27 de nov de 2008

onde tudo começou

1. os irmãos karamázovi, círculo do livro, 1995, trad. natália nunes e oscar mendes


2. os irmãos karamázovi, círculo do livro, 1995, "trad." enrico corvisieri
[clique em cima das imagens para vê-las ampliadas]


é engraçado, triste e irônico: os irmãos karamázovi, de dostoievski, em tradução da portuguesa natália nunes (feita a partir da tradução em espanhol) e notas de oscar mendes tinha sido publicado pela josé aguilar em 1963.

1. em 1995, o círculo do livro, empresa do grupo c.l.c. (leia-se richard civita), publicou essa tradução de natália nunes em edição de capa dura.

2. no mesmo ano de 1995, a nova cultural, divisão do círculo do livro, inaugurou a coleção imortais da literatura com a publicação do mesmo os irmãos karamázovi.

a página de imprenta especificava: "licença de tradução concedida por enrico corvisieri".

essa suposta tradução de enrico corvisieri, porém, era uma cópia praticamente literal, apenas com uma ou outra troca de palavras da tradução anterior lançada pela josé aguilar.

o engraçado é que as duas edições, uma com dados corretos, outra com dados fraudados, são publicadas pela mesma empresa no mesmo ano.

o triste é que, até onde vão minhas pesquisas, está aí o plágio que inaugurou a próspera carreira de fraudes da nova cultural que se prolonga há mais de uma década.

e a não pequena ironia consiste no tripudio da herança editorial que richard civita recebeu de victor civita: foi exatamente com o mesmíssimo os irmãos karamázovi de dostoievski que, 24 anos antes, em 1971, a abril cultural havia inaugurado sua celebrada coleção de literatura, um marco na história editorial do país, com o devido licenciamento da josé aguilar para o uso da tradução de natália nunes com notas de oscar mendes. *

mal decorrida uma geração após o lançamento da coleção da abril e mal passados cinco anos da morte de victor civita, a nova cultural começou a implantação da galeria de seus fantasmas tradutórios que até hoje continuam a assombrar o país.

* a relação dos 50 títulos que compunham a coleção da abril cultural (1971-72), com respectivos tradutores, está em:
http://naogostodeplagio.blogspot.com/2008/08/os-pensadores-abril-cultural.html

14 comentários:

  1. Que assustador, e eu que tenho alguns da Nova pós 95...me sinso lesado e ludibriado.

    ResponderExcluir
  2. Anônimo11.2.11

    Oi Denise. Um amigo me disse que Natália Nunes é tradutora portuguesa e que as traduções devidas a ele e Oscar Mendes são feitas por ela para Portugal e adaptadas por ele para o português do Brasil. Como não encontrei infomações sobre ela na net recorro a você para saber se é verdadeira essa informação. Muito obrigado.
    Willamy Fernandes.

    ResponderExcluir
  3. olá, willamy: sim, até onde vai meu conhecimento, a informação procede. Natália Nunes (que está bem velhinha, deve ter uns 90 anos agora, mora no Algarve) traduzia do inglês para editoras portuguesas. Estas licenciavam o direito de uso dessas traduções para editoras ou filiais brasileiras, e o português era abrasileirado por Oscar Mendes. Muito infelizmente, inúmeras traduções em que ele fez apenas a adaptação ao português do Brasil constam como se fosse também de sua autoria.

    ResponderExcluir
  4. willamy, outro engano frequente é pensar que todas as traduções indiretas de dostoievski eram feitas do francês. não, no caso de natália nunes, eram feitas a partir do inglês.

    ResponderExcluir
  5. Anônimo11.2.11

    Denise, estou muito grato por sua resposta e timidamente venho incomodá-la com mais uma demanda: não há traduções de Tolstói direto do russo? Quanto à edição de suas obras completas pela Nova Aguilar com os tradutores portugueses João Gaspar Simões, Natália Nunes e Lygia Azevedo (não sei se ela é mesmo portuguesa), você teria condições de fazer uma pequena crítica quanto à sua qualidade? João Gaspar Simões traduz também por interposição do inglês?
    Willamy Fernandes.

