7 de fev de 2011

coleção folha: pascal, pensamentos

a coleção folha havia anunciado que publicaria pensamentos de pascal na antiga tradução de paulo m. oliveira. por alguma razão que desconheço e nem creio que venha ao caso, optou-se por uma outra tradução, cuja autoria é identificada na ficha catalográfica da obra em nome de isolina bresolin vianna, para a editora edipro, que licenciou seu copyrigth [sic] para a coleção "livros que mudaram o mundo".


a edição francesa adotada para a tradução é de 1671, em publicação a cargo de eric dubreucq. encontra-se disponível aqui.

esperar-se-ia de uma nova tradução de pascal - existem tantas traduções de seus pensamentos em português! - que pudesse talvez contribuir para a fortuna crítica do pensador em terra brasilis.

infelizmente, não parece ser este o caso. a bem da verdade, temo que essa tradução publicada pela coleção folha até constitua um retrocesso em relação às traduções anteriores dos pensamentos. digo "retrocesso", pois desde as primeiras linhas da obra é possível notar deficiências no domínio do francês que comprometem o entendimento até mesmo de coisas muito simples.

assim temos logo na primeira frase de "Contra a indiferença dos ateus":
Que ceux qui combattent la Religion apprennent au moins quelle elle est avant que de la combattre. 

isto é, ao pé da letra: "Que aqueles que combatem a Religião aprendam pelo menos o que ela é antes de combatê-la". um conselho sensato, diga-se de passagem, que se aplica não só à religião.

estranhamente temos na edição edipro/folha: "Aqueles que combatem a Religião mais fazem que ela siga avante do que a combatem".

ou S'ils parlaient de la sorte, ils combattraient à la vérité une de ses prétentions como "Se eles falassem da sorte, combateriam a verdade única de suas pretensões" (Se falassem dessa maneira, na verdade estariam combatendo uma de suas pretensões).

ou Ainsi notre premier intérêt et notre premier devoir est de nous éclaircir sur ce sujet d'où dépend toute notre conduite como "Assim, nosso primeiro interesse e nosso primeiro dever é nos esclarecer sobre que assunto deve depender toda nossa conduta" (...nos esclarecer sobre esse assunto, do qual depende toda nossa conduta).

não tenho o menor interesse em tripudiar ninguém, nem a menor intenção de lesar honras e ferir sensibilidades, e não estou disposta a ficar sendo acionada, processada etc. por editoras insatisfeitas com minhas críticas, que julgo serem bastante objetivas e fundamentadas. aqui estou falando de um livro em sua materialidade física e concreta, com sua respectiva identificação bibliográfica, posto à venda no mercado e com respaldo numa ampla campanha de divulgação comercial.

é extensa a lista de equívocos e erros presentes nessa edição, mas creio que bastam esses rápidos exemplos extraídos da primeira página da obra (p. 13). a meu ver, ilustram claramente a precariedade da tradução, seus erros palmares: entendo que a coleção folha pisou mais uma vez na bola oferecendo esse produto medíocre a seus leitores.
.

9 comentários:

  1. agradeço a renata mais um reparo, "de la sorte", locução que significa "assim, dessa maneira" etc.

    ResponderExcluir
  2. coloco aqui mais alguns exemplos, e não no post, para não parecer muito escárnio:

    "Je ne puis avoir que de la compassion pour ceux qui gémissent" - "Eu não posso ter compaixão por aqueles que gemem" (p. 14)

    "... qui n'épargnant rien pour en sortir font de cette recherche leur...occupation" - "...que não se empenham para sair e fazem dessa busca sua...ocupação" (id.)

    "Faisons tant que nous voudrons les braves" - "Façamos tanto que nos queiramos fortes" (id.)

    "C'est en vain qu'ils détournent leur pensée de cette éternité qui les attend, comme s'ils la pouvaient anéantir en n'y pensant point" - "É em vão que eles voltam seus pensamentos para essa eternidade que os espera, como se ela pudesse apagar e não pensar" (id.).

    ufa, chega. é o livro inteiro assim.

    ResponderExcluir
  3. Já oferecem um produto medíocre aos leitores diariamente nas bancas, não é surpresa que façam a mesma coisa com os "ítens agregados" que vendem.

    ResponderExcluir
  4. Anônimo8.2.11

    O que vou dizer não tem nada a ver com essa edição do Pascal (e me desculpe por isso), mas comprei a Bíblia que veio nessa coleção da Folha e fiquei perplexo em ver que só incluíram o texto bíblico, sem uma única nota de rodapé ou mesmo as introduções presentes na versão disponível no mercado com a mesma tradução...O mesmo ocorreu com o Principia (do Newton), em que não incluiram o apêndice no final. Pequenos detalhes que mostram que a Folha não é mais a mesma no cuidado com o que publica.

    ResponderExcluir
  5. José Ignacio Coelho Mendes Neto12.2.11

    Cara Denise,

    Logo depois de ler esta entrada do seu diário, li a mesma notícia no Estadão a respeito do seu combate. Para todos nós que damos o devido valor à cultura, à inteligência e à honestidade, é um alento sermos defendidos por você. Já estamos cansados das pilantragens daqueles que acham que podem fazer tudo errado porque ninguém vai perceber nem reclamar. Obrigado e continue sempre!

    ResponderExcluir
  6. Anônimo14.2.11

    É chocante ver essas "traduções". Isolina Bresolin não tem nem mesmo um vocabulário básico de francês.Como ela pode se aventurar a traduzir uma obra literária/filosófica que ela nem entende? Uma simples consulta a qualquer dicionariozinho bilíngue já resolvia muita coisa. E o mais inacreditável é que um orgão tão forte na comunicação no Brasil tome para si o lucrativo mas repulsivo trabalho de espalhar essa imundice pelos quatro cantos do país! Acho que algumas pessoas vão ler e, sem entender nada, vão pensar que Pascal é profundo demais para elas.
    Willamy Fernandes.

    ResponderExcluir
  7. a obra é ininteligível!
    é evidente que a tradutora não entendeu absolutamente nada do que traduziu, então como poderia eu entender???
    fiquei perplexo! Tão chocado fiquei que decidi pesquisar na net e encontrei isto!
    Mais um detalhe: além da traduçao em si, a pontuação é, no mínimo, esdrúxula: uma dificuldade para se entender um único parágrafo sequer!
    Embora eu não seja nem um pouco brilhante, cheguei a pensar que eu é que sou burro!!!

    ResponderExcluir
  8. Anônimo4.10.16

    Qual é a melhor traduçao?

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.