7 de jun de 2012


assim, por exemplo, temos:


(especificando no verso da página de rosto: "revisão das traduções: t. booker washington")


(idem)


(idem)


(idem)


(idem)


(idem)



(idem)














outros responsáveis mais esporádicos pela seleção de outras maravilhas sem créditos de tradução são  mariano torres nos contos humorísticos, araújo nabuco nos contos bíblicos e wilma pupo na ficção científica..






* as seis exceções que localizei foram maravilhas do conto de natal, com introdução de edgard cavalheiro, seleção e tradução de flávio andré (não encontrei outras referências a este tradutor), e o último volume, maravilhas do conto universal, com introdução de edgard cavalheiro, seleção de um misterioso "e. fecchio" e uma miríade de tradutores: Afonso Schmidt, Alice Ogando, Ana Maria Martins, Sônia Salles Gomes, Antonieta Dias de Moraes, Antônio D'Elia, Dulce Ortiz Patto, Edgard Cavalheiro, Eduardo Carvalho, Epaminondas Martins, Fernando Correia da Silva, Francisco Patti, Jamil Almansur Haddad, José Geraldo Vieira, Juvenal Jacinto, K. Wakisaka, Lígia Junqueira Caiuby, Luiz Drummond Navarro, Nair Lacerda, Ondina Ferreira, Paulo Rónai, Sérgio Milliet e Tatiana Belinky. maravilhas do conto feminino, idem, idem, idem: Afonso Schmidt, Erico Verissimo, Edda Campani, Elza Cortim Bastos, Ester Pinherio, Fernando Correia da Silva, Grazia Maria Saviotti, Hermilo Borba Filho, Helena Silveira, Ilse Losa, João Távora, Lígia Junqueira Caiuby, Ligia Fagundes Telles, Luís Drummond Navarro; Lupe Cotrim, Marilda Toledo, Marina de Castro Silva, Magdalena Garcia, Maria Helena de Carvalho, Manuela Porto, Pepita Leão. jamil almansur haddad e josé paulo paes nos contos árabes, nair lacerda nos contos mitológicos e contos populares












Maravilhas do Conto Feminino

em duas ocasiões, conversei longamente com o sr. ricardo riedel, filho de diaulas riedel e atual responsável pela cultrix (que se uniu à pensamento), e com o sr. adilson silva, historiador e atual editor da casa. só posso agradecer a grande receptividade e gentileza que me dispensaram. o que eu queria entender melhor é o seguinte: 

uma de minhas perguntas era: o que determinou essa mudança, esse salto de qualidade editorial na cultrix em 1959 - ou, a rigor, em 1958, no último volume da coleção maravilhas do conto universal? as reclamações de outras editoras, talvez se sentindo lesadas? a morte do diretor editorial, edgard cavalheiro, em 1958? uma nova estratégia editorial adotada pela direção? segundo o sr. adilson, a "formatação" da coleção havia sido feita em 1956, ano de fundação da empresa, por um grupo de intelectuais que incluía edgard cavalheiro e josé paulo paes, trabalhando como consultores externos da casa. ainda segundo ele, "t. booker washington" era o pseudônimo de um espiritualista ligado à pensamento, autor de vários artigos para a revista do pensamento, mas não soube identificá-lo. quanto à guinada editorial, não soube dizer as razões específicas, mas ponderou que caberia à alçada da direção.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.