23 de abr de 2010

malhação de judas

alguns dias atrás, encontrei um comentário interessante no skoob. dizia o seguinte:

"Cheguei ao final da leitura de A vida das abelhas [de Maeterlinck] impressionado com a organização e peculiaridades que regem o cotidiano desses insetos. No entanto, a decepção com a tradução e a revisão do livro foi ficando maior a cada capítulo. Coisas como 'melodia' quando o correto seria 'meio-dia' e um festival de mesóclises absurdas ('Ter-se-lhes-ão'? O que é isso, meu Deus?) me deixaram indignado. Sinceramente, não tenho coragem de comprar/ler mais nada dessa coleção 'Obras-primas de cada autor' da Martin Claret. Aliás, mais nada da Martin Claret. Queria listar todos os absurdos aqui (como fiz com 'Marley & eu'), mas desisti porque seria trabalhoso demais. Uma VER-GO-NHA!" [negrito meu, db]
http://www.skoob.com.br/meus_livros/mostrar/6332/12409/13763

"Já tinha ouvido várias vezes sobre a má qualidade das edições da Martin Claret. Com esse A vida das abelhas, os comentários se confirmam. Porque o que tem de erro de revisão, não é brincadeira: 'às vezes' vira 'as vozes' mais de uma vez; a conjunção aditiva 'e' vira 'o' o tempo todo. E como o texto fica muito confuso em alguns trechos, imagino que a tradução também peque horrores. Uma pena! Uma vergonha! E um desrespeito com o leitor e com a literatura." [negritos meus, db]
http://www.skoob.com.br/meus_livros/mostrar/6332/12409/13763/leitura

entre outras coisas, é disso que trata o nãogostodeplágio: não só do desrespeito com o leitor e com a literatura, mas também como se apaga a memória cultural.

pois, até onde sei, trata-se aqui da vetusta e célebre tradução lusitana de maeterlinck feita por cândido de figueiredo em 1915: o que, aliás, explica a desusada mesóclise que tanto indigna o leitor contemporâneo.

ocorre que uma coisa é o desleixo no OCR da cópia escaneada ("melodia" por "meio-dia", "as vozes" por "às vezes" etc.), outra coisa são os usos mais castiços da língua (a referida dupla mesóclise "ter-se-lhes-ão").

ocorre também que esta obra, a vida das abelhas, de maurice maeterlinck, era cadastrada na fbn/isbn pela martin claret com tradução em nome, mais uma vez, de pietro nassetti - cadastro agora retificado para o verdadeiro tradutor, a saber, o já citado cândido de figueiredo.

até meados de 2009
Nome do Autor: PIETRO NASSETTI
RESULTADO DA BUSCA
ISBN TÍTULO
[...]
85-7232-439-9 A VIDA DAS ABELHAS

após meados de 2009
A VIDA DAS ABELHAS
ISBN: 85-7232-439-9
TÍTULO: A VIDA DAS ABELHAS
AUTOR: MAURICE MAETERLINCK
TRADUTOR: CÂNDIDO DE FIGUEIREDO
EDITORA: MARTIN CLARET

não sei o que a editora martin claret fez, tem feito ou fará para sanar sua anterior falsificação de dados em relação a esta obra de maeterlinck em seu catálogo - o caso está nas mãos do ministério público.

o que sei é que, nessa brincadeira de ocultar durante anos a verdadeira autoria da tradução, um dos resultados é mesmo confundir o leitor, que acaba misturando alhos com bugalhos - e o autor da tradução, além de lesado e espoliado, acaba também levando a culpa pela ishperteza.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.