27 de nov de 2009

flávio josefo, flavius josephus II



inicio agora a série de cotejos dos quatro textos utilizados nas seleções de flávio josefo, trad. pe. vicente pedroso, edameris, 1974, e nas seleções de flavius josephus, com problemas na atribuição de tradução, madras, 2005.*

* atualizado em 10/12/2009: sobre a atribuição, ver informe. atualizado em 14/12/2009: ver solicitação.

segue abaixo o começo do prefácio de flávio josefo às suas antiguidades judaicas.

I.
Aqueles que determinam escrever história a isso nem sempre são levados pela mesma razão: muitas vezes as têm bem diversas. Uns o fazem pelo desejo de mostrar a própria eloquência e conquistar fama. Outros fazem-no para homenagear àqueles cujos feitos narram, e não há esforços que não façam para lhes ser agradáveis. Outros, ainda, o fazem porque, tendo tomado parte nos acontecimentos que descrevem, querem que todos disso saibam. E outros, por fim, o fazem porque não podem tolerar que coisas dignas de serem conhecidas fiquem sepultadas, no silêncio. Estas duas últimas razões levaram-me a escrever. Pois, de um lado, como tomei parte na guerra contra os romanos e fui testemunha dos feitos que lá se realizaram, conheço vários episódios dela, senti-me obrigado e quase forçado a escrever-lhe a história, para dar a conhecer a má-fé daqueles que, tendo-a escrito antes de mim, obscureceram a verdade. (vicente pedroso)

II.
Aqueles que se propõem a escrever história, a isso nem sempre são levados pelo mesmo motivo: muitas vezes as têm bem diversas. Alguns o fazem pelo desejo de mostrar a própria eloquência e conquistar fama. Outros, [] para homenagear aqueles cujos feitos narram, e não há esforços que não façam a fim de serem agradáveis. Outros, ainda, fazem-no porque, tendo tomado parte nos acontecimentos que descrevem, querem que todos saibam disso. E há os que, por fim, fazem-no por não poderem tolerar que coisas dignas de serem conhecidas fiquem sepultadas no silêncio. Essas duas últimas razões levaram-me a escrever. Pois, de um lado, como tomei parte na guerra contra os romanos e fui testemunha dos feitos que lá se realizaram, conheço vários episódios dela, e senti-me obrigado e quase forçado a escrever [] a história para se fazer conhecer a má-fé daqueles que, tendo-a escrito antes de mim, obscureceram a verdade. (madras)

como disse anteriormente, a imprenta da edição da madras especifica: "Publicado originalmente em inglês sob o título The Works of Flavius Josephus". não existe nenhuma seleta em inglês chamada the works of flavius josephus. o único corpo de textos que tem esse nome, até onde sei, corresponde à obra de flávio josefo traduzida por william whiston em 1737 e que se mantém até hoje como a tradução consagrada em língua inglesa. encontra-se disponível aqui.

em todo caso, por uma questão de método, se a editora madras afirma que a suposta tradução foi feita a partir de the works of flavius josephus (na tradução, deduzo eu, de william whiston), creio que cabe reproduzir aqui o trecho correspondente.

THOSE who undertake to write histories, do not, I perceive, take that trouble on one and the same account, but for many reasons, and those such as are very different one from another. For some of them apply themselves to this part of learning to show their skill in composition, and that they may therein acquire a reputation for speaking finely: others of them there are, who write histories in order to gratify those that happen to be concerned in them, and on that account have spared no pains, but rather gone beyond their own abilities in the performance: but others there are, who, of necessity and by force, are driven to write history, because they are concerned in the facts, and so cannot excuse themselves from committing them to writing, for the advantage of posterity; nay, there are not a few who are induced to draw their historical facts out of darkness into light, and to produce them for the benefit of the public, on account of the great importance of the facts themselves with which they have been concerned. Now of these several reasons for writing history, I must profess the two last were my own reasons also; for since I was myself interested in that war which we Jews had with the Romans, and knew myself its particular actions, and what conclusion it had, I was
forced to give the history of it, because I saw that others perverted the truth of those actions in their writings.



atualização em 16/2/12 - obs.: estes são apenas alguns exemplos a título ilustrativo, extraídos de um extenso cotejo feito entre as traduções, com outras traduções e com o original. veja aqui.



imagem: flávio josefo; whiston

2 comentários:

  1. Anônimo30.11.09

    A Madras, em picaretagem, consegue rivalizar com a Martin Claret. Uma tradução do livro de Jeffrey Burton Russell, Lúcifer, o Diabo na Idade Média, da Madras, apresenta várias palavras ainda em inglês, como se a tradição tivesse sido feita pelo tradutor automático do Google.
    É um desrespeito a todos os leitores!!!

    Adilson Silva

    ResponderExcluir
  2. prezado adilson, lamentável! a esperança é que algum dia essas editoras descubram que há milênios existe algo chamado "tradução" e pessoas capacitadas chamadas "tradutores", e que se espera que um livro em língua estrangeira receba tradução para o português, e não mera cópia, roubo, plágio ou improvisação feita nas coxas.

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.