14 de nov de 2012

ediouro/ abdr/ ebooksbrasil

I.
quanto ao entrevero ediouro/ abdr/ ebooksbrasil, apresentado aqui, acho que a questão é simples. o ônus da prova cabe à denunciante. a ediouro ou quem por ela é que precisa demonstrar que detém os direitos sobre a obra a cidade antiga de fustel de coulanges na tradução de frederico ozanam de barros.

a cidade antiga traduzida por ozanam de barros está disponível aqui, no site ebooksbrasil, com autorização do autor da tradução.


II.
quanto ao histórico da coisa, é o seguinte: frederico ozanam de barros traduziu a obra de fustel de coulanges, que foi publicada há mais de cinquenta anos na extinta edameris (em 1961, para ser mais exata):


desde os anos 80, a então tecnoprint e atual ediouro passou a publicar a cidade antiga em suposta tradução de eduardo nunes fonseca e jonas camargo leite, licenciada pela hemus. aliás, essa tradução da hemus é um acinte, um plágio mal feito da antiga tradução portuguesa de fernando de aguiar (clássica editora, 1945), como demonstrei aqui. 


mas que seja, continuemos. a ediouro utilizou essa pretensa tradução da hemus seja em sua coleção "universidade de bolso", seja em sua coleção "clássicos de bolso", com várias reedições até 1999:



em  2004 a ediouro substitui essa pretensa tradução licenciada da hemus e passa a publicar a obra de fustel de coulanges numa nova tradução, feita por aurélio barroso rebello e laura alves, que se encontra plenamente ativa em seu catálogo:


então, até onde consigo entender, a ediouro detém os direitos de reprodução sobre a tradução de aurélio barroso e laura alves, mas não sobre a tradução de frederico ozanam de barros, a qual, aliás, nunca foi publicada pela ediouro. após o encerramento de atividades da edameris, a cidade antiga de ozanam não voltou ao prelo e o tradutor autorizou a digitalização e disponibilização da obra no site da ebooksbrasil, onde se encontra desde 2004.

aí fica a pergunta: de onde a abdr tirou as afirmações de que "os direitos autorais relativos a este livro pertencem à Editora [Ediouro]" e que a ebooksbrasil estaria incorrendo "em violação aos artigos 102 e seguintes desta lei, e ao artigo 184 do Código Penal"? (a notificação enviada pela abdr à ebooksbrasil está aqui.) pois o mais irônico nessa história toda é que, se alguém ou vários alguéns têm alguma "culpa no cartório", certamente não é a ebooksbrasil!

espero que a ediouro, com a idoneidade que a caracteriza, esclareça a questão e, se for o caso - como parece ser -, desautorize a abdr a falar em seu nome, nessa iniciativa prepotente e arbitrária contra uma disponibilização gratuita que, ao que tudo indica, está plenamente amparada pela legislação vigente.

3 comentários:

  1. Fugindo do assunto ,queria perguntar se a Ediouro como um todo (como empresa que lida com mercado editorial)é confiável ou é uma empresa que anda pelas vias da ilegalidade ,como por exemplo a Martin Claret!Estou perguntando porque adquiri pela internet o box das "Mil e uma noites " com apresentação de Malba Tahan e edição de 2002; queria saber se essa versão do livro é confiável por favor!

    ResponderExcluir
  2. olá, júlio: a ediouro é séria, sim; às vezes deu algumas escorregadas, talvez iludida em sua boa fé. são edições populares, claro, mas de qualidade de média para cima.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Ediouro não é uma empresa séria, é uma empresa que simplesmente sacaneia o leitor prometendo publicar uma coleção e quando começa, 1 Começa pelo segundo volume, 2 abandona no quarto volume e não justifica, 3 não responde a emails e não dá nenhuma declaração, ou seja, se puder não faça negócios com essa empresa medilcre que se quer respeita seus clientes. A propósito a coleção de que eu falei foi a (Força Sigma de James Rollins).

      Excluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.