30 de mai de 2009

pinóquio

ainda na linha dos estudos comparados, existe uma interessante dissertação de mestrado de lucia maria pinho de valhery jolkesky, apresentada ao programa de estudos de tradução da ufsc em 2007. chama-se legibilidade de diálogos: a colocação de pronomes nas traduções brasileiras de pinóquio de 2002, disponível no portal do mec.

a análise, bastante técnica, aborda três traduções de pinóquio, de carlo collodi, a saber: de marina colasanti, de gabriella rinaldi e de pietro nassetti. são analisados 20 excertos, e ao final há um quadro sinóptico por tradutor, além de um breve perfil biográfico de cada um deles.

no "Anexo F – Quadro sinóptico da colocação pronominal na tradução de Nassetti", na coluna da direita, encontram-se diversas observações interessantes sobre várias opções pouco usuais no português do brasil, numerosas ocorrências de mistura de tratamento de segunda e terceira pessoa, contrações de pronomes diretos e indiretos não muito usadas em nossas bandas e outras peculiaridades.

e a dissertação traz também uma raridade, coisa que tanta gente se perguntava: quem é pietro nassetti?

"Anexo J – Biografia de Pietro Nassetti
Pietro Nassetti nasceu em Parma, Itália, no final da 2ª. Guerra Mundial. Aos 23 anos emigrou para o Brasil, morou em São Paulo, onde se formou em odontologia pela Universidade de São Paulo. Abriu um consultório na região do ABC paulista. Foi um pesquisador de terapias holísticas. Na década de 80 entrou em contato com a filosofia univérsica, uma visão de mundo holística criada pelo brasileiro Huberto Rohden. A partir de 1996 começou a realizar trabalhos de tradução para a Editora Martin Claret, principalmente do italiano, inglês e francês. Faleceu após longa enfermidade em janeiro de 2005.
Informações fornecidas por Rosana Citino, Assistente Editorial, via internet, em 26/08/2005."

imagem: enrico mazzanti, pinóquio, 1883

5 comentários:

  1. Ah, tá! Agora estão explicados os implantes, as capinhas, as pontes fixas e os moldes.

    ResponderExcluir
  2. Cara Denise.

    Sou professora universitária. Admiro imensamente seu trabalho neste blog. Parabéns e não desista!
    Quanto à biografia apresentada, deve tratar-se de uma peça de ficção humorística. Faltou apenas uma foto de tão ilustre personagem.

    ResponderExcluir
  3. ótimo, letícia! e eu que não tinha ligado A com B!

    cara souzaletras: o pior é que o tal nassetti virou tamanho motivo de piada que ninguém acredita que o sujeito existiu.

    ResponderExcluir
  4. Anônimo29.11.11

    Ele existiu sim, mas estão colocando o nome dele em diversas obras que ele nem sabe, talvez nunca nem ouviu falar, e ele nasceu em Bolonha, não em Parma.
    Pelo visto ele tem diversas obras traduzidas até após sua morte.

    ResponderExcluir
  5. prezado anônimo: é de fato uma barbaridade. seria importante que algum familiar de pietro nassetti tomasse providências junto à editora para corrigir os dados que ela fornece e para limpar o nome dele de tantas fraudes que lhe são atribuídas.

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.