6 de mai de 2012

joseph conrad no brasil, II




heart of darkness
tradução
editora
ano
coração das trevas
regina régis junqueira
itatiaia
1984
o coração da treva
hamilton trevisan
global
1984
o coração das trevas
marcos santarrita
brasiliense
1984
o coração das trevas
albino poli jr.
l&pm
1997
coração das trevas
juliana l. freitas
nova alexandria
2001
o coração das trevas
celso mauro paciornik
iluminuras
2002
o coração das trevas
luciano alves meira
martin claret
2007
coração das trevas
sergio flaksman
cia. das letras
2007
no coração das trevas
josé roberto o'shea
hedra
2008
o coração das trevas
fábio cyrino
landmark
2011
coração das trevas
julieta cupertino
revan
2011
adaptação
coração das trevas
josé vicente bernardo
nova alexandria
2005
o coração das trevas
rodrigo espinosa cabral
rideel
2007

an outpost of progress
uma guarda avançada do progresso
cabral do nascimento (port.)
edigraf
1942
um posto avançado
de progresso
virgínia lefèvre
boa leitura
1964
um posto avançado
do progresso
julieta cupertino
revan
2004
um posto avançado
do progresso
maria luiza x. de a. borges
nova fronteira
2007
um posto avançado
do progresso
sergio flaksman
cia. das letras
2008

youth
juventude
edison carneiro
leitura
1944
juventude
flávio moreira da costa
marco zero
1986
mocidade
maria ercília galvão bueno
imago
1994
juventude: uma narrativa
julieta cupertino
revan
2001
juventude: uma narrativa
valéria medeiros
paz e terra
2003

the secret agent
o agente secreto
pepita leão
globo
1934
o agente secreto
laetitia vasconcellos
imago
1995
o agente secreto
paulo cezar castanheira
revan
2002
o agente secreto
eduardo furtado
landmark
2010

the secret sharer
o cúmplice secreto
marilene felinto 
e heloísa prieto
max limonad
1985
o parceiro secreto
maria ercília galvão bueno
imago
1994
o cúmplice secreto
celso mauro paciornik
iluminuras
2002
o parceiro secreto
valéria medeiros
paz e terra
2003

lord jim*
lord jim
mário quintana
globo
1939
lorde jim
marcos santarrita
francisco alves
1982
lord jim
julieta cupertino
revan
2001
adaptação
lord jim
cordélia dias d'aguiar
ediouro
1987

*há um registro não identificado de uma edição pela boa leitura, em 1960. há uma fraude de tradução em 2003, pela nova cultural, em nome de “carmen lia lomonaco”

victory
vitória
leonel vallandro
globo
1942
vitória
marcos santarrita
francisco alves
1982
vitória
julieta cupertino
revan
2009

amy foster
amy foster
queiroz lima
globo
1936
amy foster
albino poli. Jr.
l&pm
1985
amy foster
julieta cupertino
revan
2007

atualização: amy foster, a. barbosa rocha, el ateneo, 1985

shadow line
a linha de sombra: 
uma confissão
maria antonia van acker
hemus
1978c
a linha de sombra
julieta cupertino
revan
2005
a linha de sombra: 
uma confissão
guilherme braga
l&pm
2010

the duel
o duelo
cláudio figueiredo
cia. das letras
2007
os duelistas
andré de godoy vieira
l&pm
2007
o duelo
julieta cupertino
revan
2008

nostromo
nostromo
donaldson garschagen
record
1983
nostromo
josé paulo paes
cia. das letras
1991

almayer's folly
perdição
virgínia lefèvre
boa leitura
1964
a loucura do almayer
julieta cupertino
revan
1999

typhoon
tufão
queiroz lima
globo
1936
tufão
albino poli jr.
l&pm
1985

tomorrow
amanhã
queiroz lima
globo
1936
amanhã
albino poli jr.
l&pm
1985

karain: a memoir
karain, uma lembrança
virgínia lefèvre
boa leitura
1964
karain: uma memória
julieta cupertino
revan
2004

the brute
a fera
laetitia vasconcellos
cia. das letras
2005
a bruta
dirceu villa
hedra
2009

under western eyes
sob os olhos do ocidente
marcos santarrita
brasiliense
1984

chance
a força do acaso, ou chance
francisco da rocha filho
marco zero
1985

the arrow of gold
a flecha de ouro
marques rebello
globo
1940

inside the tides
dentro das marés
julieta cupertino
revan
2004

because of the dollars
por causa dos dólares
aurélio buarque de hollanda
nova fronteira
1978
e paulo rónai

falk
falk
queiroz lima
globo
1936

the idiots
os idiotas
virgínia lefèvre
boa leitura
1964

the return
a volta
virgínia lefèvre
boa leitura
1964

the lagoon
a laguna
virgínia lefèvre
boa leitura
1964

the mirror of the sea
espelho do mar
celso mauro paciornik
iluminuras
1999

a personal record
um registro pessoal
celso mauro paciornik
iluminuras
1999

the end of the tether
o fim das forças
julieta cupertino
revan
2000

freya of the seven islands
freya das sete ilhas
julieta cupertino
revan
2003

il conde
il conde
dirceu villa
hedra
2009

the informer
o informante
dirceu villa
hedra
2009

an anarchist
um anarquista
dirceu villa
hedra
2009


4 comentários:

