10/03/2009

o discurso do método 1

existem várias traduções brasileiras de o discurso do método, de descartes: jacó guinsburg com bento prado jr. (difel, abril), joão cruz costa (ediouro), maria ermantina galvão (martins fontes), elza moreira marcelina (ática/unb), paulo neves (lpm).*

* pietro nassetti, que assina pelo abutre martin claret, não conta.

a tradução que acabou se tornando a mais consagrada é a de jacó guinsburg e bento prado jr., com introdução de gilles-gaston granger, prefácio e notas de gérard lebrun, no volume chamado obra escolhida, pela clássicos garnier (difel, 1a. ed. 1962).

esta tradução foi publicada também na coleção "os pensadores", da abril cultural, em incontáveis reedições. com a extinção da abril cultural, o catálogo foi para a nova cultural, onde a mesma tradução de jacó guinsburg e bento prado jr. continuou a ser reeditada até 1996.

em 1999, o discurso do método na coleção "os pensadores" da nova cultural passa por uma misteriosa transformação, e surge em cena o suposto tradutor "enrico corvisieri".

"enrico corvisieri" vinha assinando curiosas metamorfoses tradutórias na nova cultural desde 1995: os irmãos karamázovi, suave é a noite, o retrato de dorian gray, a mulher de trinta anos, apologia de sócrates.

que um e-group de jovens do yahoo tenha disponibilizado a fraude para download gratuito, espalhando por todos os sites de e-books, é mero acidente de percurso. foram apenas, digamos, "inocentes úteis".

mas agora que o MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, no site do DOMÍNIO PÚBLICO DO GOVERNO, disponibilize a obra sem o menor critério de discernimento, é de uma irresponsabilidade sem tamanho.

imagem: primaryconcern.org

Um comentário:

  1. Denise,
    que vergonha... eu ainda morro de vergonha deste país...
    Se fosse um caso isolado, uma exceção, mas é público e notório...
    Mas o que esperar de um país que todo ano muda os livros didáticos como se fossem fraldas descartáveis?

    E depois fazem campanha "salvem nossas florestas", "não desperdicem" e por aí vai...


    fico por aqui, pois o resto que eu teria para falar é impublicável.

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.