10 de fev de 2013

dlit, contribuições II

em meu modesto parecer, a parte de dante, especialmente no que tange às traduções brasileiras da divina comédia na primeira metade do século, poderia eventualmente induzir algum leitor mais desatento a uma certa confusão cronológica. como se trata de um levantamento de traduções brasileiras entre 1900 e 1950, talvez fossem dispensáveis as referências às diversas reedições neste período da tradução do barão da vila da barra, de 1876; o mesmo quanto às referências às diversas reedições da tradução de xavier pinheiro, de 1888.

quanto às obras completas que saíram pela edameris em 1950, talvez fosse o caso de ressalvar que, para o inferno, foi utilizada uma tradução oitocentista, a do mons. joaquim pinto de campos, de 1886. e talvez coubesse acrescentar ao levantamento uma menção à tradução de adherbal de carvalho para os versos 73-142 do canto V do inferno (1911).

abaixo, uma indicação bibliográfica que pode ser útil para alguma consulta, a dantesca luso-brasileira, de giacinto manuppella (coimbra, 1966):



dlit aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.