14 de jun de 2010

depoimento na fsp

hoje, a folha de s.paulo publicou no caderno da ilustrada um depoimento que dei a fábio victor, "guerrilheira antiplágio".

o link para assinantes uol e fsp é:
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq1406201011.htm

os comentários de algumas editoras apontadas aqui no nãogostodeplágio estão em:
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq1406201012.htm

São Paulo, segunda-feira, 14 de junho de 2010 
Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

MINHA HISTÓRIA DENISE BOTTMANN, 55

guerrilheira antiplágio(...)Não existe uma tradução igual a outra. E é por isso que um tradutor é considerado um autor
(...)Compro um exemplar, comparo e vejo que são iguais, que é plágio. Publico no blog
(...)Não tomaram providência, entro no Ministério Público


FABIO VICTOR
ENVIADO ESPECIAL A REGISTRO (SP) 

Uma vez, no Orkut, o tradutor Saulo von Randow Júnior comentou que tinha pegado um volume do "Ivanhoé", do Walter Scott, publicado pela Nova Cultural em nome de um fulano de tal qualquer e descobriu que a tradução era idêntica à do Brenno Silveira.
Depois descobri que desde 2001, 2002 Alfredo Monte e o poeta e crítico Ivo Barroso já denunciavam a prática de plágio. Logo a seguir [em 2007], a Folha publicou uma matéria grande sobre a Martin Claret e os plágios [de tradução] de "Os Irmãos Karamázov" [de Dostoiévski] e "A República", de Platão.
Comparei outros volumes da Nova Cultura com a Abril Cultural, tinham nomes diferentes de tradutores e o texto igual. Ôpa, peraí. Dois livros numa coleção só: vamos ver se tem mais. Assim comecei.
Num egroup de tradutores, o pessoal ficou revoltado com essa história toda, e surgiu um blog, "assinado-tradutores". Por divergências internas, saí. Em novembro de 2008, criei onaogostodeplagio.blogspot.com.

TRADUTOR É AUTOR
Não existe uma tradução igual a outra. E é por isso que um tradutor é considerado um autor, é por isso que a legislação, do Brasil e do mundo inteiro, desde 1880, diz que tradutor é autor.
Tendo esse pressuposto, vem a pesquisa sistemática. Você pega "A Divina Comédia": quantas traduções existem? Eu tenho "A Divina Comédia" pela Abril Cultural, com tradução de Hernâni Donato. Como será essa tradução da Nova Cultural em nome de Fábio M. Alberti?
Compro um exemplar, comparo e vejo que são iguais, que é plágio. Copio trechos e publico no blog.
Só passo de uma editora à outra depois de ter esgotado aquele catálogo. Leva umas quatro horas por dia, e uns 15 dias pra eu detectar -até ir atrás, pesquisar as várias traduções existentes, encomendar, receber, comparar e chegar a uma conclusão. Antes de publicar, entro em contato com as editoras. Aí entro no site das livrarias para ver se tiraram de circulação.
Não tomaram providência, entro com pedido de representação no Ministério Público. Tenho 15 pedidos.
Já denunciei 110, 120 casos de plágio, documentados no meu blog. De 16 editoras.
No caso da Landmark, fui avisada [de suposto plágio da tradução] da "Persuasão", de Jane Austen, e do "Morro dos Ventos Uivantes", de Emily Brontë.
Entrei com representação contra a Landmark em maio [de 2009], e em setembro eles entraram com ação contra mim, contra a [blogueira] Raquel Sallaberry, porque deu o link para o meu post, e os provedores dos blogs. Recebi [a notificação] em fevereiro.

MANIFESTO
E aí foi muito bonito, porque alguns colegas -Jório Dauster, Ivo Barroso, Ivone Benedetti e Heloísa Jahn- escreveram um manifesto em minha defesa, que teve quase 3.000 assinaturas.
A Landmark pediu a remoção imediata do blog, aí a coisa se abriu mais, porque pegou a liberdade de expressão na blogosfera -e quem disse isso foi o juiz que indeferiu o pedido de liminar.
Seria uma intimidação a mais -já sofri tanta. Foram duas da Martin Claret, uma notificação extrajudicial, pela editora, e uma ação do sr. Martin Claret -esta o juiz julgou improcedente, eles recorreram e perderam. Agora só cabe recurso no Supremo.
Tive uma intimidação do sr. Luiz Fernando Emediato [denúncia de três livros plagiados pela Jardim dos Livros, da qual ele é sócio].

A AMARRAÇÃO
Era difícil no começo entender a amarração da coisa. Hoje entendo que é uma consequência razoavelmente direta da lei do direito autoral de 1998, a lei 9.610.
Porque [as obras plagiadas] são basicamente obras cujo original está em domínio público e cujas traduções no Brasil estão esgotadas -de editoras que fecharam ou que foram compradas.
Mas são traduções que estão protegidas pela lei, que determina que as obras só podem entrar em domínio público decorridos 70 anos após a morte do autor.

