25 de jul de 2016

ehrenburg no brasil, 1900-1950


Ehrenburg, Ilya (Elias, Ilia, Ehrenbourg)



A epopéia russa. Diário de um jornalista junto ao Exército Vermelho. 
Tradução de Maslowa Gomes Venturi. Coleção A Marcha do Tempo, vol. 7. 
São Paulo: Brasiliense, 1946.



A queda de Paris. Tradução de Monteiro Lobato. Coleção Guerra e Paz, vol. 4. 
São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1944. 


As aventuras de Julio Jurenito. Tradução de Mauro Rosalvo. 
Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1932.


Fevereiro sangrento – a Revolução de 1934 na Áustria. Tradução de Carlos Lacerda. 
Rio de Janeiro: Alba, c.1935.


“História de um cachimbo de barro”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores. 
2ª. série. Tradução de Líbero Rangel de Andrade. Rio de Janeiro: Vecchi, 1945.



Morte ao invasor alemão! Tradução de Moise Wainer. Rio de Janeiro: Vitória, 1944.



Moscou não crê em lágrimas. Tradução de Armando Gimenez. 
Coleção Clássicos de Hoje e Amanhã, 3. São Paulo: Edições Zumbi, 1958.



“O bar ‘Ao Descanso Vermelho’”. In: Contos soviéticos. Os novos da Rússia
Tradução de Gabriel Marques. Collecção Literatura Moderna. São Paulo: Cultura Brasileira, c.1934. Reed. in: Contos soviéticos. Rio de Janeiro: O Cruzeiro, 1944.


O beco de Moscou: romance. Tradução de Alfredo Ferreira. Rio de Janeiro, Vecchi, 1944.



“O cachimbo de Josué”. In: Os mais belos contos russos dos mais famosos autores. 
Tradução de Manuel R. da Silva. Rio de Janeiro: Vecchi, 1944.



“O cachimbo do dr. Peterson”. In: Os colossos do conto da velha e da nova Rússia
Tradução de Líbero Rangel de Andrade. Rio de Janeiro: Mundo Latino, 1944.



O degêlo. Tradução de David Medeiros. Rio de Janeiro: Vitória, 1944.



O segundo dia da criação. Tradução de Alfredo Ferreira. Coleção Eros. São Paulo: Prometeu, 1946.



“Três cachimbos”. In: Os russos: antigos e modernos. Tradução de Osório Borba. 
Coleção Contos do Mundo. Rio de Janeiro: Leitura, 1944.


Treze cachimbos. Tradução de David Medeiros. Rio de Janeiro: Vitória, 1944.



Ver Bibliografia russa traduzida no Brasil (1900-1950), aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.