31 de mar de 2013

thomas mann no brasil

até onde consegui apurar, o ingresso de thomas mann no brasil se dá em 1934, com três livros em rápida sequência.
  • tonio kröger, pela editora guanabara, em tradução de charlotte von orloff; 
  • a morte em veneza, também pela guanabara, em tradução de moysés gikovate;
  • mario e o mágico, em tradução de zoran ninitch, pela machado & ninitch



















é difícil saber a ordem exata de lançamentos. no jornal correio paulistano, há uma nota bibliográfica sobre tonio em 13/10/34; em 18/10, saem notas bibliográficas sobre os outros dois. ocorre, porém, que na notícia de 13/10 já havia menção à existência dessas três traduções. sobre morte em veneza, meira olydio, o articulista, comenta: “a traducção, si não é primorosa, também não chega a fazer vergonha a quem a assigna”. infelizmente não consegui imagem de capa. [atualizado em 07/04/13] - aliás, localizei uma resenha de mario e omágico datada de 26 de agosto de 1934, no carioca diário de notícias, na coluna de renato de alencar. [06/06/13]


em 1940, a livraria martins publica o pensamento vivo de schopenhauer, apresentado por thomas mann, em tradução de pedro ferraz do amaral:


em 1942, temos os buddenbrook - decadência duma família, em tradução de herbert caro, na coleção nobel da globo. terá várias reedições em outras editoras, como a bruguera, o círculo do livro e a nova fronteira.



em 1943, sai uma estranha montanha mágica em tradução em nome de um irrastreável otto silveira, pela panamericana (epasa), faltando trechos. veja aqui.



em 1944, sai outra tradução de a morte em veneza, agora de lívio xavier, pela editora flama, como segundo volume de sua coleção "romance do século".



em 1944, o cruzeiro publica uma coletânea de artigos contra o nazismo, os 10 mandamentos e um certo sr. hitler. entre eles está o texto de mann, "não terás outros deuses em minha presença", em tradução de millôr fernandes:



em 1945, temos as cabeças trocadas - uma lenda hindu, na coleção tucano da livraria do globo, em tradução de liane de oliveira e e. carrera guerra:



a partir de 1947, a globo lança a tetralogia de josé e seus irmãos em sua coleção nobel, com tradução de agenor soares de moura: vol. 1, josé e seus irmãos (1947); 2. o jovem josé (1948); 3. josé no egito (1949); 4. josé, o provedor (1951). [nos anos 80, já então na nova fronteira, o título do primeiro volume será retificado para as histórias de jacó.] aqui falta a capinha do primeiro volume.



atualização em 27/5/13: agora não falta mais, graças a saulo von randow jr., que, numa iniciativa incrível, conseguiu a imagem de capa nada menos do que na biblioteca do congresso dos eua:



em 1952, temos a montanha mágica, em tradução de herbert caro, pela globo, coleção nobel. foi reeditada pelo círculo do livro; atualmente está no catálogo da nova fronteira.



em 1953, a pongetti publica sua alteza real em tradução de marina guaspari:



em 1957, sai "tobias mindernickel" nas obras-primas do conto moderno (org. almiro rolmes barbosa), pela martins, porém sem indicação do tradutor.*



ainda em 1957, "o pequeno senhor friedemann", em maravilhas do conto alemão, pela cultrix. como era a praxe nessa coleção de maravilhas, a cultrix não apresenta os créditos.* 


em 1959, temos "o armário", em maravilhas do conto amoroso, pela cultrix. idem.



em 1959, "o palhaço", em maravilhas do conto universal, pela cultrix, com tradução em nome de fernando correia da silva. 


* tanto "tobias mindernickel" quanto "o pequeno senhor friedemann" foram publicados na antologia as melhores novelas de thomas mann em 1948, pela editora hélio, de lisboa, em seleção e tradução de maria da paz marques ferreira e elysio correia ribeiro. valeria a pena consultá-los para ver se correspondem às traduções anônimas lançadas pela martins e pela cultrix.

em 1958, saem as traduções de maria deling para tônio kroeger e a morte em veneza, num só volume, pela boa leitura, em sua coleção "grandes autores". terão várias reedições pela abril a partir de 1971 e pela hemus em 1975. aqui em capa de 1960:



em 1962, temos alguma coisa em contos alemães, sem créditos de tradução, na coleção de jacob penteado, "primores do conto universal", pela edigraf.