SEM XEROX, COM PLÁGIO
Essas obras são o quê? Platão, Aristóteles, Max Weber, Kant, Hobbes, Locke... São para o público universitário. São obras que até existem nas bibliotecas das universidades, são bibliografia em ciências humanas. Só que são esgotadas, e a lei de 1998 proibiu o xerox.
Das 16 editoras [que pesquisei], apenas duas praticavam plágio antes de 98. Tenho a maior clareza que foi a proibição do xerox que criou um mercado líquido e certo.
Vêm os espertos, pegam essas traduções que ninguém mais lembra, porque são dos anos 30, 40, 50, crau, mudam o nome, publicam e vende que nem pãozinho quente. Cinco, dez, 20 edições, reedições. Os tradutores estão mortos, as editoras estão fechadas, as que não estão fechadas poucos se interessam, os herdeiros dos tradutores não estão nem aí.
Não faço isso por interesse profissional ou por categoria. É que eu tenho 55 anos, sou pré-internet. E junta minha formação de historiadora e a ideia de que a cultura não se constrói num estalar de dedos. O português é uma língua secundária, o Brasil é um país que depende essencialmente de tradução, quer dizer, a tradução não é só uma tradução. Basta pegar quem são nossos tradutores: Machado, Bandeira, Drummond, Cecília Meirelles.

QUEBRA-CABEÇAS
Uma coisa que gosto muito é o desafio mental, intelectual, algo meio competitivo de você consigo mesmo. É quase um jogo, uma espécie de quebra-cabeças.
Tenho uns 80 livros traduzidos, de inglês, francês e italiano, sempre em humanidades, história da arte -não faço tradução literária nem técnica. Trabalho para três editoras: Companhia das Letras, Cosac Naify e L&PM.
Não, guerrilheira não. Uma vez eu me referi ao nao gostodeplagio como um blog de combate.
Entro com representação nos casos de quem não dá satisfação. A Nova Cultural relançou uma edição especial da "Divina Comédia", ressarciu tradutores. Tenho a satisfação de dizer que de seis a oito editoras retiraram [as edições plagiadas]. Eu escrevo, telefono, falo. Você tem resultados concretos. É isso que me permite continuar.



São Paulo, segunda-feira, 14 de junho de 2010 
Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

Para editoras, blogueira erra no tom da açãoDE SÃO PAULO
O advogado da Landmark, Alberto Marchi Macedo, disse que a editora processou Denise Bottmann não pelas denúncias de plágio em si, mas pelo seu teor. "Nosso problema não é o blog. Mas não dá para qualificar de "picareta" e "bandida."'
A Landmark nega os plágios e mantém em seu catálogo os títulos.
O editor Luiz Fernando Emediato afirmou que Bottmann "não é boa tradutora, mas uma ativista". Mas admitiu que ela "estava certa quanto à má qualidade" da tradução de uma obra da Jardim dos Livros.
Ele diz que encomendou nova tradução. "Acho que ela faz a coisa certa, mas de maneira errada. Jamais trabalhará para nós."
A advogada da Martin Claret, Maria Luiza Egéa, afirma que Bottmann não mostrou prova pericial. "Sem prova, não passa de acusação." Segundo ela, o editor acionou a blogueira porque "ela extrapola, chama de ladrão, ultrapassa os limites".
A porta-voz da Nova Cultural, Cristiane Mutus, declarou que ocorreram os plágios denunciados, que a editora lamenta e tomou todas as providências para corrigir o erro, fruto de "desvio de procedimento interno". (FV) 

6 comentários:

  1. Anônimo16.6.10

    denise querida,
    adorei abrir o jornal e encontrar você.
    grande beijo,
    heloisa

    ResponderExcluir
  2. Anônimo16.6.10

    Conheci o seu blog há algum tempo através de José Lira, com quem mantenho contato sempre que possível, e cujo trabalho como tradutor, se não me engano, você conhece bem. Meu e-mail vem antes de tudo para parabenizá-la pela iniciativa — o seu blog —, tanto no que ela tem de indispensável politicamente (a questão dos plágios, que é um absurdo sem tamanho), quanto no que ela tem a oferecer como "divertimento" a todos os que se interessem por tradução, através do comentário, por exemplo, a problemas tradutórios, a questões textuais mesmo. É um um verdadeiro alimento ao vício de traduzir (risos). E a quantidade de sites relacionados, diga-se de passagem, está incluída nessa conta. Obrigado pela disposição em manter tudo isso na rede. De verdade.
    Abraços,
    Artur A. de Ataíde

    ResponderExcluir
  3. Eleonora Bottmann16.6.10

    Denise,

    Parabéns! Seu blog está tendo ótima repercussão.
    Beijos,
    Eleonora

    ResponderExcluir
  4. Marcia Martins17.6.10

    Denise,
    Li o depoimento, muito bom, extremamente rico e esclarecedor, parabéns por mais esta contribuição, entre tantas!
    Abraço,
    Marcia

    ResponderExcluir
  5. tuitada pertinente: @internetlegal Parabéns pela reportagem "Guerrilheira antiplágio" na FSP de 14/06.

    ResponderExcluir
  6. tuitadas pertinentes:
    @eduardosterzi: É uma desfaçatez impressionante. A rigor, não negam os plágios (não teriam como), mas não querem ser chamados de picaretas.

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.