26 de jul de 2016

górki no brasil, 1900-1950


Górki, Maksim (Máximo, Maxime, Maxim, Gorki, Gorky)




A batalha da vida. Tradução de J. da Cunha Borges. Rio de Janeiro: Vecchi, 1942.


A infância de Klim Sanguine. Tradução de Lúcio do Nascimento Rangel. 
Rio de Janeiro: Athena, 1937.


A mãe. Rio de Janeiro: Marisa, 1931.



A mãe. Tradução revista por Renato Travassos. Collecção de Obras Celebres. 
Rio de Janeiro: Americana, 1931.


A mãe. Rio de Janeiro: Calvino, 1932.



A mãe. Collecções Econômicas SIP. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1935.


A mãe. Rio de Janeiro: Vitória, 1944.



A mãe. Tradução de Araújo Neves. Rio de Janeiro: Pongetti, 1944.



A minha infancia. Tradução revista por R. Galba. Rio de Janeiro: Minha Livraria, c.1934.


“Adversários”. In: O espírito do conto francês, alemão, ianque, inglês, russo
Tradução de Sonia Moniz. Coleção Cultura Moderna. Rio de Janeiro: Curiosidade, 1942.



“Angústia”. In: Os colossos do conto da velha e da nova Rússia
Tradução de Frederico dos Reys Coutinho. Rio de Janeiro: Mundo Latino, 1944.


Aos intelectuais. Carta aberta (em resposta a alguns escritores americanos)
Rio de Janeiro: Alba, c.1935.


Contos da Estépe. Contém: “Impressões de um homem pacífico”, “Os três”, “O avô Arkhip e Lenka”, “O canto do falcão”, “Yemelian Pilaie”, “O Khan e seu filho”, “Sasubrina”, “Makar Tchudra”, “Vinte seis e uma” e “A velha Iserguila”. Tradução revista por Antônio de Oliveira. 
Rio de Janeiro: Nosso Livro, 1944. 


Em guarda! Aspectos da Rússia soviética. Tradução de Aurélio Pinheiro. 
Rio de Janeiro: Andersen, 1934. 


Flor da miséria e outras histórias. Rio de Janeiro: Edições do Povo, 1947.  



Ganhando meu pão: memórias autobiográficas. Tradução de Abelardo Romero. 
Rio de Janeiro: Vecchi, 1942.



“Kirilka”. In: Os russos: antigos e modernos. Tradução de Murilo Miranda. Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.



Konovaloff. Contém: “Konovaloff”, “A feira”, “Kirilka” e “Uma vez, no outomno”. 
Tradução anônima. [Georges Selzoff, Fúlvio Abramo e Victor Ragghianti]. 
Bibliotheca de Auctores Russos. São Paulo: Cultura, 1930. 



Lenine. Rio de Janeiro: Minha Livraria, 1932. 


“Meu companheiro raro”. In: Contos russos. Não localizei créditos de tradução. 
São Paulo: Pax, c. 1930.


Na prisão. Tradução de Djalma Maciel. Rio de Janeiro: Edições do Povo, 1946.



O espião. Tradução revista por Bandeira Duarte. Rio de Janeiro: Marisa, 1931.



O espião. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1934.


O espião. Tradução de Milton Tavares. Rio de Janeiro: Vitória, 1944.



“O herói”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores. 2ª. série. 
Tradução de Líbero Rangel de Andrade. Rio de Janeiro: Vecchi, 1945.



“O ruivo”. In: 3 Novelas russas. Tradução de José de Barros Pinto. São Paulo: Flama, 1944.


Os Artamonov. Tradução de Boris Solomonov (pseud. de Boris Schnaiderman) e Galvão de Queiroz. Coleção “Os Grandes Nomes”. Rio de Janeiro: Vecchi, 1945.



Os degenerados: os Orlof, os ex-homens, os amigos. São Paulo: Editorial Paulista, 1934.


Os degenerados. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1936.



Os degenerados. Tradução revista por Marques Rebelo. Rio de Janeiro: Pongetti, 1943.
[A partir de 1951, a Pongetti relança o mesmo texto, agora como "tradução revista por Mario Jobinski"]




Os vagabundos. Collecções Econômicas SIP. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1936.


Os vagabundos. Tradução de Araújo Alves. Rio de Janeiro: Pongetti, 1944.


Psychologia do povo russo. Tradução de Elias Davidovich. Rio de Janeiro: Minha Livraria, 1936. 


“Sonho de uma noite de Natal”. In: Livro de Natal – As mais lindas histórias de Natal dos maiores escritores do mundo. Tradução de Luiz Macedo. São Paulo: Martins, 1947. 



Tormenta sobre a cidade. Tradução de J. da Cunha Borges. Rio de Janeiro: Vecchi, 1943.


Três russos: Tolstoi, Tchekov, Andreev. Tradução de Lúcio do Nascimento Rangel. 
Coleção Pensamento e Vida. Rio de Janeiro: Pongetti, 1945.


“Um incidente”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores. 
Tradução de Marina Salles Goulart de Andrade. Rio de Janeiro: Vecchi, 1944.


“Um livro inquietante”. In: Contos russos. Não localizei créditos de tradução. 
São Paulo: Pax, c. 1930.



Uma confissão. Collecção de Obras Celebres. Rio de Janeiro: Waissman, Reis & Cia., 1931.


Uma confissão. Rio de Janeiro: Calvino, 1932.


“Uma noite de outono”. In: Os russos: antigos e modernos. Tradução de Emil Farhat. 
Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.



Varenka Olessova. Tradução anônima. Introdução de Afonso Schmidt.
São Paulo: Clube do Livro, 1949.


“Vinte e seis e uma”. In: Os russos: antigos e modernos. Tradução de Edison Carneiro. 
Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.


Wania. Tradução anônima. São Paulo: Unitas, 1934.


Ver Bibliografia russa traduzida no Brasil (1900-1950), aqui.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.