumas palavras com o cardeal; depois, montou a cavalo e partiu na direção de Surgères, que era também a de Paris.

Capítulo LI
[...] Por melhor que La Rochelle estivesse cercada, por mais seguro que parecesse o triunfo, graças às precauções tomadas e, principalmente, ao dique que já não permitia a entrada de nenhuma embarcação na cidade sitiada, o bloqueio, entretanto, poderia durar muito tempo ainda; o que representava para o senhor cardeal que já não precisava, é verdade, indispor Luís XIII com Ana da Áustria, porque já estavam indispostos, mas, pelo contrário, reconciliar o Sr. de Bassompierre com o Duque de Angoulême, que estavam brigados.

atualização em 16/2/12 - obs.: estes são apenas alguns exemplos a título ilustrativo, extraídos de um extenso cotejo feito entre as traduções, com outras traduções e com o original. veja aqui.
imagem: umpoucomaisdeazul.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.