12 de mar de 2012

casa dos mortos

localizei sete traduções diferentes desta obra de dostoiévski no brasil. são elas, por data da primeira edição:


fernão neves (pseud. de fernando nery), livraria castilho, 1917, aqui na edição de 1922


Recordações Da Casa Dos Mortos - 2 Volumes ( Sebo Amigo )
antônio de oliveira garcia, livraria martins, 1942
(em 2 vols.; aqui, capa da edição de 1944)

Recordações Da Casa Dos Mortos - Dostoievski - Xilo Goeldi
rachel de queiroz, josé olympio, 1945
(aqui, capa da 3a. ed., 1952)


josé geraldo vieira, saraiva, 1949.

é reeditada pela francisco alves em 1982.

(e em 2006 pela martin claret, mas não sei dizer se é contrafação ou não)




gertum carneiro, 1960


natália nunes e oscar mendes, aguilar, 1963
é licenciada para a l&pm em 2008

fernanda pinto rodrigues, edibolso, 1978


nicolau s. peticov, nova alexandria, 2006

pessoalmente, acho meio exagerado sete traduções diferentes em noventa anos, mas é interessante notar a frequência e os intervalos entre elas. naturalmente, algumas têm reedições sucessivas e são licenciadas para outras editoras, de forma que sempre há uma ou mais traduções disponíveis na praça (mesmo que três delas tenham praticamente caído no esquecimento - fernão neves; oliveira garcia; f. pinto rodrigues). veja-se:
  • entre a primeira e a segunda tradução passam-se vinte anos;
  • aí, numa mesma década (40), vêm três traduções de roldão;
  • passam-se catorze anos;
  • depois, quinze;
  • e então 28 anos.
acompanhe a pesquisa sobre as traduções de dostoiévski no brasil aqui 

atualização em 03/07/2014:


Recordações da casa dos mortos. Trad. anônima. Bibliotheca de Romances Celebres. São Paulo: Moderna Paulistana, s/d (c. 1932-33). Por gerntil informação e imagem enviadas por Maria Paula Coelho:

















Recordações da casa dos mortos. Trad. anônima. Coleção SIP. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1936. Nota de lançamento e imagem na Revista da Semana, em 28/03/1936:



7 comentários:

  1. O da Saraiva, de 1949, tínhamos em casa na minha infância e juventude. Tentei lê-lo lá pelos 13 anos, apanhei feio. Abraços, Pedro.

    ResponderExcluir
  2. Felipe Maia28.7.12

    De quais idiomas foram traduzidas? Rachel de Queiroz deve ter traduzido do francês, NAtalia Nunes e Oscar Mendes do inglês ... alguma diretamente do russo?

    ResponderExcluir
  3. A de Nicolau S. Peticov é direta do russo.

    ResponderExcluir
  4. Na sua opinião qual é a melhor tradução? Qual a qualidade da tradução de José Geraldo Vieira da Editora Martin Claret?

    ResponderExcluir
  5. olá, mario: não sei dizer, não li todas elas. josé geraldo vieira era um bom tradutor, em todo caso.

    ResponderExcluir
  6. Sobre a tradução de José Geraldo Vieira da Editora Martin Claret, estou lendo ela mas recorrendo ao dicionário mais do que eu gostaria, a leitura não está fluindo bem pra mim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaha! bom, uma tradução de quase setenta anos atrás tem outro tipo de legibilidade mesmo ;-)

      Excluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.