  1. Fabrizio Lyra6.5.12

    Oi, Denise. Lendo essa segunda parte que relaciona a obra de Conrad em nosso país, aproveitei para ler o seu primeiro artigo sobre as traduções de Conrad no Brasil e vi a belíssima informação sobre a longeva Julieta Cupertino que eu desconhecia. Acompanhei o lançamento das obras de Conrad pela Revan e sempre via o nome dela como tradutora. Por causa disso, sempre quis obter informações sobre ela e me surpreendi agradavelmente com o que li aqui. Procurei obter dados sobre a tradutora na net e obtive algumas poucas informações no museu da pessoa e no excelente blog de Alfredo Monte. E há algo que ele fala ali que é muito importante: as informações erradas no prefácio da editora sobre a obra de Conrad no Brasil. É muito comum vermos grandes traduções precedidas de prefácios e introduções muito errados, demonstrando muita ignorância sobre o autor por parte da editora. Muito antigamente, quando não tinha o conhecimento do trabalho de tradutores que tenho hoje, ficava até desconfiado da qualidade da tradução ao ver isso. Recentemente recebi um e-mail de uma editora muito séria como a L&PM falando de uma nova tradução lançada por eles de Ladrão de Casaca de Maurice Leblanc. Tanto no texto do e-mail quanto no video da assessoria de imprensa, eles falam que Alfred Hitchcock adaptou o livro em 1955 com Cary Grant e Grace Kelly. Eu, como cinéfilo, fã de Hitchcock e de livros policiais sei que isso é inteiramente falso. O filme de Hitchcock é uma adaptação do romance de David Dodge e o mesmo erro de informação foi fornecido pela editora Nova Fronteira quando lançou o romance no Brasil nos anos 80. Na orelha vinha escrito que o romance protagonizado pelo célebre ladrão Arséne Lupin tinha sido levado ao cinema por Hitchcock nos anos 50 com Cary Grant no papel principal(o personagem de Grant também é um refinado ladrão, mas de nome John Robie e que nada tem a ver com Lupin) Mandei um e-mail para a L&PM avisando do erro e não me deram resposta. Isso aconteceu há algumas semanas e ainda não vi o lançamento do romance nas livrarias. Mas aproveito esse que é um espaço de esclarecimento do público sobre questões de publicações editorais para fazer esse comentário e perguntar porque às vezes ocorre essa falta de comunicação entre editoras e tradutores que certamente teriam as informações corretas sobre autores e obras.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. olá, fabrizio, puxa, que marcada! acho que a fonte do equívoco da nova fronteira e agora da l&pm é que "to catch a thief", o filme a que vc se refere, recebeu no brasil o nome de "ladrão de casaca" - talvez para atrair público, pois bem naquela época "arsène lupin, o ladrão de casaca" estava fazendo o maior sucesso (três edições pela vecchi entre 1951 e 1955). tomara que corrijam!

    uma época, saiu uma boa matéria sobre a julieta cupertino, não lembro se na veja ou onde. se eu localizar, posto o link.

    abraço
    d.

    ResponderExcluir
  3. Fabrizio Lyra7.5.12

    Obrigado, Denise! Espero mesmo que corrijam pois considero a L&PM uma das melhores e mais sérias editoras da atualidade! Especialmente por oferecer uma combinação de excelente trabalho editorial com grande catálogo de obras e tradutores combinados com um preço baixo como nunca vi antes. Tem sido um deleite para os apaixonados por boa leitura. Equívocos ocorrem mesmo e a net hoje é uma ferramenta como nunca houve anteriormente que permite essa comunicação intensa entre leitores e profissionais para que possamos evoluir cada vez mais. Dessa forma cabe sempre um alerta de maior cuidado pois mesmo que o filme de Hitchcock e a obra de Leblanc tenham tido o mesmo título no Brasil, creio que elas sejam de um conhecimento público muito notório. Talvez milhares de pessoas já tenham visto o filme de Hitchcock e lido o romance de Leblanc como eu pois ambos são extremamente populares especialmente nesses tempos de velocidade da informação muito mais rápida com internet, TV a cabo, coleções de DVD, etc.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Anônimo18.10.16

    Acham possivel, que a tradutora de "Tufão" seja a mesma pessoa que a famosa escritora Rachel de Queiroz?

    Um Abraço
    Januario

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.