21 de nov de 2011

centaur

comentei em post anterior que havia encontrado uma aurora de nietzsche por uma editora chamada "centaur", na amazon, em tradução absolutamente idêntica à de antônio carlos braga, pela editora escala. até aventei a hipótese de ser a centauro paulista, mas não. hoje fui ver o catálogo da "centaur" em kindle na amazon: tem vários títulos em castelhano, alguns em inglês e vários em português, como as obras completas de freud, os diversos volumes do em busca do tempo perdido, alguns nietzsches etc..



parece ser mais uma dessas picaretagens para faturar em cima dos outros. aqui o catálogo da centaur na amazon.


imagem: aqui

19 comentários:

  1. Anônimo21.11.11

    Cara Denise,

    Fico feliz, como sempre, em saber que vc está sempre de olho nos picaretas. Compartilho com vc o blog de e sobre tradução que criei há poucos dias. Seria um prazer contar com sua colaboração, com alguma tradução ou com algum texto seu sobre tradução: http://traduzirfantasmas.wordpress.com/
    um abraço,

    davi.

    ResponderExcluir
  2. olá, davi, que legal, vou visitá-lo!
    obrigada.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo22.12.12

    ha!

    um ano depois; achei estranho encontrar tantos livros dessa tal "editora" na Amazon Brasil, a preços módicos, sem indicar detalhes sobre a edição ou o tradutor.

    joguei o nome no Google, e o primeiro link apontava pra esse post.

    ResponderExcluir
  4. Augusto25.12.12

    faço as palavras do anonimo acima, a amazon brasi esta vendendo GUERRA E PAZ, classico de tolstoi, por 5 reais, numa edicao virtual para kindle dessa editora

    http://www.amazon.com.br/Guerra-Paz-com-%C3%ADndice-ebook/dp/B00816QQUI/ref=sr_1_2?s=digital-text&ie=UTF8&qid=1356456981&sr=1-2

    quero comprar esse livro para kindle, mas nao quero fomentar a pirataria nas traduções....vou aguardar.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Pessoal, não acho que a Amazon permitiria uma picaretagem dessas. Alguém já entrou em contato com o setor de conteúdo da Amazon? Como a empresa mais centrada no cliente do mundo, eles com certeza terão uma explicação satisfatória! Também estou interessado no título "A Divina Comédia", mas o e-mail da editora é um Gmail! Existe isso? Está gritando: "Sou ilegal".

    ResponderExcluir
  7. Anônimo17.7.13

    A Divina Comédia da centaur foi traduzida por José Pedro Xavier Pinheiro, que morreu em 1874. Não tem nada de ilegal (http://books.google.pt/books/about/A_Divina_Come%CC%81dia.html?id=9wgPRdjBMEkC&redir_esc=y).
    Tenho comprado vários ebooks da centaur e só tenho a dizer coisas boas. Todos os livros têm o nome, data de nascimento e de morte do tradutor. Alguns são mesmo raridades que nunca pensei encontrar, como este de Júlio Verne (http://www.amazon.com.br/N%C3%A1ufragos-%C2%ABJonathan%C2%BB-Viagens-Maravilhosas-ebook/dp/B00DAL0EDE/ref=sr_1_1?s=digital-text&ie=UTF8&qid=1374055903&sr=1-1&keywords=B00DAL0EDE).

    ResponderExcluir
  8. Anônimo22.7.13

    O fato de a editora "ter um tradutor" não significa que ela seja idônea. Se a tradução está na internet, por exemplo, ela não poderia estar à venda na Amazon. A publicação de obras em "domínio público", pelo Kindle, proibe esse tipo de prática. Basta uma única denúncia para que a obra saia do ar, na Amazon. Logo, se a tradução da Divina Comédia está, idêntica, na internet, ela não é uma edição original da "Centaur". Logo, essa "editora" não poderia faturar com ela. Só se produzisse a sua própria edição... Assim, se eu fosse do dono da Centaur, eu ficaria preocupado... E produziria as minhas próprias edições. Em vez de fica vindo "se defender", em comentários, como este acima...