também pela boa leitura, temos em 1963 as confissões de félix krull em tradução lusitana de domingos monteiro (reeditado pela hemus em 1975):



ainda em 1963, sai "gladius dei" no mar de histórias, volume 4, em tradução de paulo rónai e aurélio buarque de hollanda, pela josé olympio. o conto será incluído na edição da delta de 1965, citada mais abaixo. não localizei imagem de capa. aqui, na edição ampliada de 1999 (vol. VIII).




em 1964, sai "tobias mindernickel" numa antologia da literatura mundial publicada pela editora logos. não sei se é a mesma tradução publicada em 1957 pela martins.


em 1965, temos a publicação de morte em veneza, tristão gladius dei pela delta. os dois primeiros são em tradução de herbert caro, e a tradução de gladius dei é a de rónai/hollanda, de 1963, acima citada. o dado não é apresentado na página de rosto, mas consta no interior do livro. o volume foi reeditado em 1970 pela opera mundi.




a título de curiosidade, cito uma revista: em 1967, "gladius dei" sai no livro de cabeceira do ano, ano 1, vol. 4 , da civilização brasileira - não sei se é a mesma tradução de rónai/hollanda.








em 1975, mário e o mágico, pela artenova, em tradução de cláudio leme. contém: "mário e o mágico", "experiências ocultas", "doce sono", "a queda", "a vontade de felicidade", "a morte", "a vingança", "anedota", "dezesseis anos". teve várias reedições pelo círculo do livro.



em 1975, sai a correspondência entre amigos (thomas mann e herman hesse), em tradução de lya luft, pela record:






entre 1981 e 1987, a nova fronteira lança várias obras de mann, a começar por confissões do impostor félix krull, em tradução de lya luft.


em 1982, os famintos e outras histórias, também em tradução de lya luft. o conto "tobias mindernickel" é reeditado em 2007 na antologia os melhores contos de cães e gatos, pela ediouro.





em 1984, carlota em weimar, em tradução de vera mourão.




em 1984, doutor fausto em tradução de herbert caro, para mim a obra mais abismalmente assombrosa de mann. saiu também pelo círculo do livro e pela record/altaya.






ainda em 1984, surgem novas traduções de morte em veneza e tonio kröger, agora de eloísa ferreira araújo silva (e também pelo círculo do livro a partir de 1987).




em 1985, sua alteza real, em nova tradução de lya luft.




em 1987, as cabeças trocadas - uma lenda indiana, em nova tradução de herbert caro.







em 1988, temos o volume ensaios (são oito), em seleção de anatol rosenfeld, pela perspectiva, com tradução de natan robert zins:



em 1989, vale uma menção ao posfácio de mann a a história maravilhosa de peter schlemihl, de adelbert chamisso, pela estação liberdade.





entre 2000 e 2001, a mandarim, selo da arx, lança quatro títulos, a começar por o eleito, em tradução de lya luft.



em 2001, duas novelas - a lei e a enganada, também em tradução de lya luft.






em 2001, seis primeiras histórias, em tradução de ricardo f. henrique. são elas: “visão”, “decaída”, “desejo de felicidade”, “a morte”, “vingada” e “anedota”.


ainda em 2001, a gênese do doutor fausto, também em tradução de ricardo f. henrique.








em 2004, mais um "tobias mindernickel", agora em tradução de marcelo backes, em escombros e caprichos - o melhor do conto alemão no século 20, pela l&pm.







em 2009, ouvintes alemães! discursos contra hitler (1940-1945), em tradução de antonio carlos dos santos e renato zwick, pela zahar:



em 2011, o escritor e sua missão: goethe, dostoievski, ibsen e outros, em tradução de kristina michahelles, também pela zahar:


sem dúvida, deve haver vários contos em diversas antologias. à medida que localizá-los, acrescentarei aqui.

atualização em 02/04/2013: fiz algumas retificações e vários acréscimos ao post, graças à gentil contribuição de mário luiz frungillo, que pode ser vista nos comentários.

atualização em 02/02/2016: a companhia das letras, em sua coleção de obras de thomas mann, publica em 2015 uma nova tradução de tonio kröger, a cargo de mario luiz frungillo. a novela vem no volume que traz a morte em veneza (esta em reedição da tradução de herbert caro).



