8 de fev de 2013

curiosidades freudianas I

ao que parece, a primeira tradução de freud que saiu entre nós foi cinco lições de psicanálise, em 1931.

na verdade, houve uma tentativa antes disso: em 1926, o médico iago pimentel publicou algumas páginas das cinco lições, na intenção de traduzi-las na íntegra, direto do alemão. esse excerto saiu no terceiro número d'a revista, a publicação literária que carlos drummond, pedro nava et al. haviam criado no ano anterior. infelizmente, foi também o último número do periódico belorizontino, e assim iago pimentel não levou seu projeto a cabo. a revista está disponível na brasiliana usp, aqui.























foi em 1931 que saiu a tradução integral das cinco lições de psicanálise feita por durval marcondes, tido como o pioneiro da psicanálise no brasil, e josé barbosa corrêa, que foi publicada pela companhia editora nacional.

é nessa época que a sociedade brasileira de psicanálise concebe e dá início ao projeto de traduzir as obras de freud, tarefa realizada (a partir do francês e do espanhol) por médicos integrantes do incipiente movimento psicanalítico brasileiro. a edição fica a cargo da editora guanabara (waissman & koogan). consegui localizar os seguintes títulos lançados no bojo desse projeto:

  • 1933, psychopathologia da vida quotidiana, trad. elias davidovitch
  • 1934, introdução à psicanálise, trad. elias davidovitch
  • 1934, totem e tabu,  "traducção directa do allemão" revista por j. p. porto-carrero*
  • 1934, o futuro de uma ilusão (psicanálise das religiões), trad. j. p. porto-carrero
  • 1934, psicanálise e psiconeuroses, trad. odilon gallotti
  • 1934, técnica psicanalítica e psicologia da angústia, trad. odilon gallotti
  • 1934, psicologia da vida erótica, trad. moysés gikovate
  • 1935, interpretação dos sonhos e outros ensaios, trad. odilon gallotti
  • 1935, introdução ao estudo dos sonhos





outros lançamentos foram:

  • 1934, observações clínicas, trad. elias davidovitch, atlântida
  • 1934, minha vida e a psicanálise, constando apenas "tradução autorizada", atlântida
  • 1934, pensamentos sobre guerra e morte e o múltiplo interesse da psicanálise, machado e ninitch
  • 1935, sexualidade, trad. portuguesa de osório de oliveira, civilização brasileira










vale notar que também anna freud é publicada no brasil naquele mesmo período: introdução à thechnica da analyse infantil sai em 1934, em tradução direta do alemão por euryalo canabrava e josé martinho da rocha, pela editora marisa.



































* atualização em 10/4/13: acabo de descobrir que essa "traducção direta do allemão" foi feita por zoran ninitch.

3 comentários:

  1. Que ótimo você ter tido esse lampejo, Denise, e eu nem fazia ideia de que havia tanto Freud assim antes dos anos 1960 aqui no Brasil. Valeu, obrigado.

    ResponderExcluir
  2. pra falar a verdade, acho que a primeira grande iniciativa de mais impacto foi o lançamento das obras completas pela delta, no final dos anos 50. davidovitch estava à frente das edições da delta, recuperou o projeto da sociedade brasileira de psicanálise dos anos 30 e conseguiu lançar 18 volumes (embora a partir do francês e do espanhol). a imago vem depois, a standard edition do inglês, do strachey - aliás, é muito interessante a vinculação de freud e a hogarth press, do leonard e da virginia woolf, pois o james strachey era irmão do lytton strachey, o adriano da virginia... mas isso é paralelo.
    em suma, acho que a importância do papel editorial, médico e tradutório do elias davidovitch acabou se apagando um pouco, embora tenha conseguido a proeza da publicação das obras completas de freud na delta.

    ResponderExcluir
  3. corrijo-me: "o lançamento das obras completas pela delta, em 1950".

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.