24 de nov de 2011

nietzsche traduzido no brasil III

a partir de 1980, há inúmeras reeedições dos vários títulos das várias editoras, em especial hemus, ediouro e abril cultural (a partir de 1987, nova cultural). vou me concentrar apenas em novas traduções de títulos já traduzidos anteriormente (isto é, as chamadas "retraduções") e de títulos ainda inéditos entre nós.

em 1984, a moraes lança a origem da tragédia, sem nome do tradutor, mas com créditos de preparação a joaquim josé de faria, o qual, ao lado de um tal "peter klaus ivanov", ressurge como autor da mesma tradução na centauro - na verdade, não passa de mera cópia da tradução portuguesa de álvaro ribeiro, pela guimarães editora, como mostrei aqui. capa na centauro:


também em 1984, a moraes lança uma anônima tradução de o anticristo, que mais tarde ressurge na centauro em nome de rubens eduardo frias. aqui na capa da centauro:


em 1985, a ediouro lança a tradução de davi jardim jr. de o anticristo:


também em 1985, a max limonad lança ecce homo, como alguém se torna o que é, em tradução de paulo césar de souza:


em 1986, a moraes lança mais uma suspeita tradução, a genealogia da moral, assinada por joaquim josé de faria:


em 1986, paulo césar de souza lança sua tradução de crepúsculo dos ídolos pela companhia das letras:


em 1987, sai pela brasiliense genealogia da moral: um escrito polêmico em tradução de paulo césar de souza, transitando depois para a companhia das letras:


em 1987, a moraes lança o livro do filósofo com tradução que reaparece na centauro em nome de rubens eduardo frias, com indicação a partir do francês:


em 1992, ainda a moraes lança o apócrifo a minha irmã e eu, com tradução atribuída a rubens eduardo frias, mera cópia da tradução portuguesa de pedro josé leal, como mostrei aqui.


em 1996, pela newton compton, sai o anticristo, maldição do cristianismo, em tradução do italiano por mario fondelli:


em 1997, a sette letras lança cinco prefácios para cinco livros não escritos, em tradução de pedro süssekind:

Cinco Prefácios: Para Cinco Livros Não Escritos

em 1997, a editora martin claret lança um "livro-clipping" chamado nietzsche: vida e pensamentos, uma colagem de excertos extraídos de edições alheias:

Nietzsche: vida e pensamentos

em 1999, sai uma suspeita tradução de assim falou zaratustra, atribuída inicialmente a uma "equipe de tradutores da martin claret" e depois a "alex marins":


também em 1999, sai a tradução de paulo césar de souza de o caso wagner/ nietzsche contra wagner, pela companhia das letras:


ainda em 1999, a companhia das letras lança o nascimento da tragédiaou helenismo e pessimismo, em tradução anotada de jacó guinsburg:


em 1999, a escala publica humano, demasiado humano em tradução de antônio carlos braga:


aparentemente os anos 80 e 90 consolidam e aprofundam duas tendências da década anterior: de um lado, a proliferação de edições pouco idôneas; de outro lado, a sedimentação de uma bibliografia nietzschiana sólida, com cuidadosas retraduções anotadas. no meio, ininterruptas reedições de décadas anteriores e eventualmente alguma nova tradução íntegra e honesta, de boa qualidade e sem maiores pretensões críticas.

ressalvo uma vez mais que se trata de uma cronologia tal como consegui reconstituir a partir de acervos de bibliotecas, livrarias e sebos. os posts estão sujeitos a alterações para complementar ou eventualmente corrigir dados.
.

2 comentários:

  1. Anônimo5.12.11

    Boa noite.
    Apenas uma pequena observação: salvo engano, a tradução do Nascimento da Tragédia por Guinsburg é de 1992, não de 1999, conforme consta no curriculum Lattes do tradutor.

    ResponderExcluir
  2. Rubens Eduardo Ferreira Frias sempre negou haver traduzido outro livro além de "O livro do filósofo".

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.