26 de jul de 2016

krupskaia e kuprin no brasil, 1900-1950


Krupskaia, Nadezhda (Esperança)


Lenine. Não localizei créditos de tradução. São Paulo: Pax, c. 1930.



Kuprin, Aleksandr I. (Alexandre, Alexander, Kouprine)




A fossa. Tradução de Boris Solomonov (pseud. de Boris Schnaiderman). 
Rio de Janeiro: Panamericana, 1944.
Iimagens extraídas de entrevista de Boris Schnaiderman a Gutemberg de Medeiros, aqui



“A pulseira de rubis”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores. 
Tradução de Gama e Silva. Rio de Janeiro: Vecchi, 1944 (2ª. ed.).



“Lenotchka”. In: Os russos: antigos e modernos. Tradução de Lia Corrêa Dutra. 
Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.


“Natália Davidovna”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores. 2ª. série. 
Tradução de Carlos Casanova. Rio de Janeiro: Vecchi, 1945.



O duelo. Tradução de Paulo Corrêa Lopes. Porto Alegre: Globo, 1933.


“O ultraje”. In: Os russos: antigos e modernos. Tradução de Guilherme de Figueiredo. Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.



“Um mártir da moda”. In: Os colossos do conto da velha e da nova Rússia. Tradução de Alfredo Ferreira. Rio de Janeiro: Mundo Latino, 1944.


Vera. 1931.  Uma nota no jornal Diário Carioca de 7 de julho de 1931 informa
o lançamento desse romance, sem menção à editora ou ao tradutor.
Não localizei maiores informações.


Yama (o bordel). Tradução de Elias Davidovich. Rio de Janeiro: Guanabara, 1935.



Uma preciosidade tradutória é O capitão Rybnikoff, jamais publicado, vertido em português 
por Georges Selzoff e Fúlvio Abramo (1930-31). Ver aqui.


Ver Bibliografia russa traduzida no Brasil (1900-1950), aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.