11 de abr de 2010

o caminho do inferno

estou absolutamente perplexa - mais do que isso, estarrecida - com o silêncio de internautas e da sociedade em geral sobre a absurda proposta de remoção arbitrária de conteúdos digitais, apresentada no art. 20 ss. do anteprojeto do marco civil da internet.

9 comentários:

  1. Denise:
    acabei de chegar em casa e me deparei com seu post......
    Essa lei me parece extremamente perigosa e com interpretações variadas que não trazem muitas lembranças boas. Acho que é necessário que se divulgue o que está recoberto de uma camada de "debate" e de liberdade de escolha, mas na verdade esconde algo mais perigoso...do que se imagina. A retirada da liberdade de expressão com esse ato de retirada de conteúdo.Mais uma vez estamos diante de um plágio perigoso, aquele que se repete e se é copiado toda a vez que alguém quer ter mais controle sobre as pessoas......

    ResponderExcluir
  2. Não tive tempo de ler ainda, correndo lá agora.
    Realmente a redação não muda em nada as decisões absurdas que já ocorreram antes nessa questão.

    Lendo os 11 comentários.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo11.4.10

    Raramente se encontra alguém com a sua capacidade e velocidade de leitura. Pessoas mais comuns levam tempo para se inteirar das coisas. Além disso, é fim de semana. Obviamente, as pessoas tendem a distrair-se com outras coisas mais amenas neste país desdentado.

    Uma maneira de as pessoas tomarem conhecimento disso tudo é o que você está fazendo. Tomando a dianteira e metendo a boca no trombone.

    ResponderExcluir
  4. fábio, demian, não deixem de postar seus comentários lá no marco civil. supostamente se trata de consulta pública, e aí funciona segundo o princípio de quem cala consente. se a gente não se manifestar, o governo depois é bem capaz de dizer que o anteprojeto foi unanimemente acolhido e aceito pela sociedade!

    ResponderExcluir
  5. prezado anônimo, na verdade a elaboração desse marco regulatório vem sendo noticiada faz algum tempo. não me manifestei na primeira fase da consulta pública pois estava um saco de gatos, com discussões esdrúxulas defendendo que o suposto direito de anonimato deveria prevalecer sobre o direito de expressão. jamais pensei que o ministério da justiça e o gestor do anteprojeto fossem bancar tal sandice inconstitucional. mas aí está - de fazer cair o queixo!

    ResponderExcluir
  6. Denise;

    Não sou afeito a militâncias e procuro ativar muito mais o senso de humor que o de dever - que só pôs em enrascadas. Mas se eu continuar trocando figurinhas com você, corro risco de militar novamente. É isso mesmo que você quer de mim?

    Mamãe sempre me diz que eu deveria tomar cuidado com as minhas companhias, mas acabei meio solitário esses tempos...

    ResponderExcluir
  7. admiro sua posição mas não sei como agir, porque os mecanismos sociais estão extremamente burocráticos, algo que é mais eficiente que um policial de cacetete!

    ResponderExcluir
  8. caro refrator, quaquá, concordo, e aliás, como já diziam antigamente, ridendo castigat mores (às vezes mal traduzido como "rindo castigam-se os costumes").
    é, sávio, também não sei. imagino que cada um faz o que está a seu alcance...

    ResponderExcluir
  9. Denise,

    sua participação não será, de forma nenhuma, desconsiderada.
    Aproveito para repetir que o anteprojeto não é fruto de trabalho de gabinete, mas decorrência da 1ª fase das discussões.
    E exatamente porque imaginamos que o resultado não seria o mais adequado publicamos esse texto beta.
    Críticas e sugestões não são apenas bem vindas, são necessárias.

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.