4 de out de 2009

leitura

artigo no estadão sobre o lançamento de a educação sentimental de flaubert na tradução de adolfo casais monteiro, pela nova alexandria. que bom que o articulista relembra um fato de base: tanto mais rica é uma obra quanto maior o número de traduções em que ela pode ser reescrita.

2 comentários:

  1. Anônimo21.8.10

    Isso significa que as críticas sobre essa tradução não devem influenciar a percepção do texto?

    ResponderExcluir
  2. prezado anônimo: desculpe, não entendi. o que eu quis dizer foi que uma obra mais rica surge ou pode surgir em maior número de traduções, ou que a variedade de traduções aponta para a complexidade ou riqueza intrínseca do original- o que, no fundo, não passa de uma afirmação truísta ou bastante banal. quanto ao papel da crítica para a recepção (ou percepção da obra pelo leitor), não saberia o que dizer a não ser alguma banalidade ainda maior.

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.