3 de jul de 2012

refazendo traduções

insurgent mexico, de john reed (1910), saiu no brasil com o título de méxico rebelde em 1959, numa tradução de mary amazonas leite de barros, pela editora zumbi.



em 1968, a civilização brasileira relançou a tradução de mary amazonas (que, aliás, foi uma das minhas primeiras chefes editoriais, lá na perspectiva, em 1971 ou 1972):

Clique para ampliar a capa

essa tradução teve algumas reedições e foi licenciada também para o círculo do livro (1981, 1982 e 1984):



quando eu li que a boitempo lançou, "com nova tradução, o depoimento mais importante sobre este momento decisivo da história latino-americana", achei interessante e aí vi que luiz bernardo pericás é "um dos tradutores desta versão, juntamente com mary amazonas barros" (aqui).


















confesso que, de início, o informativo me deixou confusa: afinal, o que significava? que a mary refez sua tradução cinquenta anos depois, agora a quatro mãos? que pericás fez uma tradução nova e juntou com a antiga da mary? mas como? e aí nem seria nova: seria, sei lá, mezzo a mezzo? ou que pericás tomou como base o texto da mary, cotejou, copidescou, corrigiu alguma coisa? mas aí muito menos seria uma "nova tradução": seria um licenciamento de uma tradução antiga, e pericás nem poderia aparecer como seu autor; seria no máximo algo como "tradução de fulano, revista [ou atualizada] por beltrano". 

o que também me confundiu um pouco foi que, na chamada principal do site da boitempo, os créditos de tradução vinham apenas em nome de luiz bernardo pericás. o nome de mary amazonas de barros aparecia no texto de apresentação e na ficha técnica ao final.*

uma pesquisa nos cadastros do isbn não me esclareceu muito:**

PESQUISA NO CADASTRO DO ISBN
RESULTADO
Palavra Pesquisada:México insurgente
ISBN: 978-85-7559-154-3
TÍTULO: México insurgente
AUTOR: John Reed
AUTOR: Luíz Bernardo Pericás
EDIÇÃO: 1
ANO DE EDIÇÃO: 2010
LOCAL DE EDIÇÃO: SÃO PAULO
TIPO DE SUPORTE: PAPEL
PÁGINAS: 380
EDITORA: BOITEMPO EDITORIAL

de qualquer forma, o blog da editora reiterava: "Desta vez, ganha nova edição e tradução o primeiro livro do jornalista John Reed: México Insurgente. Publicado pela primeira vez em português em 1959, sob título de México Rebelde [...]" (aqui); e sérgio augusto saudou no estadão: "A editora Boitempo [lançou] há dias uma nova e caprichada tradução de México Insurgente" (aqui). 


bom, ao fim e ao cabo, concluí com meus botões que não seria uma "tradução requentada" (como se usa dizer), e que uma editora como a boitempo não teria por que "dar um trato" numa tradução antiga e apresentá-la como se nova fosse, com duplos créditos numa espécie de anacrônica parceria. 

conto tudo isso porque acho extremamente instrutivo quando um tradutor refaz um trabalho anterior seu: boris schnaiderman, por exemplo, ou josé roberto o'shea, que refundiu e refez seu dublinenses de vinte anos atrás - a gente tem ocasião de acompanhar o amadurecimento trazido pela experiência e vale por uma bela aula. assim, no caso desta  nova tradução, vai ser muito legal comparar os dois textos da mary com meio século de distância entre eles - e com o detalhe adicional de ser agora a quatro mãos!

atualização em 04/07: de fato, é muito legal a história. mary amazonas explica que tinha feito a tradução nos anos 1950 a partir do espanhol. a boitempo entrou em contato com ela em 2010, explicando que queriam fazer a tradução a partir do inglês, mas utilizando como guia o texto e soluções da mary. ela concordou, acompanhou o trabalho, o tradutor lhe apresentou o texto final, mary fez mais algumas correções e assim foi publicada a tradução de ambos. é justamente o resgate de uma tradução antiga, quase esquecida, cuja autora contribuiu ativamente para sua renovação. até onde sei, é um caso inédito e um belo exemplo de preservação de nossa memória tradutória.

* os créditos na chamada principal já foram corrigidos pela boitempo. 
** informa a editora que já foi solicitada a devida correção dos dados junto à agência nacional do isbn.


veja também a posição da editora aqui.

6 comentários:

  1. um caso semelhante é o que vai acontecer com a nova tradução de Paradiso, né, pela Josely Vianna Baptista?

    estou aguardando curioso.

    ResponderExcluir
  2. isso, que otimíssima lembrança, nilton!

    ResponderExcluir
  3. Se a Mary ( como o texto dá a entender) está viva, e atuante, não seria o caso de ela mesma esclarecer a questão?

    ResponderExcluir
  4. olá, henrique, é que, pelos dados, acabei achando que a mary refez mesmo sua tradução. tentei mostrar como nossos registros, tanto em sites quanto nas instituições, são meio confusos. mas achei interessante também que, entre o leque de tradutores que refazem traduções, acho que é o primeiro caso de reelaboração a quatro mãos. mas alguma hora vou procurá-la, sim, pelo menos para falar dos velhos tempos (se é que ela vai lembrar da jovenzinha revisora de quarenta anos atrás :-) )

    ResponderExcluir
  5. Anônimo4.7.12

    A Boitempo é uma editora bastante séria, até onde sei. Se as devidas explicações foram dadas penso que se deva confiar. Abraços uspianos, Marcos Silva

    ResponderExcluir
  6. fico feliz, marcos! também tenho a mesma impressão.

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.