9 de ago de 2011

poe XLVII, primeiro livro de poe em tradução brasileira


o primeiro livro de contos de poe publicado no brasil saiu em c. 1903, pela h. garnier. era a reedição de uma tradução portuguesa. já comentei o tema e a fortuna dessa edição no brasil, tediosamente plagiada até os anos 1980.


agora fico muito contente em poder apresentar com razoável margem de segurança o primeiro volume de contos de poe em tradução efetivamente brasileira: historias exquisitas, afonso de escragnolle taunay, melhoramentos, 1927.

.


9 comentários:

  1. Anônimo9.8.11

    edgard a. poe = edgar allan poe?

    ResponderExcluir
  2. yep.
    e se vir um "pöe" ou "poë", também é poe :-)

    ResponderExcluir
  3. joão10.8.11

    Bom dia Denise

    Você conhece os textos sobre tradução que o Mario de Andrade escreveu para o suplemento literário do Diário de Notícias em 1945? Como posso encontrá-los. Obrigado e um bom dia.

    ResponderExcluir
  4. Fabrizio Lyra27.10.11

    Oi, Denise. Acabei de ler todos os seus textos nesse blog sobre Edgar Allan Poe. Interessantíssimos. Relaciono aqui as traduções que possuo de Poe que creio você vai aprovar mas, mesmo, assim, gostaria de sua chancela. É muito importante pra mim. Tenho da Ediouro com direitos cedidos pela Globo, Coleção Universidade de Bolso - "Poesia e Prosa", Tradução de Oscar Mendes e Milton Amado, notícia bibliográfica por Hervey Allen e estudo crítico por Baudelaire. Tenho também de Edgar Allan Poe: "Poemas e Ensaios" da Editora Globo, também com tradução de Oscar Mendes e Milton Amado e revisão e notas de Carmen Vera Cirne Lima. Já li aqui os seus elogios a Oscar Mendes e Milton Amado e já sei pela minha experiência, não como estudioso ou teórico, mas como leitor, da importância desses tradutores. Quando li ambos os livros há vinte anos atrás, achei tudo maravilhoso. Mas, recentemente tentei ler alguns contos de Poe traduzidos por Mendes e Amado e me veio aquela mesma sensação que te narrei com Carlos Alberto Nunes em Shakespeare: termos muito datados, algumas construções de frase, a meu ver, desnecessariamente intrincadas. E o exemplar da Ediouro dificulta a leitura pois as estórias vêm comprimidas, com letra pequena e mínimo espaço entre as linhas. Continuei gostando das traduções, mas não senti o mesmo prazer. Então comprei os recentes volumes da LP&M: "Assassinatos na Rua Morgue e outras histórias", tradução de William Lagos e "O Escaravelho de Ouro e outras histórias", tradução de Rodrigo Breunig e Bianca Pasqualini. Quase todos os contos desse último são traduzidos por Rodrigo Breunig. Pelo pouco que pude conseguir de informações sobre esses tradutores, o primeiro, William Lagos, me parece bem sério e experiente. Rodrigo Breunig é um jovem tradutor e li uma tese muito interessante dele sobre Machado de Assis na internet e me parece muito sério pelas poucas informações que reuni do currículo dele. Ainda não li esses recentes volumes. Gostaria muito, se possível, de sua recomendação.

    Abraços e obrigado mais uma vez

    P.S - Perceba que os volumes da LP&M enfatizam em suas capas todos e apenas os contos detetivescos de Poe, o pai do romance clássico de mistério. Para se ver a importância desse gênero literário entre o público.

    ResponderExcluir
  5. prezado joão, desculpe a demora em responder. não, não conheço esses textos de mário de andrade que vc menciona, que pena! se localizá-los, por favor avise :-))

    ResponderExcluir
  6. prezado fabrizio:

    bom, toda tradução sempre acaba parecendo datada, muito mais do que qualquer original... uma tradução de quase setenta anos atrás carrega inevitavelmente as marcas do tempo, muito mais do que seu texto de partida. este é um dos milagres que brenno silveira conseguia em certa medida: mais de cinquenta anos após a lavra, seus textos continuam muito legíveis (aliás, quintana às vezes tem também essa preciosa qualidade). por outro lado, o preço que ele teve de pagar para alcançar essa "neutralidade" ou maior resistência ao tempo é, por vezes, uma simplificação ou um tom meio burocrático, digamos assim. mas prefiro-o a oscar mendes, de longe. mais elegante, mais equilibrado, mais sóbrio e, às vezes, suave tb, além de maior domínio do inglês.

    pessoalmente não sou grande fã das traduções de oscar mendes - mas como, segundo consta, muitas vezes ele apenas repassava o "serviço", dava uma revisada no texto pronto e acrescentava seu nome, a qualidade das traduções em seu nome acaba sendo bastante irregular (penso em dorian gray, por exemplo, especialmente medíocre). no caso de poe, não; acho que é um trabalho hercúleo, de média a boa qualidade geral na prosa, embora não isento de alguns errinhos aqui e ali, e de excepcional qualidade nos poemas (estes sim feitos exclusivamente por milton amado) - nunca entendi muito bem como foi feita essa tradução deles a quatro mãos na prosa... se os textos foram divididos entre ambos, se milton amado fez um rascunho inicial e oscar mendes fez a finalização (acho difícil, pois alguns erros ali presentes duvido que amado cometesse, além de uma prosa pouco fluente e um pouco emperrada em alguns contos - mais provável, talvez, que tenham dividido a tarefa. mas não sei dizer, são apenas especulações).

    não li as traduções pela l&pm. sem dúvida, william lagos é um tradutor muito tarimbado, com grande experiência no ofício. bianca pasqualini, penso que é estreante (até onde sei, ela trabalha basicamente com revisão e preparação de textos) e, neste volume a que vc se refere, fez a tradução apenas de marie rogêt, não é isso? quanto a rodrigo breunig, tenho visto seu nome em várias traduções nos últimos tempos.

    estou transferindo alguns dos posts referentes a poe para outro blog, aqui: http://eapoebrasil.blogspot.com/

    sua visita será um prazer.

    um abraço
    denise

    ResponderExcluir
  7. Fabrizio Lyra27.10.11

    Muito obrigado, Denise. Me esclareceu imensamente. E, sim, Bianca Pasqualini fez a tradução apenas de Marie Rogêt. Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Olá, Denise.

    Consegui, por sorte e acaso, o livro "Historias Exquisitas", nessa mesma edição da Melhoramentos. Caso tenha interesse em alguma consulta, fico à disposição.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. que gentil, vinícius, superobrigada - mas tenho um exemplar, justamente esse aí acima da foto

      Excluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.