16 de abr de 2011

os artigos de gabriel perissé sobre tradução

.
.
gosto  muito do trabalho de gabriel perissé na revista língua portuguesa. ele publica regularmente artigos sobre tradução, escritos com simplicidade, leveza e precisão. costuma comparar soluções de duas ou mais traduções de uma mesma obra, apontando acertos e insuficiências, mostrando aos leitores a importância e a delicadeza do ofício.

eis um exemplo, sobre a tradução de dr. jekyll and mr. hyde, de robert l. stevenson:
Há várias traduções desse clássico no Brasil. A versão de José Maria Machado (Clube do Livro, 1951), republicada em 1989, pela Estação Liberdade, tem revisão do catarinense Vicente Cechelero. Em 1960, a editora Saraiva publicou o trabalho assinado por Nair Lacerda. A FTD lançou a tradução de Lígia Cademartori, em 1989, voltada para o público infanto-juvenil. Na década de 1990, foram publicadas a de Rodrigo Lacerda (Nova Fronteira, 1992), a de Heloisa Jahn (Ática, 1994) e a de Flávia Villas Boas (Paz e Terra, 1995). De lá para cá, foram editadas mais três versões - a de Adriana Lisboa (Ediouro, 2001), a de Fabio Cyrino (Landmark, 2008) e a de José Paulo Golob, Maria Angela Aguiar e Roberta Sartori, sob a orientação da tradutora e professora Beatriz Viégas-Faria (L&PM, 2008).

Faço nestas páginas, a seguir, alguns breves comentários às três versões mais recentes, a partir de um trecho das declarações dramáticas que Jekyll faz sobre si mesmo no último capítulo do livro.

O ORIGINAL

Robert Louis Stevenson

Between these two, I now felt I had to choose.1 My two natures had memory in common, but all other faculties were most unequally shared between them. Jekyll (who was composite)2 now with the most sensitive apprehensions, now with a greedy gusto,3 projected and shared in the pleasures and adventures of Hyde; but Hyde was indifferent to Jekyll, or but remembered him as the mountain bandit remembers the cavern in which he conceals himself from pursuit. Jekyll had more than a father's interest; Hyde had more than a son's indifference. To cast in my lot with Jekyll,4 was to die to those appetites which I had long secretly indulged and had of late begun to pamper.5 To cast it in with Hyde was to die to a thousand interests and aspirations, and to become, at a blow and for ever, despised and friendless.

AS VERSÕES

Adriana Lisboa 

Senti, então, que precisava escolher entre os dois.1 Minhas duas naturezas tinham a memória em comum, mas todas as outras faculdades dividiam-se entre elas de modo bastante desigual. Jekyll, que era complexo,2 projetava, ora com as maiores apreensões, ora com um entusiasmo voraz,3 os prazeres e as aventuras de Hyde, compartilhando-os; mas Hyde era indiferente a Jekyll, ou apenas se recordava dele como o bandido das montanhas se lembra da caverna em que se esconde, quando perseguido. Jekyll tinha um interesse maior do que o típico dos pais; Hyde, uma indiferença maior do que a típica dos filhos. Unir-me a Jekyll 4 significava abrir mão daqueles apetites com os quais eu há muito era indulgente em segredo e que ultimamente começara a mimar.5 Unir-me a Hyde significava abrir mão de mil interesses e aspirações, e me tornar, num único instante e para sempre, desprezado e sem amigos.

Fabio Cyrino

Entre esses dois, percebia agora que não tinha escolha alguma.1 Minhas duas naturezas tinham lembranças em comum, mas todas as minhas outras faculdades eram divididas, de forma desigual, entre elas. Jekyll, que se compunha2 com as mais sensíveis apreensões, com uma excitação mesquinha,3 agora, projetava e compartilhava dos prazeres e aventuras de Hyde; mas, Hyde era indiferente a Jekyll, ou apenas se lembrava dele como o bandido que se recorda da caverna em que se oculta da perseguição. Jekyll tinha mais do que um interesse paternal; Hyde tinha mais que a indiferença filial. Unir-me, definitivamente, a Jekyll 4 era morrer para aqueles apetites a que me havia entregado, longa e secretamente; e que, por fim, começara a descartar.5 Unir-me a Hyde, era morrer para milhares de interesses, aspirações e tornar-me de um golpe só, para sempre, desprezado e sem amigos.

