27 de nov de 2012

camus traduzido no brasil

na sequência do levantamento das obras de sartre traduzidas no brasil, que apresentei aqui
veio a curiosidade: e camus?

camus parece ter chegado em tradução brasileira no ano de 1949, 
com "a europa e o morticínio"  na revista trimestral da globo, província de são pedro, n. 14. 
é o extrato de sua conferência em porto alegre, coligida por jean roche. 


sua obra fundamental, a peste, sai em 1950 pela josé olympio, na coleção "fogos cruzados",
com tradução de graciliano ramos, relançada pela delta em 1964 ss.e pela opera mundi em 1970 ss.

em 1958, a agir lança sua adaptação teatral de faulkner, oração para uma negra, peça em sete quadros, em tradução de guilherme figueiredo

em 1963, calígula, peça em quatro atos, pela civilização brasileira,
na coleção universitária de teatro, vol. 2, com tradução de maria da saudade cortesão

em 1964, sai bodas em tipasa, pela difel,
em tradução de sérgio milliet

em c. 1975, as mais belas palavras pronunciadas por ocasião da entrega do prêmio nobel,
pela hemus, seleção de eli behar e tradução de agatha m. auersperg

a partir de 1976, a abril lança estado de sítio em várias coleções suas,
a começar pela "teatro vivo", em tradução de maria jacintha

em 1978, sai diário de viagem - a visita de camus ao brasil pela record,
em tradução de valerie rumjanek chaves

em 1979, núpcias e o verão, pela nova fronteira,
em tradução de vera queirós da costa e silva

incrivelmente, parece que apenas em 1980 sai uma tradução brasileira d' o estrangeiro,
de valerie rumjanek, pelo círculo do livro (as várias edições anteriores pela abril 
traziam a tradução portuguesa de antónio quadros). agora está na record

em 1981, o exílio e o reino pela record,
tradução de valerie rumjanek

em 1982, também incrivelmente tardio, sai a queda pelo círculo do livro,
em tradução de valerie rumjanek (agora na record)

em 1983, uma nova tradução d'a peste pelo círculo do livro,
também de valerie rumjanek (agora na record)

em 1989, o mito de sísifo - ensaio sobre o absurdo, pela guanabara,
com tradução e apresentação de mauro gama

em 1994, o primeiro homem pela nova fronteira,
com tradução de teresa bulhões carvalho da fonseca e maria luísa newlands silveira

em 1995, o avesso e o direito, pela record,
em tradução de valerie rumjanek

em 1996, o homem revoltado, pela record,
em tradução de valerie rumjanek

em 1998, a inteligência e o cadafalso e outros ensaios, pela record,
em tradução de manuel da costa pinto e cristina murachco. ver aqui.

em 1998, a morte feliz, pela record,
em tradução de valerie rumjanek


em 2002, uma nova tradução de estado de sítio, pela civilização brasileira,
agora de alcione araújo e pedro hussack

em 2004, nova tradução de o mito de sísifo, pela record,
agora de ari roitman e paulina wacht

em 2007, os justos pela deriva, em sua coleção de teatro,
em tradução de robson dos santos
atualização em 18/8/2015: afinal, revela-se suspeitíssima essa edição.
veja aqui


atualização em 14/6/2015

em 2014, a hedra lança seus cadernos, distribuídos em três volumes - esperança do mundoa desmedida na medida e a guerra começou - onde está a guerra?, todos em tradução de samara geske e raphael araújo:






10 comentários:

  1. Caríssima Denise, eu tive a tentação de sugerir que você fizesse esse levantamento camusiano, em sequência ao de Sartre, mas achei que seria uma abuso. Imagine o meu prazer ao ver que você o realizou. Só um detalhe: a capa de "O avesso e o direito" não corresponde à da edição original da Record.
    Um grande abraço agradecido.

    ResponderExcluir
  2. ah, obrigada, estou trocando! que legal que gostaste ;-)

    ResponderExcluir
  3. João Gabriel T Jankoswsky9.10.14

    Ótimo blog, parabéns

    ResponderExcluir
  4. Augusto7.3.15

    Parabéns pelo trabalho. Não conhecia o volume da editora Deriva e vou procurar. Uma pergunta: vocês tem o o livro "A inteligência e o cadafalso"? Se tiverem, podem por favor postar a lista de ensaios que compõem o livro? Grato e abraço!

    ResponderExcluir
  5. olá, augusto, pois não. aqui o link para o google books, que aliás disponibiliza o ensaio que dá título à coletânea: http://books.google.com.br/books?id=0hjEwvBF6sYC&printsec=frontcover&hl=pt-BR#v=onepage&q&f=false

    ResponderExcluir
  6. Olá, Denise.

    Comprei a coleção Teatro da Deriva. Como gosto bastante de tradução, aproveitei para cotejar a tradução de Entre Quatro Paredes com a do Guilherme de Almeida, que tenho aqui, da coleção Teatro Vivo. Para minha surpresa, a tradução é a mesma. Pensei ter havido algum erro, já que a tradução da Deriva é atribuída a Roberto de Almeida. Contudo, pesquisando mais, descobri que a tradução de Os Justos, atribuída a Robson dos Santos, é na verdade de Antônio Quadros.
    As Criadas, de Genet, cuja tradução é atribuída a Roberto Medeiros, é a mesma tradução em circulação na internet de Pontes de Paula Lima.
    Quanto a O Casamento do Pequeno Burguês, do Brecht, é a mesma tradução em circulação na internet, texto que infelizmente não menciona o tradutor. Contudo, pelas falsas atribuições das outras três pelas e pelo fato de eu não ter encontrado nada em tradução a respeito de César Santos, tudo me leva a crer que é mais outra fraude.

    Entrei em contato com a Deriva, mas não obtive qualquer satisfação. Infelizmente, uma editora que tem uma proposta muito boa de trabalho e publicação artesanais, acaba por incidir nas mesmas fraudes que lamentavelmente ainda vemos em circulação no pais.

    Fica aqui o meu alerta para essa coleção.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. muito obrigada, vinicius. fiz um post a respeito.

      Excluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.