    ResponderExcluir
  6. imagine, não incomoda, esteja à vontade.
    há sim traduções de tolstoi direto do russo, e várias! tatiana belinky, boris schnaiderman, rubens figueiredo...
    joão gaspar simões, aí fico lhe devendo, não sei dizer... vc se refere a guerra e paz e ana karênina, não é?
    ana karênina, a cosac lançou na trad. de rubens figueiredo - é do russo
    guerra e paz está prevista para sair logo, tb cosac, tb rubens figueiredo

    natália nunes e joão gaspar simões (aliás, amigo de fernando pessoa) têm um bom renome em tradução literária. lygia azevedo não conheço.

    ResponderExcluir
  7. Anônimo14.2.11

    Bom dia Denise. Estive numa livraria folheando Crime e Castigo pela l&pm e notei consternado que, além de a tradução vir creditada a Natália Nunes e Oscar Mendes, não há referência alguma ao tradutor inglês. Fico um tanto desalentado pois isso me parece um indício de má fé numa editora que respeito justamente por manter uma coleção confiável de livros com preços acessíveis, ótimos títulos e ótimas traduções.
    Willamy Fernandes.

    ResponderExcluir
  8. willamy, na verdade a l&pm apenas licenciou essa tradução da josé aguilar (nova aguilar). a responsabilidade caberia a esta...

    ResponderExcluir
  9. Anônimo14.12.11

    http://naogostodeplagio.blogspot.com/2008/10/continuando.html

    Amigo, bom dia. Teu blog é o que eu procurava. O link acima não está funcionando.. pode me mandar a relação dos livros relação dos 50 títulos que compunham a coleção da abril cultural (1971-72), com respectivos tradutores.

    grato

    por favor mandar em ymzk49@ig.com.br

    Douglas

    ResponderExcluir
  10. olá, douglas, obrigada por avisar. o link já está corrigido, e é http://naogostodeplagio.blogspot.com/2008/08/os-pensadores-abril-cultural.html

    ResponderExcluir
  11. Anônimo14.12.11

    Grato! Denise... acho estranho uma coisa.. estou atrás de uma edição de capa preta da círculo do livro do Ulysses de James Joyce.... edição a qual tive em mãos mas dei bobeira ao não comprar.. e a mesma não aparece na relação...

    ResponderExcluir
  12. o círculo do livro publicava centenas e centenas de obras por licenciamento. não precisavam fazer necessariamente parte de nenhuma coleção da abril.

    essa ed. de que vc fala acho que é a de 1975 - vc encontra disponível na estante virtual:
    http://www.estantevirtual.com.br/mod_perl/busca.cgi?alvo=editora&pchave=c%EDrculo+do+livro&orderby=menor_preco&memoria_queries=titulo+1v1+%252Bulisses&bestante=&bvendor=&section=&refinar=1&pd=

    ResponderExcluir
  13. Anônimo25.2.12

    Denise,geralmente as traduçoes de obras russas para o português são traduçoes indiretas,vem do frances ou outras linguas,como fez Rachel de Queiroz ao traduzir Dostoievski do frances,as traduçoes francesas sao conhecidas por afrancesar os livros,tornando-os mais agradaveis aos franceses,com isso modificam a obra,voce com sua vasta experiencia,sabe dizer se isso acontece tambem com as traduçoes para o ingles???estou a comprar a Obra de Tolstoi pela nova aquilar e gostaria que fossem bem completas as traduçoes,se nao o jeito é esperar pelas traduçoes diretas do russo!Abraço RODRIGO SILVA

    ResponderExcluir
  14. prezado rodrigo: qualquer tradução indireta tem as marcas dessa interposição. o que se traduz, nestes casos, não é o original; é, justamente, um texto derivado do original. mas, de modo geral, isso não chega a ser algo dramático ou terrível. uma boa tradução pode ser base para outra tradução, com perdas para o leitor, claro, mas nada que arranque pedaços, creio eu. se você for um estudioso, digamos, do fenômeno do pacifismo no século XIX, naturalmente será melhor que você leia tolstói no original russo ou numa tradução de primeira mão. se você se dedica à análise literária ou à história da literatura, idem. mas, como contato despretensioso com o enredo, os personagens, as teses ou o conteúdo temático da obra, não vejo perdas irreparáveis numa tradução indireta. a tradução indireta sofre um pouquinho mais no aspecto estilístico - o que é tanto mais problema´tico numa obra literária, onde forma e conteúdo costumam estar mais intimamente associados do que num texto não literário - mas eu não perderia o sono por ler uma trad. indireta em vez de uma direta.

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.