    ResponderExcluir
  9. Anônimo23.11.13

    A obra do tradutor também cai em domínio público e pode ser reproduzida. Se fosse o contrário, a obra original cairia no domínio público, enquanto os direitos autorais da tradução seriam eternos.

    ResponderExcluir
  10. prezado anônimo, sim, claro, segue a mesma lei - entra em domínio público 70 anos após a morte do tradutor.

    ResponderExcluir
  11. Anônimo22.3.14

    Tradução em domínio público pode ser publicada por qualquer um, é o que se extrai da lei....

    ResponderExcluir
  12. sim, conforme expliquei na resposta acima a outro anônimo. todavia, um dos direitos que jamais podem ser ignorados, quer a obra esteja em DP ou não, é o chamado "direito de paternidade", isto é, ao nome. nesses casos, além dessa flagrante violação de um direito pessoal inalienável e intransferível, nem tem como saber se seriam traduções já em DP.

    ResponderExcluir
  13. Anônimo18.9.14

    Boa noite!
    As traduções de Dostoievski da Centaur (vendidas na Amazon) são do português A. Augusto dos Santos.
    Só achei a seguinte referência a este tradutor na internet:
    http://www.midiasemmascara.org/arquivos/5747-dostoievski-lenin-e-os-demonios.html
    Firás

    ResponderExcluir
  14. Mais alguma novidade no caso da centaur? Percebi q ela continua operante.

    ResponderExcluir
  15. Eu já desconfiei da centaur editora e cheguei inclusive a escrever à Amazon questionando a idoneidade da empresa. A Amazon me garantiu que com ela não havia nada de errado. Isso me deu confiança para comprar o livro "Irmãos Karamazov" do Dostoiévski, tradução de A. Augusto dos Santos. Pesquisei logo sobre esse tradutor e descobri que a Centaur usa para sua versão Kindle a mesma tradução da versão portuguesa do livro do ano 1952, de uma tal Progredior, de O Porto. Pelo que averiguei, esta é uma tradução respeitada. As vezes estranho alguns termos e vocábulos lusitanos na leitura de Irmãos Karamazov, mas já me acostumei. Tanto que devo comprar a versão de Crime e Castigo, do mesmo tradutor e da mesma editora, Centaur. Pode confiar, gente. Não há nada de errado com essa editora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. isso, roberto, deixou de haver, deixou de haver. estão usando basicamente traduções mais antigas, várias portuguesas, como no caso que vc cita. sobre os karamazov da centaur, alguém já tinha comentado a respeito aqui: http://naogostodeplagio.blogspot.com.br/2012/03/os-irmaos-karamazovi.html

      sim, a trad. de a.augusto do santos (ou revista por ele) foi a primeira a sair em portugal, em 1937.

      Excluir
    2. Legal. Obrigado pela informação. Estou muito interessado nesses tradutores que a Centaur usa em seus livros do Dostoiévski, e aqui neste blog encontrei tudo o que precisava saber, o panorama completo. A Centaur usa traduções antigas, mas pelo preço que estão cobrando, por exemplo, pelos 11 romances dele (R$19,99), num só volume (Kindle) achei que valeu a pena comprar. Achei estranho apenas que "Os Demônios", eles chamam de "Os Possessos"(!!!)

      Excluir
  16. ah, sem dúvida, vale muitíssimo a pena! e não por serem antigas são melhores ou piores (e até bom e gostoso para conhecer os vezos lusitanos e algo mais antigo; pessoalmente sempre acho muito instrutivo).

    o título "os possessos" já indica que a tradução foi feita a partir da primeira tradução para o francês, de victor derély ("les possédés"), uso que aliás também migrou para a primeira tradução em inglês ("the possessed"). aqui no brasil também houve uma tradução nacional, "os possessos", com certeza baseando-se na de derély. a de rachel de queiroz, também pelo francês, provavelmente seguiu a edição das obras completas de d., de 1930.

    ao que dizem os conhecedores, houve aí, no caso dos "possédés", uma confusão entre a primeira e a segunda epígrafe (a primeira, de púchkin, "os demônios"; a segunda, da bíblia, "os possessos" ou "possuídos.

    ResponderExcluir
  17. Gratidão pelo seu trabalho _/\_

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.