29 de mar de 2013

benjamin costallat editor

uma monografia muito interessante de patrícia de souza frança, "livro para leitores": a atuação literária e editorial de benjamin costallat no rio de janeiro dos anos 1920, disponível aqui.

o mais interessante, do ponto de vista de uma história da tradução no brasil, é a chamada "collecção benjamin costallat", uma linha de títulos variados que foi publicada por várias editoras entre 1932 e 1934; entre elas a guanabara, a flores & mano, a minha livraria e a civilização brasileira, introduzindo vários autores e títulos inéditos no brasil.

alguma hora me deterei sobre ela. por ora, duas capinhas:

tradução de elias davidovitch

idem

26 de mar de 2013

um mann meio estropiado

fico pensando: em 1943, já tínhamos no brasil mario e o mágico (1934), morte em veneza (1934), tonio kröger (1934), o pensamento vivo de schopenhauer (1940), os buddenbrook (1942), este último já marcando o início de um trabalho de fôlego continuado na globo. ou seja, nada que parecesse indicar conjuntura propícia para uma aventura tola - e no entanto é esta a impressão que me dá a montanha mágica publicada pela editora panamericana (epasa) em 1943. a tradução vem em nome de um otto silveira, sobre quem não encontrei nenhuma outra referência, seja antes, durante ou depois dessa edição.


se o lançamento passou praticamente despercebido nas seções culturais ou bibliográficas dos jornais e das revistas literárias, causa alguma espécie a frequência com que aparecia na seção de classificados do jornal do brasil ou d'a noite, entre anúncios de charretes, colchões, tratamentos de blenorragia, sabonetes contra axilose, máquinas de carpintaria.





mário luiz frungillo, aliás, atenta ao fato de que essa tradução de otto silveira pela panamericana "suprime algumas partes, como o capítulo 'Abundância de harmonia', deixando incompreensível por que Hans Castorp desaparece de nossas vistas cantando 'A tília' de Schubert".


apesar de uma alardeada 2a. edição, nunca mais se volta a ter notícia dessa publicação um tanto esdrúxula da panamericana.

decorrerão quase dez anos até termos uma nova tradução, esta sim respeitável: a de herbert caro, pela globo, em 1952, em circulação até hoje.

24 de mar de 2013

bibliotheca de auctores russos

apresento abaixo a relação consolidada das obras publicadas pela coleção "bibliotheca dos auctores russos" pela georges selzoff, editor, na ordem cronológica que pude apurar.

I. catálogo
  • Maximo Gorki, Konovaloff, contendo também “A feira”, “Kirilka” e “Uma vez, no outomno”. [Sem créditos de tradução.] 1930. 156 p.
  • Anton Tchecoff, Os inimigos, trazendo também os seguintes contos: "Delírio (Gussieff)", "Algazarra em família", "No carro (O caminho da mestre-escola)", "Verotchka", "Estudante”, “Lenda sueca (O conto do jardineiro chefe)", "Zinotchka" e "Uma noite atroz". [Sem créditos de tradução.] 1930? 178 p.
  • Anton Tchecoff, O pavilhão n. 6, contendo também “A desgraça”, “A felicidade”, “A obra de arte” e “Os simuladores” (edição ilustrada). [Sem créditos de tradução.] 1931. 187 p.
  • Leon Tolstoi, Khadji Murat (edição ilustrada). [Sem créditos de tradução, porém elementos indicam tradução a quatro mãos com Allyrio M. Wanderley.] 1931. 173 p.
  • Feodor Dostoievski, Um jogador (das notas de um rapaz). Igrok. [Sem créditos de tradução, porém elementos indicam tradução a quatro mãos com Allyrio M. Wanderley.] 1931. 170 p.
  • Leon Tolstoi, Padre Sergio (vinhetas e ilustrações de M. Barychnikoff). [Sem créditos de tradução, porém elementos indicam tradução a quatro mãos com Allyrio M. Wanderley.] 1931. 176 p.
  • Leonide Andreieff, Judas Iscariotes (capa e ilustração de M. Barychnikoff).  [Sem créditos de tradução, porém elementos indicam tradução a quatro mãos com Allyrio M. Wanderley.] 1931. 141 p.
  • Leonide Andreieff, Os sete enforcados. Traducção integral do original russo por Georges Selzoff e Orígenes Lessa. 1931-32. 150 p.
  • Ivan Turguenieff, Ninho de fidalgos (ilustrações de Inne Zueff). Traducção integral do original russo por Georges Selzoff e Elsie Lessa. 1932. 184 p.
  • Ivan Turguenieff, Águas da primavera. Traducção integral do original russo por Georges Selzoff e Brito Broca. 1932. 201 p.


