30 de nov de 2009

memorabilia



segue-se a lista do nãogostodeplágio com os autores que tiveram suas traduções, notas, introduções surripiadas:

adolfo casais monteiro, antónio ferreira marques, antônio pinto de carvalho, araújo nabuco, artur morão, bandeira duarte, bento prado jr., blásio demétrio, boris schnaiderman, brenno silveira, bruno da ponte, cabral do nascimento, carlos chaves, carlos porto carreiro, casimiro fernandes, e. jacy monteiro, eça de queiroz, eudoro de souza, éverton ralph, fernando de aguiar, fernando carlos de almeida cunha medeiros, floriano de souza fernandes, francisco inácio peixoto, galeão coutinho, godofredo rangel, guilherme de almeida, hebe caletti marenco, helga hoock quadrado, henrique marques ("pandemónio"), hernâni donato, isabel sequeira, ivan emilianovitch schawirin, jacó guinsburg, jaime bruna, jamil almansur haddad, joão lopes alves, joão ângelo oliva neto, joão baptista de mello e souza, joão paulo monteiro, joaquim dá mesquita paul, joaquim machado, jorge camacho, josé duarte, josé tavares bastos, josé augusto drummond, josé laurênio de mello, leila v. b. gouvêa, leonel vallandro, leonidas hegenberg, líbero rangel de andrade, líbero rangel de tarso, ligia junqueira, liliana rombert soeiro, lívio xavier, luís de andrade, luísa derouet, luiz costa lima, manuel dias duarte, manuel odorico mendes, marcílio marques moreira, marcos santarrita, margarida garrido esteves, maria beatriz nizza da silva, maria francisca ferreira de lima, maria helena rocha pereira, maria irene szmrecsányi, mário quintana, milton amado, moacyr werneck de castro, modesto carone, monteiro lobato, natália nunes, octany silveira da mota, octavio mendes cajado, olinda gomes fernandes, oscar mendes, paulo m. oliveira, paulo rónai, péricles eugênio da silva ramos, ricardo iglésias, rodrigo richter, sarmento de beires, sérgio milliet, silvio deutsch, silvio meira, sodré viana, suely bastos, tamás szmrecsányi, vera pedroso, vicente pedroso, wilson lousada, wilson velloso, ymaly salem chammas

imagem: via lasarina

4 comentários:

  1. Felicidades por tu infatigable trabajo para acabar el plagio de traducciones.

    Un saludo,

    Ramón

    ResponderExcluir
  2. Ivan Pinheiro Machado30.11.09

    Fiquei estarrecido ao ver a denúncia do roubo da introdução do livro de J. F. Duvernoy, "Para conhecer o pensamento de Maquiavel" publicado pela L&PM Editores na década de 80 com tradução de Suely Bastos que, na época, trabalhava no nosso departamento editorial. O texto de Duvernoy, pelo que vi, saiu apócrifo, tanto o texto como a tradução, servindo de introdução à uma tradução, também apócrifa, de "O príncipe", de Maquiavel. A reflexão que faço é que tudo isto é um pequeno retrato do nosso país. Empresas se constituem (e vencem, construindo grandes patrimônios) roubando traduções indiscriminadamente, não respeitando sequer o direito intelectual do autor e/ou tradutor. E o que acontece?... Nada.

    Abraço do Ivan Pinheiro Machado/ editor da L&PM Editores

    ResponderExcluir
  3. obrigada, ramón!

    sr. ivan, além disso, na edição d'o príncipe pela martin claret, a carta de maquiavel a francesco vettori é cópia literal, sem qualquer alteração, da tradução de suely bastos do mesmo livro do duvernoy que o sr. cita.
    é realmente estarrecedor, deplorável, abominável. uma desfaçatez indescritível. e são centenas e centenas de obras nesse "padrão"...

    ResponderExcluir
  4. Denise,
    como sabes tive meu dia de fúria com meus livros e passei pelo não gosto para ver quais safados plagiadores moravam na minha estante. Eram poucos... agora estão no corredor, literalmente, esperando minha sentença.

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.