José Paulo Golob / Maria Angela Aguiar / Roberta Sartori

Eu sentia que agora deveria escolher entre os dois.1 Minhas duas naturezas tinham uma memória em comum, entretanto todas as outras faculdades eram compartilhadas entre si de forma desigual. Jekyll (que era um composto),2 às vezes com forte apreensão, outras vezes com um prazer ávido,3 projetava-se e envolvia-se nos prazeres e nas aventuras de Hyde; mas Hyde era indiferente a Jekyll, ou apenas recordava-se dele como o bandido da montanha lembra da caverna na qual se esconde de perseguições. Jekyll tinha mais do que um interesse de um pai; Hyde tinha mais do que a indiferença de um filho. Apostar minha sorte em Jekyll 4 era morrer para aqueles apetites que eu, por muito tempo e em segredo, me permiti e que posteriormente passara a mimar.5 Apostar em Hyde seria morrer para centenas de interesses e aspirações e tornar-me, de uma vez e para sempre, um ser desprezado e sem amigos.

O COMENTÁRIO

1. Fabio Cyrino faz Jekyll dizer o contrário do que escreveu. O protagonista teria de escolher, sim: ou ser médico respeitado, mas frustrado, ou o monstro que satisfaz seus desejos, à margem da sociedade.
2. Jekyll "was composite", composto por muitas "partes", inclusive a parte Hyde (brincadeira com o inglês hidden, escondido). Os tradutores da L&PM escolhem "composto", que em português também pode significar que Jekyll tinha compostura, era contido, disciplinado. Para Cyrino, Jekyll "se compunha com", deturpando o original. Lisboa opta acertadamente por "complexo".
3. A expressão greedy gusto recebe três soluções: "entusiasmo voraz" (Lisboa), adequada; "excitação mesquinha" (Cyrino), em que o adjetivo destoa; e "prazer ávido" (L&PM), que deixa a desejar, inclusive por repetir o termo "prazer", usado a seguir.
4. Traduzir to pamper por "mimar" seria correto se o texto se referisse a mimar criança. Melhor "satisfazer" ou "estimular", em se tratando de apetites e desejos. Equivocada a frase "começara a descartar", de Cyrino, o oposto do que Jekyll afirma.
5. "Unir-me a" não atinge em cheio o sentido da expressão "to cast in one's lot with". A frase "to cast in my lot with Jekyll" foi bem compreendida pelos tradutores da L&PM com "apostar minha sorte em Jekyll". Se o texto fosse coloquial, outra solução seria "fechar com Jekyll".
in: O médico, o monstro ... e o tradutor. como bem diz gabriel aqui:
Uma tradução ou é cuidadosa ou não é tradução. Isto conduz a certa obsessão (salutar) em cuidar de detalhes que poderiam ser desprezados sem que ninguém os percebesse, caso não se fizessem comparações.
os artigos estão acessíveis na íntegra aqui, para assinantes da revista ou para assinantes da uol.
.

4 comentários:

  1. Segunda tradução da Landmark que leio críticas em poucas semanas. Primeiro foi a do Dorian Gray, segundo essa.

    Na Bravo! desse mês na lista de livros eles colocam o No Coração das Trevas da editora. Como diz aqui no blog, a tradução é do mesmo Cyrino. Logo...

    É uma pena. A boa idéia de apresentar a obra bilingue acaba sendo prejudicada por uma tradução que, em comparação, não parecer ser tão favorável e, como também visto aqui, a editora tem outros probleminhas.

    ResponderExcluir
  2. olá, thiago, verdade, é uma pena. torço para que nossas editoras se deem conta efetivamente da importância das traduções.

    ResponderExcluir
  3. Gabriel é uma figura querida, um profissional generoso e um idealista, no melhor sentido da palavra. Para ele, educar é tão natural quanto comer ou respirar.

    ResponderExcluir
  4. que coisa bonita, né, petê? pela foto, é uma simpatia! acho os textos dele muito cuidados e cuidadosos, sempre bastante informativos, realmente didáticos e "formadores" do leitor.

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.