26 de abr de 2010

o caso de william wilson, poe XXXII

.
I.
william wilson, de edgar allan poe, aparece na coletânea histórias extraordinárias publicada pela editora civilização brasileira em 1970. a edição atribui a brenno silveira a responsabilidade pela seleção e tradução dos treze contos ali presentes.

já havia uma coletânea de onze contos de edgar allan poe, selecionada e traduzida por brenno silveira, publicada pela mesma civilização brasileira em 1959 com o título de antologia de contos de edgar allan poe.

a diferença da antologia de 1970 em relação à de 1959, além do título, consistia na inclusão dos contos
william wilson nunca aposte sua cabeça com o diabo. 

a partir de 1973, começam a circular outras edições de histórias extraordinárias, licenciadas pela civilização, mas agora com tradução atribuída a "brenno silveira e outros" e sem o nome do responsável pela organização da seleta, e conteúdo variável.

II.
joana canêdo, em comentário a o gato extraordinário, poe V, havia apontado que a edição publicada pela edibolso (1975), também intitulada histórias extraordinárias, especificava que a autoria da tradução de william wilson era de berenice xavier.




III.
o jornalista e crítico literário carlos andré moreira, do jornal zero hora de porto alegre, por sua vez, chama a atenção para a antologia de contos extraordinários de edgar allan poe, recente publicação da bestbolso. a imprenta informa que se trata de seleção e tradução de brenno silveira.


carlos andré moreira mantém em seu blog mundo livro uma excelente série chamada "tradução e reação", onde compara e avalia diferentes traduções de uma obra. em final de 2007, em tradução e reação - 3, o jornalista apresentou o conto william wilson, de poe, informando:
O primeiro trecho, retiro-o de uma edição de 1981 de Histórias Extraordinárias, publicada pela Abril Cultural numa coleção de capa dura que se vendia a preços acessíveis e que até hoje é muito fácil de achar em sebos [...] a versão do conto William Wilson vem assinada por Berenice Xavier. 





ora, ocorre que a tradução publicada pela bestbolso agora em 2010, em nome de brenno silveira, é idêntica à tradução de berenice xavier, na edição da abril publicada sob licença da própria civilização brasileira.

como todos hão de concordar, seria uma sandice imaginar que brenno silveira fosse surripiar qualquer tradução que fosse. então, a hipótese que resta é, na verdade, uma dúvida: como e por que aquela edição lá de 1970, pela civilização brasileira - depois amplamente licenciada, disseminada e ampliada em outras editoras -, alterou o conteúdo da seleta de 1959 de brenno, incluindo pelo menos uma tradução que, segundo os dados de outras edições, não era de sua autoria - o conto william wilson -, porém mantendo os créditos a ele tanto pela seleção quanto pelo conjunto das traduções?

resumindo, faço uma pergunta simples e singela ao coordenador editorial do grupo record (ao qual pertencem a civilização e a bestbolso): afinal, quem traduziu esse conto?

para quem se interessar, a tradução em nome de berenice xavier se encontra disponível aqui.
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.