II. destino ulterior
  • os sete enforcados foi reeditado na antologia organizada por rubem braga, os russos: antigos e modernos, editora leitura, 1944. essa antologia se encontra atualmente no catálogo da ediouro, com o título de contos russos: os clássicos. a tradução, porém, vem atribuída apenas a orígenes lessa. em seu prefácio, rubem braga se limita a dizer: Alegro-me pelo fato de poder apresentar em tradução direta do russo duas obras-primas: "O capote" e "Os sete enforcados". Ambos foram traduzidos por escritores brasileiros em colaboração com sabedores de russo.
  • destino mais triste teve os sete enforcados na coleção "grandes romances universais", da w. m. jackson, volume 7, com várias reedições a partir de 1947. não consta nenhum crédito de tradução nem a origem editorial do texto. no verso da página de rosto, diz-se apenas "Tradução revista e adaptada para esta Coleção pelo Departamento Editorial de W. M. Jackson Inc.".
  • destino igualmente infame, no mesmo volume da mesma coleção da w. m. jackson, teve khadji murat, também apresentada como "Tradução revista e adaptada para esta Coleção pelo Departamento Editorial de W. M. Jackson Inc.". 
  • a única tradução do catálogo da georges selzoff a ter sobrevivência minimamente decente foi  águas da primavera, reeditada algumas vezes pela melhoramentos nos anos 1950. na página de rosto consta "tradução revista por marina stepanenko"; no verso da página de rosto, constam os devidos créditos: "Esta obra foi, inicialmente, publicada na Biblioteca de Autores Russos de Georges Selzoff, em tradução de Brito Broca e Georges Selzoff". 
observação: a partir de 1957, a cultrix criou uma coleção chamada maravilhas do conto universal, que sistematicamente debulhava catálogos alheios e respigava, sem créditos, traduções de contos que lhe interessavam. no volume de maravilhas do conto russo, há "a obra de arte", de tchecov. não sei se a origem foi a "bibliotheca de auctores russos". caberia pesquisar.

creio que seria muito útil para a memória da bibliografia russa traduzida no brasil a digitalização das obras publicadas pela bibliotheca de auctores russos, da georges selzoff & cia. ltda.

acompanhe a crônica de selzoff aqui.

para essa reconstituição, devo várias informações a gutemberg medeiros, josé mota victor e bruno gomide.

georges selzoff, V

consta que selzoff teria feito uma versão d'a marquesa de santos para sua língua materna. é o que afirma fernando jorge em seu livro vida, obra e época de paulo setúbal, um homem de alma ardente, pela geração editorial, 2003, aqui:


devido à ausência de fontes e referências, porém, fica difícil não só corroborar a informação, mas também saber se, onde e quando essa sua versão do romance histórico de paulo setúbal teria sido publicada.

23 de mar de 2013

zoran ninitch, IV

nessa sequência de apontamentos para uma breve crônica sobre o croata zoran ninitch, estabelecido no brasil desde 1924, apresentei até agora sua iniciativa editorial na machado & ninitch, aqui, suas versões de obras latino-americanas para o iugoslavo, aqui, e um pequeno episódio envolvendo sua pessoa, alfonso reyes e mariano azuela, aqui.

agora passo às traduções de zoran ninitch para o português. concentram-se na maioria entre os anos de 1933 e 1934. localizei as seguintes:

I. publicações sem data:

pela livraria moura, temos de stefan zweig os olhos do irmão eterno, que a casa stefan zweig dá como "edição pirata, início dos anos 1930, provavelmente a primeira obra de SZ em português".



de jakob wassermann, temos pela editora guanabara christovão colombo, o don quixote dos mares, sem data. o worldcat cita 1933 como ano de edição e o arquivo da biblioteca nacional da alemanha cita 1938. não localizei nenhuma referência ao lançamento desse livro em nossa hemeroteca digital para a década de 1930.



