17 de dez de 2010

lendo walden, XII

.
Walden é recheado de citações entremescladas no texto. Além delas, há versos e poemas em destaque, poucos com indicação da autoria. Seu amigo Ellery Channing e, depois, alguns estudiosos identificaram a fonte e mesmo as edições usadas por Thoreau.
São eles:
  • p. 19, Ovídio, Metamorfoses
  • p. 44, George Chapman, The tragedy of Caesar and Pompey
  • p. 51, o próprio Thoreau
  • p. 71, anônimo da Nova Inglaterra
  • p. 85, Thomas Carew, Coelum Britannicum
  • p. 88, William Cowper, Verses supposed to be written by Alexander Selkirk
  • p. 93, anônimo, musicado em 1611 por Robert Jones, The Muses Gardin of Delights
  • p. 116, Ellery Channing, "Walden Spring"
  • p. 122, Milton, Paradise Lost
  • p. 123, Thoreau
  • p. 132, Patrick MacGregor (Ossian), "Croma"
  • p. 141, Edmund Spenser, The Faerie Queene
  • p. 143, Homero, Ilíada
  • p. 150, Elizur Wright, "The Fugitive Slave to the Christian"
  • p. 151, Thoreau
  • p. 161, Francis Quarles, "The Shepherd's Oracle"
  • p. 168, Tibulo, Elegias de Tibulo
  • p. 187, Thoreau
  • p. 196, Ellery Channing, "Baker Farm"
  • pp. 196-197, idem
  • pp. 200-201, idem
  • p. 205, Geoffrey Chaucer, Canterbury Tales
  • p. 212, John Donne, "To Sir Edward Herbert at Iulyers"
  • p. 241, Thoreau
  • p. 243, Ellen Hooper, "The Wood-Fire"
  • p. 256, Thomas Storer, "Wolseius Triumphans"
  • p. 273, Milton, Paradise Lost
  • p. 297, Ovídio, Metamorfoses
  • pp. 298-299, idem
  • pp. 302-303, William Habington, "To My Honored Friend Sir Ed. P. Knight"
  • p. 304, Claudiano, "O velho de Verona"
Thoreau se formou em Harvard. Não seguiu alguma das carreiras que se esperariam de um Harvard man, e preferiu se tornar "o homem dos mil instrumentos", como diz à p. 66 de Walden. Seu principal ganha-pão, no futuro, viria a ser o trabalho de topógrafo. Mas seus conhecimentos de literatura clássica e moderna, o domínio do grego e do latim que obteve na universidade nunca vieram a lhe faltar.

Fontes: Walden, edição anotada por Walter Harding, e The Thoreau Reader
.

2 comentários:

  1. Anônimo17.12.10

    Observa-se em todas as tuas postagens sobre Walden alguma semelhança ou possível paralelo entre Thoreau e Nietzsche. Não tenho conhecimento de nenhum trabalho sistemático nesse sentido, mas me parece bem interessante refletir sobre.
    Lucas Petry Bender

    ResponderExcluir
  2. olá, lucas: é mesmo? não é intencional. chamo a atenção para a relação emerson/nietzsche em lendo walden, IV, mas só. existem muitos estudos sobre isso, a influência é comprovada, mas há bem menos, ou quase nada, sobre thoreau/nietzsche. acho um tema muito fecundo.

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.