21 de jan de 2012

sem palavras

No jornal O Globo de hoje, o jornalista Guilherme Freitas publica uma boa matéria sobre "Programa da FBN inclui obras suspeitas de plágio", disponível aqui:  http://clippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2012/1/21/programa-da-fbn-inclui-obras-suspeitas-de-plagio

Transcrevo abaixo a íntegra da matéria:

Programa da FBN inclui obras suspeitas de plágio
Autor(es): Guilherme Freitas
O Globo - 21/01/2012

Cadastro para compra de livros por bibliotecas públicas tem traduções acusadas de cópia

Criado pela Fundação Biblioteca Nacional (FBN) para ampliar e renovar o acervo das bibliotecas públicas do país, o recém-lançado Cadastro Nacional de Livros de Baixo Preço inclui obras suspeitas de serem traduções plagiadas. A denúncia foi encaminhada à Procuradoria Geral da República nesta semana pela tradutora Denise Bottmann, que enumerou dezenas de casos. A maior parte deles envolve livros da Editora Martin Claret.

Denise publicou em seu blog (naogostodeplagio. blogspot.com) uma lista de obras suspeitas, comparando-as com as versões originais. Entre os livros citados estão "O médico e o monstro", de Robert Louis Stevenson, "O lobo do mar", de Jack London, e "A mulher de trinta anos", de Balzac, todos com traduções atribuídas a Pietro Nassetti e denunciadas há anos como plágios.

No caso de "O lobo do mar", por exemplo, a versão atribuída a Nassetti reproduz, com pequenas alterações, a tradução de Monteiro Lobato publicada em 1934, pela Companhia Editora Nacional. O romance de London está em domínio público, mas os direitos autorais da tradução pertencem aos herdeiros de Lobato.

O Cadastro Nacional de Livros de Baixo Preço reúne mais de dez mil títulos, cujo preço final para o consumidor não pode ultrapassar R$10. Os livros foram inscritos no programa pelas próprias editoras e, desde 13 de janeiro, começaram a ser avaliados por 2.700 bibliotecas e pontos de leitura de todo o país, que escolherão os títulos a serem adquiridos.

Procurada pelo GLOBO, a FBN alega que, para que um livro seja excluído do cadastro, "é preciso que tenha sido objeto de ação judicial, com trânsito em julgado, que tenha determinado o impedimento de circulação das obras". A FBN argumenta que o edital determina que toda editora, ao participar do programa, reconhece "que os livros que inscreve não violam qualquer princípio legal vigente". A Martin Claret já foi intimada judicialmente por plágios, como no caso das traduções de Modesto Carone para "A metamorfose" e "Carta ao pai", de Kafka (não incluídas no cadastro).

Editora substituirá obras

Responsável pelo Departamento Editorial da Martin Claret, Taís Gasparetti afirma que, devido às denúncias dos últimos anos, a editora está substituindo, desde o segundo semestre de 2011, as traduções que confirmou como plágios.

- Nosso Departamento Comercial inscreveu esses títulos no programa da Biblioteca Nacional considerando que eles já teriam novas traduções até o fim da vigência do edital - diz Taís, que pedirá à FBN que remova temporariamente do cadastro os títulos cujas novas traduções ainda não estão prontas.

Segundo ela, a lista de livros que ganharão novas versões inclui, entre outros, "A mulher de trinta anos", que será traduzido por Herculano Villas-Boas, "O lobo do mar", por Marcelo Albuquerque, e "O médico e o monstro", por Cabral do Nascimento. No cadastro da FBN, todos eles aparecem atribuídos a Pietro Nasseti.

Além dos livros da Martin Claret, Denise aponta irregularidades em títulos das editoras Escala ("Assim falou Zaratustra", de Nietzsche) e Pillares ("A luta pelo direito", de Rudolf von Ihering) incluídos no cadastro da FBN.


Acompanhe aqui o imbróglio:



7 comentários:

  1. Mesmo com essa história de substituição, etc. etc. a coisa toda continua esquisita. Você conhece os tradutores "novos"? O Herculano, que eu saiba, andou traduzindo Balzac para a LP&M. Vendeu pra Martin Claret a tradução? A tradução de Cabral do Nascimento era do catálogo da Europa América... Vendeu também para a Martin Claret?
    E Marcelo Albuquerque? É esse aqui: http://www.linkedin.com/pub/marcelo-albuquerque/7/83a/952 (não conheço nem encontrei informações relevantes sobre outros)...
    Quanto à Escala... aguarde... As obras completas de Freud estão vindo aí... com traduções de "terceira" a cinco centavos por palavra...

    ResponderExcluir
  2. Caríssima Denise,
    a ilegalidade gritante da soi-disant editora é confessada em passagens singelas como "considerando que eles já teriam novas traduções". A ideia de cadastrar o ilegal porque, no futuro, a empresa lançará ou lançaria produtos honestos é tão manifestamente absurda que desvela o nível de degradação institucional a que chegou o meio editorial no país. Se a FBN não se dispõe a fazer esse mínimo controle de qualidade e legalidade, é sinal de que ela precisar ser completamente refundada. Como está, não serve ao livro nem ao Brasil.
    Abraços, Pádua

    ResponderExcluir
  3. hahaha! pois é. e são muitas e muitas dezenas de títulos. vão substituir até segunda-feira? pois a escolha para aquisição das bibliotecas públicas começou dia 13 de janeiro.

    ResponderExcluir
  4. caro pádua: espero que essa admissão pública de sua má fé seja matéria suficiente para o MPF pedir imediata instauração de inquérito para apuração das responsabilidades.

    ResponderExcluir
  5. é realmente um escândalo.

    ResponderExcluir
  6. Só para desopilar o fígado:
    a ABDR será ouvida a respeito? tomará alguma medida contra essa confessa violação dos "direitos reprográficos"?

    ResponderExcluir
  7. Anônimo23.1.12

    ahhh... não é só aí não. É em toda a parte

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.