23 de out de 2011

o aventuroso cântico de natal

comentei em post anterior, aqui, como me pareceu curiosa a extrema semelhança nas traduções de a christmas carol, de charles dickens, publicadas pela editora legatus (2011) e pela editora martin claret (2004) como cântico de natal. a primeira não menciona o nome do tradutor; a segunda atribui os créditos de tradução a "john green".

resolvi pesquisar um pouco e localizei a provável fonte da tradução anônima e da pretensa tradução de "john green". refiro-me a uma publicação do clube do livro, de 1956, uma aventura de natal, seguida de os sete viandantes pobres, com tradução a cargo de tito marcondes e josé maria machado.*


* entendo que tito marcondes seja o responsável por uma aventura de natal e josé maria machado  por os sete viandantes pobrescomo josé maria machado costumava apenas assinar as chamadas "traduções especiais" (isto é, traduções de terceiros, já publicadas anteriormente em outras editoras) do clube do livro, e como desde 1942 tínhamos o conto "os sete viandantes pobres" na coletânea contos ingleses, organizada por jacob penteado, eu não me surpreenderia muito se aquela fosse cópia desta. quanto à tradução de uma aventura de natal, considero até prova em contrário que seja efetivamente de autoria de tito marcondes.


uma breve olhada nas primeiras linhas do original basta para mostrar como seria impossível "john green" ou qualquer outro tê-las traduzido de maneira idêntica a tito marcondes:
Marley was dead: to begin with. There is no doubt whatever about that. The register of his burial was signed by the clergyman, the clerk, the undertaker, and the chief mourner. Scrooge signed it: and Scrooge’s name was good upon ’Change, for anything he chose to put his hand to. Old Marley was as dead as a door-nail.
Para começar, digamos que Marley tinha morrido. Neste particular, não pode haver absolutamente a menor dúvida; a ata dos seus funerais havia sido assinada pelo vigário, pelo sacristão, pelo homem da empresa funerária e pelas pessoas que haviam conduzido o féretro. Scrooge também a tinha assinado. Ora, Scrooge era um nome bastante conhecido na Bolsa, e sua assinatura era um documento valioso, onde quer que ele a colocasse. O velho Marley estava tão morto como um prego de porta. (Tito Marcondes)
Para começar, digamos que Marley tinha morrido. Neste particular, não pode haver absolutamente a menor dúvida; a ata dos seus funerais havia sido assinada pelo vigário, pelo sacristão, pelo homem da empresa funerária e pelas pessoas que haviam conduzido o féretro. Scrooge também a tinha assinado. Ora, Scrooge era um nome bastante conhecido na Bolsa, e sua assinatura era um documento valioso, onde quer que ele a colocasse. O velho Marley estava tão morto como um prego de porta. ("John Green") 
como se vê claramente por este pequeno exemplo - onde a única diferença na tradução em nome de "john green", pela martin claret, em comparação à de tito marcondes é a palavra "enterro" em vez de "féretro" -, uma aventura de natal de 1956 foi literalmente reproduzida (à exceção de outros três ou quatro termos mais rebuscados) em cântico de natal, em nome de "john green", pela editora martin claret em 2004,* e sem qualquer mudança na tradução anônima pela editora legatus em 2011.

* aliás, a propósito de outras traduções implausivelmente atribuídas a "john green", ver aqui e aqui.


Um Cântico de Natal - A Christmas Carol (Clássicos da Literatura Internacional) (Portuguese Edition)


a íntegra de uma aventura de natal se encontra disponível para download gratuito na virtualbooks, aqui neste link, e no scribd, com o nome de canção de natal, aqui neste link.

atualização: interessantemente e talvez não por mera coincidência, o cadastro desse cântico de natal pela editora martin claret  na agência do isbn foi feito previamente, em 1998, com o título - ulalá! - de uma aventura de natal.


PESQUISA NO CADASTRO DO ISBN
RESULTADO
Palavra Pesquisada:UMA AVENTURA DE NATAL (COL. A OBRA PRIMA DE CADA AUTOR)
ISBN: 85-7232-292-2
TÍTULO: UMA AVENTURA DE NATAL (COL. A OBRA PRIMA DE CADA AUTOR)
VOLUME DA COLEÇÃO: 000
AUTOR: DICKENS, CHARLES
EDIÇÃO: 1
ANO DE EDIÇÃO: 1998
LOCAL DE EDIÇÃO: SAO PAULO/SP
TIPO DE SUPORTE: OUTRO
PÁGINAS: NÃO INFORMADO
EDITORA: MARTIN CLARET
.
atualização em 16/2/12 - obs.: estes são apenas alguns exemplos a título ilustrativo, extraídos de um extenso cotejo feito entre as traduções, com outras traduções e com o original. veja aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.