15 de jun de 2010

teje presa

Seis policiais prenderam a viúva xeroqueira Elisângela Monteiro de Lima, que foi trancafiada na Colônia Penal Feminina do Recife.

Explica o delegado: "Só em copiar um trecho do livro, a pessoa já está cometendo um crime".

A operação foi realizada com o apoio da Associação Brasileira de Direitos Reprográficos.*

* (aquela do dedão sinistro: veja aqui)


Fonte: http://www.abdr.org.br/site/textoview.asp?id=31
Imagem: digital

4 comentários:

  1. Anônimo15.6.10

    Infelizmente escrevi um longo texto, mas ao postar, perdi tudo pois houve um erro. O que quero dizer é que não me lembro de ter xerocado em toda a minha vida universítária (duas faculdades e um curso de pós) um único trecho ou livros sobre literatura. No caso desta mulher, não há como julgar, pois o que se lê veio sem contexto. Porque é preciso lembrar que vivemos num país em que os estudantes não têm dinheiro para comprar tudo o que os professores pedem, não é? E, que me lembre, a demanda é enorme... Parabéns pelo blog. Isa Fonseca

    ResponderExcluir
  2. prezada isa, obg.
    a notícia na íntegra está no link da fonte dada no fim do post. é de 2008 - é apenas para mostrar a truculência dessas ações resultantes do ativismo repressor da abdr.

    ResponderExcluir
  3. "'tejo preso"

    Sou do tempo do mimeógrafo de álcool. Depois, grande progresso! o de tinta. Depois, a multilith... Depois, xerox... Mas não parou aí. Alguns pararam:(
    Já inventaram multifuncionais e scanners [ http://compare.buscape.com.br/hp-scanjet-g2410.html?pos=1 ]
    Com um scanner baratinho de menos de R$300,00 já se faz mais do que com qualquer "xerox" (reprográfica).
    Acrescente um bom programa de OCR. P. ex. o ABBYY - http://finereader.abbyy.com/
    ...
    Dispense a impressora, economizando tinta e papel, imprimindo virtualmente em pdf. P. ex. com o pdf995 - http://www.pdf995.com/
    ...
    Só com estas ferramentas acima, ao alcance de qualquer Centro Acadêmico (ou do bolso de alguns universitários), dá para superar essa bizantina discussão sobre... xerox! (Nada a estranhar: ainda tem gente que pichava/picha mesmo depois da invenção do spray).
    Meios de produção para liberar TODOS os livros e colocá-los ao alcance de TODOS, no mundo TODO, existem. Mas é "necessário", através dos cercados modernos, atribuir valor de mercado aos bens: daí os DRMs e a penalização de qualquer reprodução.
    Houve tempo, há não muito tempo, em que até Centros Acadêmicos de Direito tinham "departamento de apostila".
    A legislação está SEMPRE defasada em relação à vida real.
    Como as mudanças no mundo real se aceleraram, a legislação ficou jurássica, foi lançada à pré-história.
    Só para lembrar: não faz tanto tempo assim que o Código Civil dedicava páginas e páginas... ao dote.
    E tem gente que fala e escreve "desquite".
    Crimes confessos: Para minha dissertação de mestrado, xeroquei na Mário de Andrade e na biblioteca da Faculdade de Direito (a do Largo) diversos livros. Para minha tese de doutorado, xeroquei obras na Biblioteca do Senado, na do STF e reiterei os crimes praticados na Mário de Andrade e na biblioteca da Faculdade de Direito.
    Devo me entregar e fazer companhia à pobre viúva?
    Os membros do STF formados no Largo me acompanhariam?

    ResponderExcluir
  4. Jander15.6.10

    Olha, se não fosse a xerox, a maioria das pessoas não conseguiria estudar (e ler obras específicas) nesse país. Isto quer dizer também que se não fosse a xerox uma pequena elite continuaria a dominar o conhecimento. Se pensarmos bem, a xerox diz muito sobre a situação extremamente desigual de como o conhecimento, bem como quaisquer bens simbólicos e materiais, são distribuídos no Brasil, e de como, portanto, os livros não chegam a todos. Direitos autorais sim. Mas direitos autorais para um país mais digno que não acolha tantos editores que promovem edições caríssimas para dizer que fizeram bonito para uma pequena elite...

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.