7 de set de 2013

kafka, nova época editorial

na esteira da livraria exposição do livro (posteriormente rebatizada como hemus) e suas traduções de kafka feitas por torrieri guimarães por interposição do espanhol, nos anos 60, temos na década seguinte a nova época editorial, de são paulo, com traduções feitas a partir das edições da schocken em inglês. não excluo que houvesse participação de mário graciotti (responsável pelo clube do livro) na editora.

a nova época, infelizmente, não trazia data de publicação. só posso afirmar que os lançamentos de kafka são posteriores a 1971, visto constar código de endereçamento postal no endereço da editora em seus volumes (e o cep foi criado pelos correios apenas em maio de 1971). posso afirmar também que foi na mesma época em que a telefônica fez a transição dos números de telefone de seis para sete dígitos em são paulo, visto constarem dois números de telefone da editora, um ainda com seis, outro já com sete dígitos (a saber, 826-8751 e 66-7423) - mas não sei quando se deu essa transição, que nos permitiria afunilar melhor o período de publicação.

por ora, fiquem registradas as obras de kafka lançadas pela nova época com seus respectivos tradutores:
a metamorfose, syomara cajado
o processo, syomara cajado
a colônia penal, syomara cajado
o castelo, d. p. skroski, com prefácio de thomas mann
américa, d. p. skroski
carta a meu pai, osvaldo da purificação
cartas aos meus amigos, osvaldo da purificação
o diário íntimo de kafka, osvaldo da purificação
a muralha da china: contos e máximas, sem créditos de tradução
as edições eram bastante rústicas e pobrezinhas, com paratextos desencontrados e contraditórios. de todo modo, vinham como uma alternativa à livraria exposição do livro (hemus), que na época praticamente monopolizava as publicações de kafka no brasil, sem qualquer contrato autoral com os detentores dos direitos sobre a obra de kafka (a schocken) e valendo-se de traduções existentes em espanhol, muito provavelmente também sem qualquer licença de uso. assim se explicaria a ênfase da nova época em estampar na quarta capa um comunicado anunciando ter adquirido "os direitos autorais de tradução, para o brasil, portugal e todos os países de língua portuguesa, das obras de franz kafka".

eis algumas capas e o recorte de uma contracapa, ilustrando a afirmação acima:




4 comentários:

  1. Obrigada! Me salvou de comprar um livro cuja tradução não é muito confiável!

    ResponderExcluir
  2. Peguei esse livro (Na Colonia Penal) na biblioteca e estou achando mesmo estranho..tem vários contos

    é confiável esta tradução?

    ResponderExcluir
  3. Essas traduções são, em geral, sofríveis — eu diria, como se subentende neste texto, desonestas. Fazem da leitura de Kafka quase uma tortura. "O processo", por exemplo, na tradução de Syomara Cajado, começa com esta preciosidade: "Alguém devia ter estado contando mentiras a respeito de Joseph K." No original, o texto começa assim: "Jemand mußte Josef K. verleumdet haben...", ou seja: "Alguém deve (ou devia) ter caluniado Joseph K." Mas, é claro, a Syomara traduziu literalmente do inglês: "Someone must have been telling lies about Josef K.", que, aliás, também não é lá muito respeitável.

    E, realmente, as edições da Nova Época são feias, incompletas, ridículas. "A Muralha da China" além de não ter crédito de tradução, não tem nem índice, apesar de reunir 21 textos entre contos (alguns dos mais importantes da obra de Kafka), anotações e máximas. E eu tenho várias dessas edições, que comprei sem examinar numa viagem que fiz a São Paulo quando me apaixonei por Kafka.
    Pronto: minha vingancinha está feita. :)

    ResponderExcluir
  4. Encantador e útil o seu blog!

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.