12 de abr de 2012

boccaccio, decameron II



dando continuidade à comparação entre as traduções de raul de polillo e de torrieri guimarães para o decameron (veja aqui), detenho-me agora num exemplo pitoresco. estamos na primeira história da quarta jornada, a tragédia amorosa de ghismonda e guiscardo:
Guiscardo non per accidente tolsi, come molte fanno, ma con diliberato consiglio elessi innanzi ad ogn’altro, e con avveduto pensiero a me lo’ntrodussi, e con savia perseveranza di me e di lui lungamente goduta sono del mio disio. Di che egli pare, oltre allo amorosamente aver peccato, che tu, più la volgare oppinione che la verità seguitando, con più amaritudine mi riprenda, dicendo (quasi turbato esser non ti dovessi, se io nobile uomo avessi a questo eletto) che io con uom di bassa condizione mi son posta.
polillo verte:
Não foi por acaso, como fazem muitas mulheres, que fiquei com Guiscardo; ao contrário, escolhi-o, com espírito deliberado, antes e acima de qualquer outro homem; por via de manobra claramente premeditada, introduzi-o nos meus aposentos; e, com prudente perseverança, tanto da parte dele, como da minha, longamente gozei o prazer da satisfação do meu desejo. Afigura-se-me que você me esteja repreendendo, por eu haver amorosamente pecado; quer-me parecer, entretanto, que, acompanhando a opinião do vulgo, o senhor me repreenda com mais dureza por eu me haver entregue, como o senhor diz, a homem de baixa condição social; e isto, como se o senhor não se perturbaria, se eu houvesse escolhido, para o mesmo fim, um homem que fosse nobre.
além do descomunal encompridamento da prosa boccacciana na tradução de polillo, de sua prolixidade pretensamente explicativa e seu distanciamento do original, note-se a curiosa oscilação no tratamento que guismunda dá a seu pai tancredi, ora "você", ora "o senhor", todavia tratado no original sempre como tu.

no texto de torrieri, como se pode aferir abaixo, discerne-se claramente o decalque do texto de polillo, submetido a um singelo copidesque, trocando aqui e ali alguns termos - e a impostura ganha um cômico requinte adicional com a preservação do oscilante tratamento que recebe tancredi na tradução de polillo:
Não foi casualmente, como fazem inúmeras mulheres, que fiquei com Guiscardo; pelo contrário, eu escolhi-o, com deliberação, antes e acima de outro homem qualquer; por manobra inteiramente premeditada, introduzi-o em meus aposentos; e, com prudente perseverança, tanto da parte dele, quanto da minha, longamente desfrutei o prazer da satisfação do meu desejo. Parece-me que você me repreende, porque eu amorosamente pequei; parece-me, contudo, que, seguindo a opinião popular, o senhor me censura, mais duramente, o fato de eu ter-me entregado, segundo diz o senhor, a homem de ínfima posição social; e isto, como se o senhor não ficasse perturbado, se eu escolhera, para idêntico fim, um homem da nobreza.
se é uma vergonha que tal embuste tenha infestado o cenário entre 1970 e 2003 com alguns milhões de exemplares distribuídos pelo brasil afora, devido aos incautos licenciamentos da abril cultural, círculo do livro e nova cultural, trabalhando com tiragens altíssimas em suas sucessivas reedições, mais uma razão para comemorarmos vivamente a iniciativa de l&pm em recorrer à notória competência de ivone benedetti para uma nova tradução do decameron.

aliás, a jornalista raquel cozer, da folha de s.paulo, também comentou recentemente que a tradução de torrieri é "parecida até demais com a de polillo", aqui

imagem: ghismonda recebe o coração de guiscardo, aqui

8 comentários:

  1. Fernanda Huguenin3.6.12

    Sabe o que é estranho? Cheguei a perguntar a L&pM se elas planejavam publicar esse livro, Decameron,e eles me responderam que não , sendo que depois tive a confirmação da tradutora de que ela já estava trabalhando nele,rs. Mas espero que a editora o publique sim,rs.

    ResponderExcluir
  2. olá, fernanda: às vezes quem te atendeu não estava a par da programação completa ou algo assim... imagino que deva ainda demorar pelo menos um ano para sair, pois é uma obra bem extensa, a tradução deve levar um bom tempo e depois vem todo o processo de preparação e edição final.

    ResponderExcluir
  3. Fernanda Huguenin3.6.12

    Bom pelo o que a Ivone me informou, ela já estava
    bem adiantada na tradução (com data de entrega para setembro,segundo ela), mas também achei que foi um mal entendido de quem me atendeu,rs, já a Ivone achou que pelo tamanho da obra ser bem extensa, a editora não lançaria em pocket, por isso a confusão. Mas vamos esperar.:D

    ResponderExcluir
  4. Fernanda Huguenin6.6.12

    Tive uma ótima resposta hoje, pela L&PM, o livro será lançado
    sim, mas só em 2013,rs.É bom que dá tempo de fazer alguma
    reserva de R$,rs.

    ResponderExcluir
  5. Denise, tenho um livro de minha predileção, Novelas do Decameron, Editorial Verbo, 1970, Esther de Lemos. Conhece, o que acha?

    ResponderExcluir
  6. olá, caro comentando: não conheço e agradeço pela informação!

    ResponderExcluir
  7. Anônimo9.9.13

    Está para sair:
    http://www.lpm.com.br/site/default.asp?Template=../livros/layout_produto.asp&CategoriaID=836453&ID=745284

    ResponderExcluir
  8. Boa noite! Vi seu post e mesmo sendo antigo, gostaria de uma opinião sobre uma tradução, percebendo seu grande conhecimento. Queria comprar a edição portuguesa da Bertrand, em 5 volumes que você disse ser traduzida por Urbano. Qual sua opinião sobre essa tradução? Seria uma boa aquisição? Agradeço muito!

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.