10 de jul de 2012

o pós-tradução


depois de terminar sua tradução, o tradutor envia o material à editora. então se inicia o processo pós-tradutório, com várias etapas, desde o cotejo da tradução com o original até a "caça aos sacis" (errinhos que ficam pulando e aparecendo onde menos se espera, muitas vezes escapando a todas as fases de edição e indo assustar o leitor), passando por ajustes de estilo e linguagem. os copidesques, preparadores, revisores, formam o batalhão praticamente invisível e absolutamente indispensável que dá a forma final ao texto que será publicado. 

muito divertido e realista é o artigo que a assistente editorial cindy leopoldo publicou certa vez sobre o nobre e inglório copidesque. transcrevo os trechos onde a articulista define as funções do chamado "copidesque":
- A preparação, frequentemente utilizada para livros nacionais, pode consistir em “deixar o texto com cara de livro” (por exemplo, dividir em capítulos, retirar ou criar notas, colocar o texto com vocabulário e estrutura mais próximos do jornal do que do texto acadêmico ou do post de blogue etc.);
- A revisão de tradução costuma ser “uma melhorada na tradução” (por exemplo, cotejar linha por linha o texto em português com o original, traduzir novamente os trechos sem sentido ou distantes da estrutura do português, traduzir o que o tradutor não traduziu etc.);
- A edição de texto pode ser para “focalizar o texto” (por exemplo, definir uma ou mais gramáticas e acordar o texto a elas, esclarecer ambiguidades etc.);
- A revisão geralmente significa “não mexer muito no texto, dar uma olhada geral pra ver se passou algum erro de digitação” (por exemplo, buscar pastéis, padronizar disposição do texto, conferir peso dos títulos, rever cabeços etc.). Dentro deste item, surgiu recentemente a “revisão de reforma”, que é “exclusivamente” para adequar o texto à reforma ortográfica atual.
a íntegra do artigo de cindy leopoldo está aqui.

voltando a meu tema anterior, por mais que eu me solidarize com os copidesques (ofício que exerci com muito orgulho durante algum tempo) e por maior que seja a importância dessa atividade, não se deve confundi-la com um trabalho autoral: ela se aplica a um texto já dado, não à criação de um novo texto. 

imagem: aqui

Um comentário:

  1. Anônimo12.7.12

    É tudo tão errado que dá tristeza. Copidesque "melhorador de tradução"?
    É o fim da picada.

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.