6 de fev de 2018

em busca de um tempo perdido



Um dos melhores livros sobre a história editorial brasileira é o meticuloso estudo de Sônia Maria de Amorim, Em busca de um tempo perdido – Edição de literatura traduzida pela Editora Globo 1930-1950 (1999). Preciosa fonte de dados e informações, constitui um painel inestimável para pesquisadores e interessados na história da tradução no Brasil.

A obra traz ao final uma extensa e belíssima “Listagem dos títulos de literatura traduzida pela Livraria do Globo (1930-1950)", com o autor, o título do livro, o tradutor e a coleção.

Em busca de um tempo perdido é uma referência tão indispensável nessa nossa área de estudos que achei que valeria a pena complementar alguns créditos de tradução que estavam faltando. Seguem abaixo, na mesma ordem alfabética que Sônia Amorim utilizou.

Henri Ardel, Coração descrente, Branca Maria Bernardi [1927]
René Bazin, Terra que morre*
Bufalo Bill [William Frederick Cody], O grande atirador** 
Henri Bordeaux, O medo de viver, Jorge Jobim [1926]
Paulo Bourget, Lourença Albani, Eduardo Guimaraens [1926]
Jean de la Brète, Sonhar e viver, A.P. [1927]
John Buchan, Os 39 degraus, Irene Korsakoff 
B. de Buxi [Blanche de Buxy], Esmola florida*
_______, O lírio refém, Noemy Rosa de Amar
G.K. Chesterton, A superstição do divórcio* 
Agatha Christie, A casa perdida, Pepita de Leão
_____, Um crime no Expresso do Oriente, [Silvia Guaspari] 
J. Fenimore Cooper, O espião, “Gilberto Miranda”
_____, O piloto, Noah Moura
Jeanne de Coulomb, A floresta que canta, Mário de Sá
M. Delly, A casa dos rouxinóis, Léia Ribeiro de Alencar
_____, O fruto maduro*
D.H. [Dashiell Hammett], Estranha maldição, Wilson Velloso
Mignon Eberhart, O crime do hospital, não consta
Zénaïde Fleuriot, Águia e pomba, não consta
R. Austin Freeman, O mistério d’Arblay, não consta
Erle Stanley Gardner, O caso da jovem arisca, Marcelo Andrade
Frederico Gerstacker, Ouro, Henry Laurel [sic]
Zane Grey, Almas bárbaras [Almas de bárbaros], Silvia Guaspari
_____, O caçador de búfalos, J. de Sousa
Leon Groc, O carrasco fantasma, Pinto Ribeiro
Dashiell Hammett [D.H., vide notas abaixo]
Dashiell Hammett, Safra vermelha, Lino Vallandro
Sydney Horler, A casa dos segredos, Fay de Azevedo
_____, A volta de Vivanti, Marques Rebello
Cap. W.E. Johns, Biggles, comodoro do ar, Ernesto Vinhaes
_____, Biggles vai para a guerra, Ernesto Vinhaes
_____, Biggles voa para o Oeste, Ernesto Vinhaes
_____, Biggles voa para o Sul, Lauro G. Freitas
Ch. Lucieto, A virgem vermelha do Kremlin, Marina Guaspari
Heitor Malot, Em família*
Eugenia Marlitt, Gisela, condessa do império, [1928]**
Karl May, A quadrilha do deserto, Leopoldo Tietboehl
_____, Aventuras do rio da Prata, J. Sant’Anna
_____, Percorrendo as cordilheiras, Silva Viana e Walter Soares  
_____, Uma aventura na Tripolitânia, Leopoldo Tietboehl
Quentin Patrick, Um enigma para doidos, Hamílcar de Garcia
A.S. Puchkine, A filha do capitão, Paulo Corrêa Lopes
W. MacLeod Raine, Um cow-boy em Nova York**
M[ary] R. Rinehart, O homem do leito n. 10, Lourival Cunha
Sax Rohmer, Tóxico, Juvenal Jacinto
[Walther Schultz, O luar assassino – autor brasileiro]
Emmanuel Soy, Coração adormecido, Mario Sette
Elizabeth Spencer, A luz na piazza [1960? 1964?]**
Robert Louis Stevenson, A ilha do tesouro, Pepita de Leão
_____, As aventuras de David Balfour, Fernando Pio
[S.S. Van Dine, A série sangrenta, M.G. -> Marina Guaspari]
Gabor von Vaszary, Um pobre amor em Paris, Hipólito Kuntz
Edgar Wallace, A inteligência de Mr. Reeder, “Gilberto Miranda”
_____, A pista da vela dobrada, Cristovam Paledzki
_____, O hotel do terror, Luiza P. Ferreira
_____, Os três homens justos, Leonel Vallandro
Hugo Wast, Deserto de pedra, Almachio Cirne
_____, Flor de pessegueiro, Almachio Cirne
_____­­­­­, Vale Negro*
C[arolyn]. Wells, O esqueleto do festim [Um esqueleto no festim], não consta
Louis Wilton, As panteras, Walter Heckman
_____, O sinal fatídico, não consta
­­­_____, O tapete da morte, Pedro Bruno Deschinger


Comento agora alguns breves detalhes, referentes apenas aos títulos que estavam sem créditos de tradução e que acima procurei complementar. 

1. Embota o recorte da autora seja 1930-1950, há alguns poucos títulos que são anteriores a 1930. Coloquei a respectiva data de publicação entre colchetes.

2. Marquei com um asterisco seis obras das quais não consegui localizar um único exemplar e, portanto, não pude apurar o nome do tradutor. Marquei com dois asteriscos quatro obras cujos créditos de tradução ainda estou apurando.

3. Há cinco casos em que a publicação realmente não traz créditos de tradução, casos estes que assinalei com o aviso “não consta”.

4. Há, porém, o caso de Assassinato no Expresso do Oriente, de Agatha Christie, que tampouco traz créditos de tradução, mas aqui foi possível rastrear a identidade da tradutora: Sílvia Guaspari. Veja-se aqui

5. Localizei duas ocorrências de créditos em nome de “Gilberto Miranda”: O espião, de J. Fenimore Cooper, e A inteligência de Mr. Reeder, de Edgar Wallace. Não se sabe quem foram os efetivos tradutores dessas obras. Há quem creia que "Gilberto Miranda" fosse um pseudônimo de Erico Veríssimo. Sobre esse equívoco, veja-se aqui.

6. As iniciais D.H. aparecem na letra D da listagem, designando o autor de A estranha maldição. Trata-se de Dashiell Hammett, que comparece mais adiante, na letra H, e a obra vem novamente citada, em duplicata.

7. Por fim, O luar assassino consta no levantamento como obra traduzida. Não é o caso; trata-se de uma obra brasileira de autoria do músico gaúcho e escritor bissexto Walther Schultz.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.