24 de ago de 2015

as criadas, de jean genet

As criadas, de Jean Genet.

Tradução de Pontes de Paula Lima:

CLAIRE - (De pé, de combinação, voltando as costas para a penteadeira. Seu gesto, o braço estendido, é o tom serão de um trágico exasperado) E essas luvas! Essas luvas eternas! Já te repeti suficientemente que as deixasses na cozinha. É com isso, por certo, que esperas seduzir o leiteiro. Não, não, não mintas, é inútil. Pendure-as por cima da pia. Quando compreenderás que este quarto não pode ser enxovalhado. Tudo, mas tudo o que vem da cozinha é escarro! Sai! E leva os teus escarros! Mas para! (Durante esta tirada, Solange brincava com um par de luvas de borracha, observando suas mãos enluvadas; ora em buquê, ora em leque) Nada de cerimônia, faz teu bichinho. E principalmente não te apresses, temos tempo. Sai! (Solange, de repente, muda de atitude e sai com humildade segurando na ponta dos dedos as luvas de borracha. Claire senta-se à penteadeira. Aspira as flores. Afaga os objetos de toillete, escova o cabelo, ajeita o rosto) Prepara meu vestido. Depressa, o tempo voa. Você não está aí? (Volta-se) Claire! Claire! (Entra Solange)
SOLANGE - Madame me perdoe, eu estava preparando o chá de tília (Ela pronuncia tílea) da senhora.
CLAIRE - Arranje as minhas toaletes. O vestido branco de pailleté. O leque, as
esmeraldas.
SOLANGE - Todas as jóias de Madame?
CLAIRE - Traga. Quero escolher. E, naturalmente, os sapatos de verniz. Aqueles que você vem cobiçando há anos. (Solange tira do armário alguns estojos que abre e dispõe sobre a cama) Para o seu casamento, com certeza. Confessa. Confessa que ele a seduziu! Que você está grávida! Confesse! (Solange se agacha no tapete e, cuspindo neles, lustra os escarpins de verniz) Eu já lhe disse, Claire, para evitar os escarros. Deixe-os dormir dentro de você minha filha, apodrecer aí dentro. Ah! Ah! (Ri nervosamente) Que nele se afogue o caminhante perdido. Ah! Ah! Você é horrenda, minha bela! Curva-se mais e olhe-se nos meus sapatos. (Estende o pé, que Solange examina) Pensa que me é agradável saber o meu pé envolto nos véus da sua saliva? Na bruma de seus pantanais?
SOLANGE - (De joelhos e muito humilde) Desejo que Madame fique linda.
CLAIRE - Ficarei. (Arruma-se ao espelho) Vocês me detestam, não é? Vocês me esmagam com os seus cuidados e a sua humildade, com gladiólogos e rosedá. (Levanta-se em tom mais baixo) Atulhamos à toa. Aqui tem flor demais. É mortal. (Contempla-se ainda) Ficarei linda. Mais do que você jamais conseguirá. Pois não com esse corpo e essa cara que conquistará Mário. Esse jovem leiteiro ridículo nos despreza e se fez em você um bebê...
SOLANGE - Oh! Mas eu nunca... 
CLAIRE - Cale-se idiota! Meu vestido! 
SOLANGE - (Procura no armário, afastando alguns vestidos) O vestido vermelho. Madame vai por o vestido vermelho! 
CLAIRE - Eu disse o vestido branco de pailleté. 
SOLANGE - (Dura) Sinto muito. Madame esta noite usará o vestido de veludo escarlate.

disponível aqui.

Tradução em nome de Roberto Medeiros, editora Deriva:





 acompanhe o caso da editora deriva aqui.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.