1 de nov de 2011

mão na massa

para quem gosta de acompanhar trabalho de tradução, comecei o último conto de poe inédito no brasil, "von kempelen and his discovery", aqui.

7 comentários:

  1. Fabrizio Lyra1.11.11

    Fico feliz em saber disso e ansioso para ler o conto. Com todo respeito aos bons tradutores de Poe, por mim, gostaria que fosse lançado um livro com toda a prosa de Poe traduzida por você. E seria o primeiro autor em uma lista de vários que tenho para sugerir.

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. olá, fabrizio: hahaha, já pensou? mas, além de eu não ter grande experiência em tradução literária, seria meio chover no molhado, não acha? afora que nenhuma editora se interessaria muito pela trigésima-quinta tradução, por exemplo, de the black cat :-))

    mas agradeço a gentileza!

    ResponderExcluir
  3. Fabrizio Lyra1.11.11

    Sim, eu estava lendo seu verbete no site da Ditra e vi na bibliografia (por sinal de peso, um corpo de grandes autores, em diversas áreas, muito respeitável) que existem poucos trabalhos literários. Poucos, mas muito importantes como O Amante de Marguerite Duras e Mrs.Dalloway de Virginia Woolf. Inclusive tenho vários livros aqui traduzidos por você como a biografia de Freud de Peter Gay e o excelente conjunto de artigos de Richard Ellman "Ao Longo do Rio Corrente". Mas por quê você não traduz mais trabalhos literários? É uma questão de opção sua? ou os tradutores dependem de convites das editoras? como leitor, gostaria de ter essas informações sobre o universo dos tradutores. Gostaria de saber se eles podem escolher autores para traduzir e oferecer o seu trabalho para as editoras; Se eles podem sugerir autores e obras ou ficam inteiramente dependente do convite de editoras. É importante para nós, leitores, sabermos isso, pois agora, dentro do universo mais rápido de troca de informações da net, podemos, além de sugerir autores para as editoras, sugerir tradutores também. Os leitores tem que estar cada vez mais atentos a questão da qualidade editorial da qual a tradução é um elemento fundamental.

    Abraço e mais uma vez obrigado!

    ResponderExcluir
  4. olá, fabrizio: obrigada pelo interesse; de fato nem sempre os leitores acompanham esse tema.
    minha área de formação é história e pós-graduação na área de epistemologia das ciências humanas. então, quando comecei a traduzir, sempre foi em áreas em que eu tinha alguma familiaridade - acho importante isso em tradução. apenas muito recentemente é que aceitei algumas propostas de tradução literária, de autoras (duras e woolf) com as quais tinha alguma intimidade como leitora. então, sim, foi opção minha, a convite de editoras (a primeira foi a brasiliense). de modo geral, são as editoras que oferecem obras ao tradutor, geralmente já em sua área de maior expertise, digamos assim. eventualmente sugere-se algo às editoras, e elas podem aceitar ou não. isso se aplica mais aos casos de projetos de tradução de um autor, mais de longo prazo, por exemplo modesto carone com kafka, paulo bezerra com dostoievski, ou mamede jarouche com as mil e uma noites, profissionais universitários com fonte de renda que não depende da tradução.
    em caso de tradutores que vivem de suas traduções, creio que o perfil ideal é trabalhar preferencialmente em sua área de formação, mas isso, naturalmente, varia bastante.

    sim, concordo que os leitores têm um papel determinante para se manter e se elevar constantemente o nível editorial. se aceitarem qualquer coisa, complica... como bem diz você, "Os leitores têm que estar cada vez mais atentos a questão da qualidade editorial da qual a tradução é um elemento fundamental". é essa cobrança e essa atenção que garantem a continuidade do bom trabalho, e de certa maneira funcionam como uma espécie de feedback e reforço positivo às editoras que, por si sós, já procuram oferecer boa qualidade nas traduções que publicam.

    abraço,
    denise

    ResponderExcluir
  5. Fabrizio Lyra2.11.11

    Obrigado, Denise. E eu quero cada vez mais ter a oportunidade de me corresponder com tradutores sérios como estou fazendo com você para transmitir minhas dúvidas, sugestões e dar esse feedback que considero fundamental. Se puder me dar sugestões de onde na net posso me corresponder com tradutores importantes, especialmente na área de literatura, teatro e cinema (eu fiz uma pesquisa no Google, mas não consegui muita coisa. Apareceram tradutores de legendas, técnicos, todo tipo de coisa. Não consegui peneirar ainda) te agradeço mais uma vez. Como disse e repito, a participação dos leitores, especialmente os que lêem de tudo há muitos anos como eu é fundamental para que haja seriedade cada vez maior em nosso mercado editorial e não se repitam mais as muitas falhas que vimos no passado e ainda continuam a ocorrer. Mesmo que estejamos longe de ser profissionais da tradução, as informações como consumidores de cultura que acumulamos ao longo dos anos nos permitem dar um importante e, a meu ver, obrigatório retorno.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  6. olha, fabrizio, uma grande tradutora literária e de clássicos das humanidades, ivone benedetti, mantém um blog muito bonito, a grenha: http://ivonecbenedetti.wordpress.com/

    ivo barroso tinha um blog muito bom, mas está inativo faz alguns meses. em todo caso, tem coisas ótimas lá: http://gavetadoivo.wordpress.com/

    jorge furtado, tradutor de carroll, tem o dele, muito legal, http://www.casacinepoa.com.br/o-blog/jorge-furtado

    tem o jabberwocky do higor, caquis caídos da adriana lisboa, ih, tanta coisa boa



    abraço
    denise

    ResponderExcluir
  7. Fabrizio Lyra2.11.11

    Muito obrigado, Denise. Entrarei agora em todos eles.

    Abraço

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.