II. em 1933:

a primeira tradução brasileira de darwin, a descendência do homem e a selecção sexual, pela livraria editora marisa, em 1933, "edição comemorativa do primeiro centenário da viagem do beagle à américa do sul e às costas do brasil". dispomos de um exemplar em nosso acervo nacional:

Autor:Darwin, Charles Robert, 1809 - 1882.clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes
Título / Barra de autoria:A descendencia do homem e a seleção sexual.
Imprenta:Rio, Ed. Marisa, 1933. 
Descrição física:224 p.
Notas:Registro Pré-MARC
Entradas secundárias:Ninitch, Zoran trad.clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes 
Classificação Dewey:
Edição:
575.8
Indicação do Catálogo:I-307,3,25 


rasputin e a imperatriz, de val lewton (pseudônimo do ucraniano vladimir ivan leventon), pela editora civilização brasileira, em 1933, com a especificação "única tradução autorizada":



um misterioso o sequestro do capitão sindbad, romance policial de aventuras, de um ainda mais misterioso "dobersav", pela livraria editora marisa, também em 1933. [meu palpite é que se trata de uma pseudotradução, como dizem: isto é, um texto original apresentado como se fosse traduzido.]



também pela livraria editora marisa, temos:

Autor:Vanino, Eugenio.clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes
Título / Barra de autoria:As minhas tres mulheres, romance realista.
Imprenta:Rio, Ed. Marisa, 1933. 
Descrição física:209 p.
Notas:Registro Pré-MARC
Entradas secundárias:Ninitch, Zoran trad.clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes 
Classificação Dewey:
Edição:
808.831
Indicação do Catálogo:808.831/V258m 


III. em 1934:

Autor:Berzin, Julio.clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes
Título / Barra de autoria:100% de amor, volupia e especulação (Amor e especulação no paiz dos soviets) romance.
Imprenta:Rio de Janeiro, Marisa, ed., [1934?] 
Descrição física:175 p.
Notas:Registro Pré-MARC
Entradas secundárias:Ninitch, Zoran trad.clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes 
Classificação Dewey:
Edição:
891.73
Indicação do Catálogo:891.73/B553o7 

embora a data seja incerta no cadastro em nosso acervo, creio ser possível afiançar que o livro saiu mesmo em 1934, devido a uma nota dada no diário da noite em 08 de maio daquele ano, anunciando o lançamento.


a seguir temos:

Autor:Kalinikov, Iosif.clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes
Título / Barra de autoria:A tragedia sexual de leon Tolstoi.
Imprenta:Rio de Janeiro, Ed. Marisa, 1934. 
Descrição física:370 p.
Notas:Registro Pré-MARC
Assuntos:Tolstoi, Lev Nikolaevich, graf., 1828-1910.clique aqui para ver as obras sob este assunto no Catálogo de Autoridades de Assuntos 
Entradas secundárias:Ninitch, Zoran, trad.clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes 
Classificação Dewey:
Edição:
921
Indicação do Catálogo:921/T654/K14t 

e

Autor:Urbantschitsch, Rudolf.clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes
Título / Barra de autoria:Biologia pratica (do universo ao ego).
Imprenta:Rio de Janeiro, Marisa, 1934. 
Descrição física:283 p.
Notas:Registro Pré-MARC
Assuntos:Vida.clique aqui para ver as obras sob este assunto no Catálogo de Autoridades de Assuntos 
Entradas secundárias:Ninitche, Zoran.clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes
Passos, Alexandre.clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes 
Classificação Dewey:
Edição:
111
Indicação do Catálogo:II-411,5,2 


note-se que, das nove traduções de ninitch localizadas até essa data, seis saíram pela livraria editora marisa. isso parece indicar uma colaboração bastante estável. porém, a partir de certa altura de 1934, nota-se uma dispersão entre as casas editoras.

pela calvino filho sai general balbo, uma vida historica, de friedrich andreas fischer von poturzyn.*

pela editora mundial sai a mulher e a paisagem, de stefan zweig, acompanhado por senhor de são francisco, de ivan búnin, que acabara de receber o prêmio nobel de 1933:



pela gráfico-editora unitas, de são paulo, sai mais um livro de stefan zweig, a confusão dos sentimentos:


um dado interessante nessa edição da unitas é que o worldcat apresenta os créditos de tradução não só em nome de zoran ninitch como também no de elias davidovitch:

