8 de mai de 2012

mrs. dalloway

matéria de diogo guedes sobre mrs. dalloway, do dia 06/05 no jornal do commercio. veja também aqui.




como se vê, traduções e opiniões sempre variam. deixo registrada minha opinião sobre a clássica tradução de mário quintana: como já disse outras vezes, considero-a muito meritória e, sob vários aspectos, notável.

5 comentários:

  1. Interessantíssima postagem. Transcrevi em meu blog: http://desmanchanoar.blogspot.com.br/2012/05/mrs-dalloway-novas-traducoes.html

    ResponderExcluir
  2. obrigada, antônio, e obrigada por divulgar.

    ResponderExcluir
  3. Denise, você já leu o prefácio do Michael Cunningham pra uma edição recente de Mrs Dalloway? Um espetáculo.

    bjones!

    Enzo

    ResponderExcluir
  4. Acho que ao longo do tempo, depois das novas traduções, a versão de Mário Quintana vai seguir o mesmo caminho da tradução de Rosário Fusco para CRIME E CASTIGO e João do Rio para O RETRATO DE DORIAN GRAY; valerá pelo texto em si, como um momento poético da nossa língua, independentemente do texto traduzido, da fidedignidade e outros aspectos.´Nesse sentido, é lamentável um adjetivo como "precário" para essa tradução. Precárias são as (a)versões da Landmark.

    ResponderExcluir
  5. concordo. a gente diz que o texto é fácil, isso e aquilo, mas não é tanto assim: mário quintana se sai com uma galhardia invejável, a meu ver.

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.