1 de jun de 2013

ivan ilitch

vendo o caso do grande gatsby, com sua inflação de novas traduções nos últimos dois anos - nada menos que cinco! -, somando ao todo oito traduções em menos de cinquenta anos (veja aqui), lembrei também o caso de tolstói com a morte de ivan ilitch. não teve nenhum leonardo di caprio no pedaço, mas mesmo assim são dez (quiçá nove) traduções diferentes em menos de sessenta anos (1944-2002)!

sem dúvida é o texto de tolstói mais traduzido entre nós:
  1. a primeira a sair é a de marques rebelo, na antologia os russos: antigos e modernos,  editora leitura, em 1944 
  2. a seguir, em 1948, sai a de gulnara lobato de morais, pela saraiva
  3. a terceira é a de boris schnaiderman, em três novelas russas, pela boa leitura, em 1959 (direta)
  4. em 1960, sai a de milton amado, em obra completa, pela josé aguilar
  5. depois vem pela lux (não sei ainda quem traduziu), na antologia do conto russo, vol. IV, em 1962 (direta)
  6. a bup lança em 1963 a de ana weinberg (direta)
  7. em 1981, pela alhambra, temos a de joaquim campelo marques e manoel borges (direta)
  8. a de tatiana belinky sai em 1991, pela pauliceia (direta)
  9. uma antiga, de carlos lacerda, sai em 1997 pela lacerda
  10. em 2002, pela l&pm, sai a de vera karam [retificação em 13/7/2015: a tradução de vera karam saiu inicialmente em 1997 pela l&mp - vide caixa de comentários]

talvez a que saiu pela lux seja a de bóris schnaiderman; preciso conferir. a de carlos lacerda é um caso engraçado: parece que foi publicada em algum lugar em 1944 e depois, em 1959, no primeiro número da revista senhor. mas da edição de 1944 não encontrei nenhum rastro. e aí pensei: será que marques rebelo emprestou seu nome a ela na antologia da ed. leitura? taí uma curiosidade que alguma hora vou tentar satisfazer.










retificação em 04/06/2013: ivo barroso informa que o ivan ilitch na tradução de carlos lacerda saiu não no primeiro e sim no segundo número da revista senhor, em abril de 1959.



ilustrações da capa e do conto por glauco rodrigues, gentilmente enviadas por ivo barroso. nosso insigne poeta, tradutor e crítico literário comenta que a ilustração de capa era uma "alusão ao excelente comentário que o Paulo Francis faz no interior da revista sobre a Lolita de Nabocov que estava para sair no Brasil" (que saiu naquele ano em tradução de brenno silveira, pela civilização brasileira).

retificação: na verdade, a edição de 1944 da coletânea organizada por rubem braga traz a tradução de carlos lacerda, reeditada na revista senhor e, mais tarde, pela editora lacerda. a tradução de marques rebelo virá a substituí-la nos anos 1960 na coletânea de rubem braga,, quando a tecnoprint/ediouro passa a publicá-la com o nome de o livro de ouro do conto russo.

15 comentários:

  1. Saulo von Randow Júnior2.6.13

    Denise,

    A quais obras você precisaria ter acesso para satisfazer a sua curiosidade sobre a tradução de 1944 ?

    ResponderExcluir
  2. olá, saulo - na internet até se encontra um bom trecho da tradução de marques rebelo, aqui: http://pt.scribd.com/doc/53757290/A-Morte-de-Ivan-Ilitch-Tolstoi-Liev - acho que uma comparação com a publicada pela lacerda em 1997 poderia ser um passo inicial. se a comparação for positiva, valeria a pena ir atrás da senhor de 1959, penso eu.

    ResponderExcluir
  3. uma das questões dessas várias reedições ao longo dos anos é que os textos vão sendo editados e modificados pelos editores. muitas vezes há diferenças não pequenas na mesma tradução, em sua edição inicial e sua reedição décadas depois. uma comparação positiva, como disse acima, não precisa apresentar identidade completa - se alguns elementos estruturais ou mais significativos foram parecidos, tem de se ir rastreando para trás, edições anteriores menos modificadas.

    ResponderExcluir
  4. Saulo von Randow Júnior2.6.13

    Denise,

    Tenho a tradução completa do Marque Rebelo através da edição da Biblioteca Folha (Clássicos da Literatura Universal) e intermediei a compra da coleção completa da Revista Senhor para um amigo (acho que posso conseguir uma cópia escaneada). Ficaria faltando a de 1997 pela Lacerda.

    Saulo.

    ResponderExcluir
  5. ah, fantástico! aí nem precisa ver a de 1997; a de 1959 é melhor ainda como base de comparação. em havendo elementos suficientes, aí sim vale a pena ir para trás: senhor 1959 e russos 1944 (essa de 1944 está disponível na reedição da ediouro em 2002, no google books, não sei até que ponto editada e não sei se igual à da biblioteca folha)

    ResponderExcluir
  6. na verdade, saulo, a referência que encontrei à tradução de carlos lacerda cita a certa altura, quando o médico examina ivan, que ele sofre de "um rim recalcitante, de bronquite crônica ou de apendicite". rebelo dá como "um rim flutuante, uma bronquite crônica ou uma afecção do ceco". parecem-me irredutíveis entre si.










    ResponderExcluir
  7. Mário Luiz Frungillo17.10.13

    Denise, eu apostaria que a da Lux é igual à da BUP: Ana Weinberg e Ary de Andrade. A mesma dupla traduziu para o volume III da Antologia do Conto Russo (o único qu eu tenho) a Lady Macbeth do distrito de Mzensk, de Lieskóv e Ana Weinberg traduziu para o mesmo volume A aldeia, de D. V. Grigoróvitch, em parceria com Augusto S. Meyer. Pena que essa antologia virou raridade até em sebos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. olá, caro mário, sim, bingo, vc tem toda razão. depois até completei num artiguinho, mas esqueci de atualizar aqui.

      Excluir
    2. consegui comprar uns meses atrás :-)

      Excluir
  8. Sérgio Karam12.7.15

    Oi, Denise:
    A tradução da Vera Karam (minha querida irmã, falecida precocemente em 2003) foi publicada pela primeira vez pela L&PM Pocket em 1997 (e não em 2002) e foi feita a partir de uma tradução para o inglês.
    Abraço,
    Sérgio

    ResponderExcluir
  9. puxa, vera era sua irmã? lamento o falecimento...
    obrigada pela retificação, estou corrigindo.
    abraço,
    denise

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sérgio Karam13.7.15

      Obrigado, Denise!
      Abraço,
      Sérgio

      Excluir
  10. Boa dia, Denise. A tradução de "A morte de Ivan Ilitch" publicada pela Folha de S. Paulo em 2016 foi realizada por Irineu Franco Perpetuo: https://goo.gl/2AVTNi
    Será que foi tradução direta?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. olá, diogo, que legal, obrigada pela informação.
      sim, com certeza, irineu é um dos principais tradutores diretos do russo da atualidade.

      abraço,
      denise

      Excluir
    2. Oi Denise. Você tem razão, é tradução direta do russo mesmo: https://goo.gl/j3v4zG

      Excluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.