A confusão dos sentimentos

Autor:Stefan ZweigElias DavidovichZoran Ninitch
Editora:S[ão] Paulo Gráfico-Editora Unitas 1934
é um elemento não insignificante, que será tema específico de outro post. posso adiantar que se refere a aspectos concernentes à tradução e divulgação de freud no brasil.


a seguir temos uma sequência de quatro traduções para a atlântida editora:

Autor:Kerschensteiner, Georg Michael Anton, 1854-1932.clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes
Título / Barra de autoria:A alma do educador e o problema da formação do professor.
Imprenta:Rio, Atlantida ed., 1934. 
Descrição física:147 p.
Notas:Registro Pré-MARC
Assuntos:Educadores.clique aqui para ver as obras sob este assunto no Catálogo de Autoridades de Assuntos
Professores, Formação profissional de.clique aqui para ver as obras sob este assunto no Catálogo de Autoridades de Assuntos 
Entradas secundárias:Ninitch, Zoran, trad.clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes 
Classificação Dewey:
Edição:
370.7
Indicação do Catálogo:370.7/K39s7/1934 


de hoelzer, elizabeth d'austria (a tragédia do mayerling), atlântida, 1934:



dois stefan zweig em seguida, nietzsche e casanova:

Autor:Zweig, Stefan, 1881-1942.clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes
Título / Barra de autoria:Nietzsche.
Imprenta:Rio de Janeiro, Atlantida ed. 1934. 
Descrição física:206 p.
Notas:Registro Pré-MARC
Assuntos:Nietzsche, Friedrich Wilhelm, 1844-1900.clique aqui para ver as obras sob este assunto no Catálogo de Autoridades de Assuntos 
Entradas secundárias:Ninitch, Zoron trad.clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes
Magalhães, Roberto.clique aqui para ver as obras deste autor no Catálogo de Autoridades de Nomes 
Classificação Dewey:
Edição:
920
Indicação do Catálogo:I-256,2,7 


Casanova
Autor:
Editora:
Rio [de Janeiro] Atlantida Editora 1934
fonte: worldcat


é em 1934 que zoran ninitch firma sociedade com um certo machado, assim nascendo a machado & ninitch ltda., a qual opera como tipografia e editora. já listei seu catálogo aqui; recapitulando, as traduções de ninitch publicadas na casa são:
  • thomas mann, mario e o mágico;
  • stefan zweig, ocaso de um coração e mystério da rua sem luar
  • mihály babits, o filho de virgilio timár.*

entre as publicações da machado & ninitch, há dois textos de freud, pensamentos sobre guerra e morte o múltiplo interesse da psicanálise. não descobri quem os traduziu. mas o psicanalista gastão pereira da silva cita uma carta de freud dirigida a ele, mencionando as traduções de ninitch. a nos basearmos nela e em outros elementos que apresentarei no post já prometido, é plausível supor que foi ele quem traduziu esses dois textos. transcrevo:
P. – Como era sua correspondência com [Freud]?Dr. Gastão – Vou ler alguns trechos da última carta que recebi dele. “Devo-lhe muito por me haver remetido seu livro anterior, Para compreender Freud, e o mais novo, A psicanálise em doze lições, bem como por todos os esforços que V.Sª. tem feito em prol da psicanálise e também pela sua participação nas traduções que tem feito com seu amigo Dr. Ninitch, introduzindo essa literatura nesse país. O meu nome é, ainda, pouco conhecido no Brasil e somente o seu esforço e de seu amigo Ninitch o tornará mais divulgado.” Depois de se referir ao envio de uma fotografia, diz o mestre: “Relembrando as minhas próprias lutas, com as resistências as mais amargas, desejo-lhe o êxito mais satisfatório. Cordialmente, seu Freud”.

fonte: entrevista concedida em 1984 a marco antonio coutinho jorge, plínio leite dos santos jr. e teresa palazzo nazar, aqui

* segundo declarações de ninitch, essas duas traduções, general balbo e o filho de virgilio timár, darão azo em 1935 a graves entreveros entre ele e alguns setores da numerosa colônia iugoslava residente em são paulo. será tema também de outro post.


IV. em 1935:

cito ainda sua tradução de "o momento heroico", de stefan zweig, que foi publicada no diário carioca em 3 de novembro desse ano, pois será incluída no volume VII das obras completas de zweig, lançadas pela delta em 1960. aqui a parte inicial (continua na página seguinte do jornal):



acompanhe: