8 de fev de 2013

curiosidades freudianas III

por outro lado, interrompido o projeto da sociedade brasileira de psicanálise para a tradução da obra completa de freud, pela editora guanabara (1933-35), em 1941 teremos um surto de divulgação freudiana pela editorial calvino, casa de orientação marxista sediada no rio de janeiro.


trata-se de uma coleção de doze volumes chamada "freud ao alcance de todos",  escritos por "dr. j. gomez nerea", pseudônimo do peruano alberto hidalgo, poeta e romancista vanguardista radicado na argentina, amiguinho de borges, huidobro e macedónio fernández.


consiste nos seguintes volumes:

  1. freud e o abc da psicanálise 
  2. freud e o problema sexual 
  3. freud e os atos maníacos (trad. galvão de queiroz) 
  4. freud o chiste e o inconsciente 
  5. freud e a histeria feminina 
  6. freud e as anomalias sexuais 
  7. freud e as origens do sexo (trad. abguar bastos) 
  8. freud e os mistérios do sonho 
  9. freud e a perversão das massas (trad. abguar bastos) 
  10. freud e seu processo de curar (trad. abguar bastos) 
  11. freud e a higiene sexual 
  12. freud e a psicanálise de guerra



como elias davidovitch já traduzira alguma coisa para a calvino nos anos 30 (a saber, o tyrano de dostoiévski), não parece totalmente impossível que tenha sido ele a sugerir essa coleção à editora.


somando as informações apresentadas em curiosidades freudianas I (aqui) e curiosidades freudianas II (aqui), basicamente é esta a situação de freud traduzido no brasil até 1969, quando saem suas obras completas em 23 volumes pela imago, na standard edition de james strachey. de lá para cá, creio que a freudiana brasileira é bastante conhecida.


para finalizar, entre as obras completas pela delta em 1950 e as obras completas pela imago a partir de 1969, o único outro lançamento que localizei, foi psicopatologia da vida cotidiana em tradução de álvaro cabral, em 1964, pela zahar. 

atualização em 10/6/2015: psicanálise em tempos neuróticos, edimax, s/d (c. 1966; ligada à hemus) 

6 comentários:

  1. Encontrei em sebo uma tradução portuguesa da "Psicopatologia da Vida Quotidiana" assinada por João Marinho e publicada pela editora "Estúdios Cor" (Coleção ideias e formas). O volume não traz data, mas a página final indica que o volume foi impresso em 1974, ano no qual a Imago já detinha o copyright da publicação das obras completas de Freud em português. Presumo, no entanto, que esta fosse a reedição de uma antiga tradução lusitana. Caso tenha interesse, posso enviar uma cópia da capa e da página de rosto, Denise. obrigado pela contribuição e um abraço, André.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. que legal, andré! por ora estou restrita apenas às traduções brasileiras ou, eventualmente, traduções portuguesas publicadas no brasil. mas muito obrigada, anyway.
      abraço,
      denise

      Excluir
  2. Prezada Denise,
    Sou mestrando em história das ciências pela Fiocruz do Rio de Janeiro, estou pesquisando sobre a trajetória de divulgação da psicanálise de Gastão Pereira da Silva. Muito interessantes as suas publicações sobre as primeiras traduções de Freud no Brasil, e também sobre Zoran Ninitch, que aparentemente foi quem traduziu as obras de Gastão que foram enviadas para Freud. Você teve acesso a essas traduções da Editora Calvino?
    Um abraço,
    Sérgio Marcondes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. olá, sérgio - não tive acesso físico a essas traduções. porém não são difíceis de encontrar, caso lhe interesse.

      p.ex., http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-612643550-freud-e-a-psicanalise-da-guerra-ano-1941-frete-gratis-_JM

      aqui o trechinho da carta de freud mencionando ninitch:

      entre as publicações da machado & ninitch, há dois textos de freud, pensamentos sobre guerra e morte e o múltiplo interesse da psicanálise. não descobri quem os traduziu. mas o psicanalista gastão pereira da silva cita uma carta de freud dirigida a ele, mencionando as traduções de ninitch. a nos basearmos nela e em outros elementos que apresentarei no post já prometido, é plausível supor que foi ele quem traduziu esses dois textos. transcrevo:
      P. – Como era sua correspondência com [Freud]?Dr. Gastão – Vou ler alguns trechos da última carta que recebi dele. “Devo-lhe muito por me haver remetido seu livro anterior, Para compreender Freud, e o mais novo, A psicanálise em doze lições, bem como por todos os esforços que V.Sª. tem feito em prol da psicanálise e também pela sua participação nas traduções que tem feito com seu amigo Dr. Ninitch, introduzindo essa literatura nesse país. O meu nome é, ainda, pouco conhecido no Brasil e somente o seu esforço e de seu amigo Ninitch o tornará mais divulgado.” Depois de se referir ao envio de uma fotografia, diz o mestre: “Relembrando as minhas próprias lutas, com as resistências as mais amargas, desejo-lhe o êxito mais satisfatório. Cordialmente, seu Freud”.

      http://naogostodeplagio.blogspot.com.br/2013/03/zoran-ninitch-iv.html

      abraço,
      denise

      Excluir
  3. Obrigado pela informação. Realmente tenho bastante interesse nessas obras, vou buscar conseguí-las. Um dos filhos de Gastão Pereira da Silva, que escreveu um livro sobre a vida do pai, confirma que as obras enviadas a Freud foram passadas para o alemão por Ninitch, a quem ele se refere como o "doutor Minitch".
    Abraços,
    Sérgio.

    ResponderExcluir
  4. é bastante complicada e obscura a história do ninitch. aliás, há de se ver alguma possível rivalidade entre elias davidovitch e ninitch, ambos tradutores de freud, elias porém com a turma do gallotti e ninitch com gastão. interessante notar que ninitch chegou a participar do projeto editorial da sociedade brasileira de psicanálise (traduzindo totem e tabu, se não me engano, que sai como "tradução direta do alemão revista por odilon galotti"). daí é que passa a trabalhar com gastão, na linhagem mais de divulgação e vulgarização da obra de freud, com viés mais social também.

    ninitch tinha problemas. até ia escrever um artigo sobre ele, mas desisti, por ser deprimente demais e tudo meio obscuro tb.

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.