23 de fev de 2011

huckleberry finn, parte II

.
na dissertação de vera lúcia ramos, que apresentei no post anterior, o capítulo quatro procede a uma análise de três traduções de as aventuras de huckleberry finn, de mark twain, a saber: monteiro lobato, sergio flaksman e "alex marins". às pp. 132-142, o estudo se detém especificamente sobre as escolhas adotadas na tradução em nome de um fictício "alex marins" (pela martin claret), com nove tabelas e muitas dezenas de exemplos que parecem indicar com boa margem de probabilidade o uso de uma tradução portuguesa.

existem várias traduções portuguesas de huckleberry finn. vera lúcia ramos chegou a comparar uma delas, a de miriam marder monteiro (pela europa-américa), com a tradução assinada por "alex marins": são visivelmente muito diferentes. cabe lembrar que o clube do livro publicou a obra de mark twain em 1961, em dois volumes, com tradução em nome de josé maria machado: não raro as chamadas "traduções especiais" do clube do livro eram apenas adaptações de traduções portuguesas ao português brasileiro.

assim, se alguém se interessar em dar andamento às indicações de vera lúcia ramos sobre o possível uso de fontes portuguesas para a suposta tradução de "alex marins", talvez pudesse ser útil consultar inicialmente a dita tradução de josé maria machado para o clube do livro. dependendo da resultado da análise, o foco poderia ser retroativo, para a tradução de ricardo fernandes para a portugália (1954), por exemplo, ou avançar para a de daniel augusto gonçalves, pela civilização (1978). sugiro esta última por lembrar que caninos brancos, de jack london, em nome de pietro nassetti pela martin claret, é uma cópia explícita de colmilhos brancos, de olinda gomes, por essa mesma editora (1969). veja aqui.
.

11 comentários:

  1. Anônimo24.2.11

    Olá !

    Tenho uma dúvida prática de um 'leitor-leigo': a tradução da Europa-américa é confiável ?
    Recentemente fiz uma pesquisa (evitando Martins Claret e afins ) e adquiri um exemplar dessa editora.

    Comprei gato por lebre ???!!!

    Abraço

    Tobias

    ResponderExcluir
  2. olá, tobias
    ah, sim, pode ficar tranquilo, a europa-américa é séria!
    abraço
    denise

    ResponderExcluir
  3. Anônimo25.2.11

    Muito obrigado Denise !

    Só mais uma pergunta: você tem alguma idéia quem é a pessoa responsável pela tradução de Huck Finn na LPM ? Se não me engano vai sair a tradução agora em março.

    Abraço

    Tobias

    ResponderExcluir
  4. jura? não sabia. se quiser, posso tentar me informar.
    abraço
    d.

    ResponderExcluir
  5. Anônimo25.2.11

    Acabei de descobrir. A tradutora será a Rosaura Eichenberg.

    Pois é, tempos atrás havia mandado um email para eles (tinha até te consultado na época) pedindo a eles que traduzissem a obra, tendo em vista que não existe nenhuma tradução boa e atual (binômio sempre necessário para um leitor). A que existe é a do Monteiro Lobato (usando termos muito rebuscados para um típico menino pobre do Mississipi) e versões reduzidas.

    Não é que a LPM já estava preparando uma traduçao!!!!

    Dá uma olhada no texto que saiu no blog da LPM sobre a obra de Mark Twain:

    http://www.lpm-editores.com.br/blog/?p=5243

    Vale a pena! O texto discute algumas das dificuldades 'contemporâneas' na tradução desta obra.O politicamente correto tem influenciado um debate acalorado tanto na versão original como nas traduções.

    O que você acha disso ?

    ps: a tradutora é confiável ?

    abração

    Tobias

    ResponderExcluir
  6. olá, tobias, pois é, acho meio complicado isso de alterar textos de uma época em função de preocupações de outra época.
    e que legal, rosaura eichenberg é ótima tradutora (não a conheço, mas conheço várias traduções dela): huck está em boas mãos.

    ResponderExcluir
  7. Jander de Melo25.2.11

    gente,
    A tradução de Sergio Flaksman da Ática, por exemplo, não é reduzida. Tenho a edição aqui. Inclusive eles incluíram um capítulo inédito. Tem também ilustrações de Rui Oliveira muito bonitas,apresentação e nota do tradutor (falando sobretudo sobre um poema muito difícil de traduzir no romance), bem como um posfácio de Ana Maria Machado. O ano é 1996.
    abraços,
    J.d.M.

    ResponderExcluir
  8. sim, a de flaksman pela ática é ótima, realmente enfrenta a dificuldade do linguajar e é primorosa. a dissertação que citei no post traz alguns trechos e declarações do sergio.
    esgotadíssima, porém... a ática bem que podia reeditá-la.

    ResponderExcluir
  9. Anônimo25.2.11

    Jader,

    Muito obrigado pela dica da tradução do Sergio Flaksman da Ática. Realmente não conhecia ela.

    Abraço

    Tobias

    ResponderExcluir
  10. Allison8.3.11

    Finalmente uma nova tradução de Huck Finn!! Acabei lendo a versão original pq nao aguentava ver a forma tão culta que falavam ambos... Sendo que no original é super rebiscado! Ótima notícia, vou comprar com ctz!

    ResponderExcluir
  11. Gustavo11.3.11

    Lí a edição da L&PM de Tom Sawyer, e se tornou um dos meus livros prediletos. Então fiquei louco para ler Huck Finn, e acabei comprando a da Martin Claret. Que enrrascada. Não tem nada da linguagem coloquial do sulista daquela época. É uma tradução portuguesa mais que evidente, e demasiado rebuscada. Folguei muito em saber que a L&PM vai ter uma edição de Huck. Espero que a tradutora nos dê uma tradução literal, sem se preocupar com este discurso pseudo-moralista que tende a destruir a essência dos clássicos.

    Não sabia que a edição da Ática era completa. Vou dar uma olhada nela.

    Obrigado pelas informações, gente.

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.