13 de set de 2009

leitura


vale a pena o artigo tradutores literários: precisam-se, de francisco vale, da relógio d'água de portugal.

é raro um editor ter essa clareza:
"... quem escreveu o D. Quixote que publicámos foi José Bento – e, no entanto, ao lê-lo, temos a sensação de estar debruçados sobre um texto escrito por Cervantes."
"Ainda é frequente, nas críticas e recensões, não ser sequer mencionado o nome do tradutor. E, no entanto, sem eles não poderíamos ter lido Shakespeare, Cervantes, Tolstói, Rilke, Musil ou Faulkner na nossa língua."

o ótimo toque foi de conceição gomes , via facebook.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.