18 de jun de 2014

tradução e criatividade

a revista língua portuguesa de junho, n. 104, publicou um artigo chamado o quebra-cabeça da criatividade, disponível aqui.  fui gentilmente entrevistada pela jornalista renata d'elia sobre tradução e criatividade, entrevista esta que resultou numa breve e simpática citação na matéria:



meu ponto, na verdade, não era tanto um "equilíbrio das expectativas" e sim a ideia de que uma tradução "criativa", isto é, não diretamente decalcada do original, pode ser mais "fiel" do que uma tradução demasiado colada a ele. transcrevo abaixo a íntegra de nossa conversa.
Como a criatividade se aplica ao trabalho do tradutor? Há algum tipo de inspiração para quem traduz? Você se lembra de algum caso em que a criatividade ... fez muita diferença em relação a um texto original? 
Se criativo for aquele capaz de lançar mão de certa liberdade interior, intelectual e emocional, para gerar coisas novas e inesperadas, então creio que algum arrojo, destemor mesmo, pode conferir um grau de criatividade a uma tradução. Creio que a gente pode falar em alguma dose de ousadia ou intrepidez.  Pois a grande questão é que somos uma espécie de Houdinis, presos dentro daquela implacável caixa do original no fundo da água, e de alguma maneira temos de conseguir nos desvencilhar e subir à tona com um texto em português, extraído de dentro daquela caixa após mil malabarismos mentais.  
Se há alguma inspiração nisso, é aquela disposição mais especial num dia ou noutro, quando você sente suas faculdades mais aguçadas, quando seu processador mental consegue vasculhar com maior eficiência e rapidez as toneladas de informações meio que adormecidas dentro dele, quando você consegue estabelecer ligações nem sempre muito óbvias, numa relação mais desimpedida entre o original e seu próprio repertório. Aí podem surgir coisas interessantes, que então vão se depositando no texto em português e que aí você vai consolidando e desenvolvendo ao longo do trabalho – mas, retomando a velha duplinha inspiração/ transpiração, há de se transpirar muito para que aquela centelha mais inspirada consiga contagiar todo o texto.  
E veja, muitas vezes uma tradução criativa não significa que ela faça muita diferença em relação ao original; muito pelo contrário, soluções criativas tendem a aproximar mais o texto traduzido ao texto original, a gerar uma maior afinidade entre eles. Pois é um equívoco supor que uma tradução muito colada ao original seja uma boa tradução: pelo contrário, esse servilismo geralmente resulta num decalque sem muito viço, mecânico, inexpressivo. Em suma, essa tradução mais colada ao original é a que, paradoxalmente, costuma ficar mais distante dele, sobretudo em obras literárias. Por isso é preciso um certo arrojo, uma certa coragem – pois sentimos medo, claro: de não captar bem algumas conotações, de errar, de ser meio obtusos – para elaborarmos com alguma desenvoltura outras soluções não tão imediatamente evidentes. 
O que pode acontecer é que muitas editoras mantenham códigos mais ou menos cerrados, em alguns casos impedindo essa maior desenvoltura, esperando algo mais simples ou convencional, em nome de um “leitor médio” abstrato. Mas nem sempre é este o caso, sobretudo em obras de maior densidade literária. Se não tudo, muito depende mesmo é da atenção, do cuidado e da dedicação do tradutor. Nesses casos, sempre haverá o que poderíamos chamar de criatividade, sim.

Um comentário:

  1. Anônimo19.6.14

    Este caso pode interessar ao blogue:

    http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/2014/06/1472153-cnpq-analisara-acusacao-de-plagio-em-pesquisas-sobre-diabetes.shtml

    Querem tentar legalizar plagio ?

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.