30 de set de 2008

a mulher de trinta anos, duplo plágio

Honoré de Balzac, Mulher de trinta anos (trad. José Maria Machado,* Clube do Livro)

3. Aos trinta anos (p. 129):
Desde esse momento, penetraram nos céus do amor. O céu e o inferno são dois grandes poemas que formulam os dois únicos pontos sobre os quais gira nossa existência: a alegria ou a dor. O céu não será sempre uma imagem do infinito dos nossos sentimentos, que só se poderá pintar nos seus detalhes, porque a felicidade é uma só, e o inferno não representa as infinitas torturas das nossas dores, de que podemos fazer uma obra de poesia, porque são todas dessemelhantes?

Honoré de Balzac, A mulher de trinta anos ("trad." Enrico Corvisieri, Nova Cultural - 1995)

3. Aos trinta anos (p. 95):
Desde esse momento, penetraram nos céus do amor. O céu e o inferno são dois grandes poemas que formulam os dois únicos pontos sobre os quais gira a nossa existência: a alegria ou a dor. O céu não será sempre uma imagem do infinito dos nossos sentimentos, que só se poderá pintar nos seus detalhes, porque a felicidade é uma só? E o inferno não representa as infinitas torturas das nossas dores, de que podemos fazer uma obra de poesia, porque são todas dessemelhantes?

Honoré de Balzac, Mulher de trinta anos (trad. José Maria Machado, Clube do Livro)

3. Aos trinta anos (pp. 130-1):
Inclinaram-se ao mesmo tempo para verem uma dessas majestosas paisagens cobertas de neve, de geleiras, de sombras pardacentas que tingem as faldas de montanhas fantásticas; um desses belos quadros cheios de bruscas oposições entre os tons negros e vermelhos que o firmamento apresenta antes que o sol se esconda de vez. Nesse momento, os cabelos de Júlia tocaram no rosto de Vandenesse: ela sentiu este ligeiro contato, estremeceu violentamente; e ele ainda mais; porque ambos tinham chegado gradualmente a uma dessas crises inexplicáveis em que a alma comunica aos sentimentos uma tão fina percepção que o mais fraco choque faz verter lágrimas, se o coração está entregue à tristeza, ou lhe dá prazeres inefáveis, se está perdido nas vertigens do amor. Júlia apertou quase involuntariamente a mão do seu amigo. Essa pressão persuasiva deu coragem à timidez do amante. As alegrias do momento e as esperanças do futuro, tudo se fundiu numa comoção, a da primeira carícia, do casto e modesto beijo que a senhora d'Aiglemont deixou depor-lhe na face. Quanto mais insignificante é o favor, mais forte e perigoso se torna. Para desgraça de ambos, não havia aí nem dissimulação nem falsidade. Foi a concordância de duas belas almas, separadas por tudo o que é lei, reunidas por tudo o que é sedução na natureza. Nesse momento, entrou o general d'Aiglemont.

Honoré de Balzac, A mulher de trinta anos ("trad." Enrico Corvisieri, Nova Cultural - 1995)

3. Aos trinta anos (pp. 95-6):
Inclinaram-se ao mesmo tempo para verem uma dessas majestosas paisagens cobertas de neve, de geleiras de sombras pardacentas que tingem as faldas de montanhas fantásticas. Um desses belos quadros cheios de bruscas oposições entre os tons negros e vermelhos que o firmamento apresenta antes que o sol se esconda de vez. Neste momento, os cabelos de Júlia tocaram no rosto de Vandenesse: ela sentiu este ligeiro contato, estremeceu violentamente, e ele ainda mais, porque ambos tinham chegado gradualmente a uma dessas crises inexplicáveis em que a alma comunica aos sentimentos uma tão fina percepção, que o mais fraco choque faz verter lágrimas se o coração está entregue à tristeza, ou lhe dá prazeres inefáveis se está perdido nas vertigens do amor. Júlia apertou quase involuntariamente a mão do seu amigo. Essa pressão persuasiva deu coragem à timidez do amante. As alegrias do momento e as esperanças do futuro, tudo se fundiu numa comoção, a da primeira carícia, do casto e modesto beijo que a senhora d'Aiglemont deixou depositar-lhe na face. Quanto mais insignificante é o favor, mais forte e perigoso se torna. Para desgraça de ambos, não havia aí nem dissimulação nem falsidade. Foi a concordância de duas belas almas, separadas por tudo que é lei, reunidas por tudo que é sedução na natureza. Neste momento, entrou o general d'Aiglemont.


Curiosamente, dentro da própria Nova Cultural, a mesma "tradução" que fora apropriada de José Maria Machado e atribuída a Enrico Corvisieri em 1995 foi reeditada na íntegra em 2003, com o crédito da "tradução" em nome de Gisele Donat Soares. A saber:

3. Aos trinta anos (p. 94):
Desde esse momento, penetraram nos céus do amor. O céu e o inferno são dois grandes poemas que formulam os dois únicos pontos sobre os quais gira a nossa existência: a alegria ou a dor. O céu não será sempre uma imagem do infinito dos nossos sentimentos, que só se poderá pintar nos seus detalhes, porque a felicidade é uma só? E o inferno não representa as infinitas torturas das nossas dores, de que podemos fazer uma obra de poesia, porque são todas dessemelhantes?

3. Aos trinta anos (pp. 95-6):
Inclinaram-se ao mesmo tempo para verem uma dessas majestosas paisagens cobertas de neve, de geleiras de sombras pardacentas que tingem as faldas de montanhas fantásticas. Um desses belos quadros cheios de bruscas oposições entre os tons negros e vermelhos que o firmamento apresenta antes que o sol se esconda de vez. Neste momento, os cabelos de Júlia tocaram no rosto de Vandenesse: ela sentiu este ligeiro contato, estremeceu violentamente, e ele ainda mais, porque ambos tinham chegado gradualmente a uma dessas crises inexplicáveis em que a alma comunica aos sentimentos uma tão fina percepção, que o mais fraco choque faz verter lágrimas se o coração está entregue à tristeza, ou lhe dá prazeres inefáveis se está perdido nas vertigens do amor. Júlia apertou quase involuntariamente a mão do seu amigo. Essa pressão persuasiva deu coragem à timidez do amante. As alegrias do momento e as esperanças do futuro, tudo se fundiu numa comoção, a da primeira carícia, do casto e modesto beijo que a senhora d'Aiglemont deixou depositar-lhe na face. Quanto mais insignificante é o favor, mais forte e perigoso se torna. Para desgraça de ambos, não havia aí nem dissimulação nem falsidade. Foi a concordância de duas belas almas, separadas por tudo que é lei, reunidas por tudo que é sedução na natureza. Neste momento, entrou o general d'Aiglemont.

* como se não bastasse, josé maria machado costumava aparecer como o responsável pelas chamadas "traduções especiais" do clube do livro, geralmente traduções portuguesas anteriores, apenas adaptadas ao português brasileiro. na verdade, essa tradução em nome de josé maria machado é cópia da tradução anônima lançada pela h.garnier em 1914 e depois pela civilização brasileira em 1937.

atualização em 16/2/12 - obs.: estes são apenas alguns exemplos a título ilustrativo, extraídos de um extenso cotejo feito entre as traduções, com outras traduções e com o original. veja aqui.


imagem: www.alixnorth.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.