20 de set de 2015

xavier de maistre / marques rebelo

um leitor deste blog fez um comentário interessante, que muito me surpreendeu, aqui.

e por que me surpreendeu? porque, de modo geral, todas as apropriações de traduções alheias feitas pela editora pongetti, apresentando-as sem o nome do tradutor, vinham com a menção de "revista por marques rebelo". para ver os vários casos relacionados que apontei neste blog, consulte os marcadores "marques rebelo" e "pongetti".

todavia, eu não tinha notícia de nenhuma tradução assinada diretamente por marques rebelo que, na verdade, consistisse em tradução alheia.

apresentar uma tradução anônima como "revista por marques rebelo" e apresentar uma tradução como sendo da lavra "de marques rebelo" são coisas muito diferentes: embora ambas ilícitas, a primeira prática recai sob a rubrica de contrafação, reprodução da obra traduzida sem autorização do tradutor e/ou da editora que detém os direitos sobre ela, bem como de lesão aos direitos morais de paternidade e integridade da obra; a segunda recai sob a rubrica de plágio mesmo, furto intelectual, bem mais grave do que a contrafação, pois a legítima autoria da tradução não se mantém meramente anônima, mas é apropriada por outrem.

todos os casos de irregularidades de tradução que constatei na pongetti fazem parte da coleção criada, organizada e dirigida pelo próprio marques rebelo, chamada "As 100 Obras-Primas da Literatura Universal" - várias, como apontei em outras postagens, constam como "revistas por marques rebelo"; outras foram traduzidas por diversas pessoas, por encomenda da pongetti e indicação do coordenador da coleção, e algumas delas constam como traduzidas por ele próprio.

esse caso da viagem à roda do meu quarto merece análise detalhada, pois, como disse, em se comprovando eventual apropriação da tradução de josé fernandes costa por marques rebelo, os problemas referentes a seus procedimentos como organizador, coordenador e tradutor adquiririam outra envergadura, e toda a sua obra tradutória, antes, durante e depois de seu período na pongetti, demandaria uma ampla pesquisa e a realização de numerosos cotejos, para apurar sua fidedignidade.

 josé fernandes costa, ed. david corazzi, 1888

marques rebelo, pongetti, 1944

reedição pela estação liberdade, 1989, 
sem dúvida alguma lesada em sua boa fé

vale ainda notar que o clube do livro publicou em 1946 uma tradução anônima, que apresenta todos os vezos lusitanos em sua linguagem, com pdf disponível aqui. fiz uma comparação entre vários trechos da tradução em nome de marques rebelo e da tradução anônima publicada pelo clube do livro, e posso asseverar que se trata da mesma tradução. não pude ainda empreender um cotejo direto pela dificuldade em encontrar, de momento, um exemplar da tradução de fernandes costa.


[atualização em 17/10/2015: aqui se encontram os resultados da análise feita.]

abaixo segue uma listagem (incompleta) em verbete da wikipédia sobre marques rebelo, sem especificar o que é o quê:*

Tradução / revisão
Ana Karênina, Leon Tolstói (1948)
As aventuras de um cão de circo, Jack London
A divina comédia, Dante Alighieri
A flecha de ouro, Joseph Conrad
A filha do capitão, A. S. Pushkin
A lenda de uma quinta senhorial, Selma Lagerlöf (1943)
A metamorfose, Franz Kafka
A morte de Ivan Ilitch; Senhores e Servos, Leon Tolstói
A mulher de trinta anos, Honoré de Balzac
A volta de Vivanti, Sydnei Horler (1942)
Cinco semanas num balão, Júlio Verne
Contos, Bret Harte
Crime e Castigo, F. P. Dostoiévski (1946)
Do amor, Stendhal (1936)
Eugênia Grandet, Honoré de Balzac (1944)
Hiba, Leon Tolstói
História cômica, Anatole France (1941)
Histórias, Bret Harte
Ida Elisabeth, Sigrid Undset (1944)
Ivanhoé, Walter Scott (1943)
Lazarillo de Tormes, anônimo do século XVI
Mediterrâneo: nascer do sol, Panait Strait (1944)
Nicolau II, o prisioneiro da púrpura, Mohammed Essad-Bey (1937)
Novas aventuras dos caçadores de tesouros, Edith Nesbit Bland
Os caçadores de tesouros, Edith Nesbit Bland
O estranho caso do Dr. Jekyll e do Sr. Hyde; Markheim, Robert Louis Stevenson
O grande ditador, H. G. Wells (1943)
Os inocentes, Henry James
O mágico de Oz, Frank Baum
O mundo em transe, Leopold Schwarzchild [1943?]
O processo, Franz Kafka
Os inocentes, Henry James
O lírio vermelho, Anatole France [1955?]
O passageiro clandestino, Edgar A. Poe
O triste noivado de Adam Bede, George Eliot (1946)
Os últimos dias da Pompéia, Bulwer-Lytton
Passageiro clandestino, ou Arthur Gordom Pym, Edgar Alan Poe
Regina, Lamartine (1944)
Rômolo", George Eliot (1946)
Salambô, Gustave Flaubert (1942)
Tiquinho, Alphonse Daudet
Um aconchego de solteirão, Honoré de Balzac
Uma vida, Guy de Maupassant
Viagem à roda do meu quarto, seguido de Expedição noturna à roda de meu quarto, Xavier de Maistre
Vidas ilustres, Hendrik Willem Van Loon
Werther, Goethe [1948?]

* essa listagem foi removida do verbete em 2013, com a seguinte justificativa: (Removida a seção "Tradução / revisão" [...] pela impossibilidade de comprovar a autoria do escritor relativamente a "traduções".) 

para o original de xavier de maistre, voyage autour de ma chambre, ver aqui.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.