6 de dez de 2010

coleção folha, o capital de gabriel deville II

.
recapitulando: em 1883, o socialista francês gabriel deville publica um resumo das ideias centrais de marx, num volume chamado le capital de karl marx, résumé et accompagné d'un aperçu sur le socialisme scientifique, para fins de divulgação entre o operariado e a militância socialista na frança.

essa introdução ao pensamento marxiano é traduzida para o português por albano de moraes e é publicada pela typographia de francisco luiz gonçalves em 1912, como: carl [sic] marx, o capital: resumido e acompanhado de um estudo sobre o socialismo scientifico, estudo de gabriel deville. outra tradução portuguesa dessa época, porém menos conhecida, é a de maria emilia de araújo pereira, publicada pela guimarães editora também em 1912, que utiliza a grafia "karl".

no post anterior, citei algumas fontes para acompanhar a divulgação da obra de deville no brasil a partir dos anos 1930. é um percurso interessante, que talvez alguma hora eu explore melhor. mas, com referência a nossos objetivos, tenho em mãos o exemplar publicado pela editora melso em 1961, e é dessa edição que eu gostaria de tratar, para chegarmos ao volume publicado na coleção folha "livros que mudaram o mundo".


na edição da melso sumiu qualquer referência a gabriel deville. dá-se a obra como da autoria pura e simples de marx, com o título o capital. na página de rosto consta "edição condensada" e "tradução revista por gesner de wilton morgado". o livro começa diretamente com socialismo científico: o leitor desavisado pensará que é um texto de marx que integra o começo do suposto capital condensado.


por outro lado, quanto à tradução: sabemos que, por convenção editorial, costumava-se utilizar a expressão "tradução revista por" para indicar que se tratava de uma tradução portuguesa adaptada para o português do brasil. cabe mencionar também que a orelha da capa da melso traz em destaque: CARL MARX, embora todas as demais referências venham grafadas Karl Marx.


assim, embora eu não tenha em mãos a tradução de albano de moraes, sou tentada a crer que foi ela a utilizada na edição da melso, e depois várias vezes reeditada pela ediouro, em suas coleções "clássicos de bolso" e "universidade de bolso".


pois muito que bem. agora chegamos à edição da folha, em tradução atribuída a alguém de nome "murilo coelho", licenciada da edipro, a qual consta na página de créditos como detentora do copyright da referida tradução. não consegui encontrar referências a qualquer tradução de murilo coelho, nem mesmo do próprio suposto capital condensado de marx, a não ser as divulgadas pela folha de s. paulo anunciando a publicação e do nãogostodeplágio dando a lista dos títulos da coleção folha.

o que se encontra às centenas é, por exemplo: "MARX, Karl. O capital. [Titulo original: Das kapital]. Gabriel Deville (Trad.). 1 ed. Bauru: Edipro, 1998. 286 p. ISBN 8572830987", ou "A EDIPRO tem satisfação em oferecer ao leitor a tradução condensada d`O Capital por Gabriel Deville", ou "A Edipro apresenta a Edição Condensada de O Capital, com tradução de Gabriel Deville" - com esse tipo de dado, qualquer um poderia achar que gabriel deville traduziu o capital para o português. mas, mais amiúde, o que se tem é apenas algo na linha "O Capital - Edição Condensada - 3ª Edição 2008. Marx, Karl / EDIPRO".


ademais, na fundação biblioteca nacional, agência brasileira do isbn, tem-se:

PESQUISA NO CADASTRO DO ISBN

ISBN: 978-85-7283-597-8
TÍTULO: O CAPITAL
COLEÇÃO: CLÁSSICOS EDIPRO
AUTOR: KARL MARX
TRADUTOR: GABRIEL DEVILLE
EDIÇÃO: 3
ANO DE EDIÇÃO: 2008
LOCAL DE EDIÇÃO: SÃO PAULO
TIPO DE SUPORTE: PAPEL
PÁGINAS: 224
EDITORA: EDIPRO

puxa vida, que história. espero que o leitor tenha entendido que, digam o que disserem as editoras, esse capital de karl marx pouco tem a ver com o capital de karl marx. é um apanhado, uma "apostila", digamos assim, montada por deville a partir da tradução francesa de joseph roy (cuja revisão, aliás, teria comentado marx que lhe deu "um trabalho dos diabos").

num próximo post, pretendo comparar a tradução revista por gesner morgado (melso; ediouro), a tradução em nome de murilo coelho (coleção folha; edipro) e o original de gabriel deville.
.

4 comentários:

  1. pois é, eu só descobri que não tinha lido e estudado "O Capital", quando comparei meu livrinho da Ediouro de 200 páginas, com o primeiro volume do Capital que vi depois nos sebos, 600 páginas em letra miúda. Obviamente não podia ser uam tradução...
    Faz mais de 15 anos que li.
    "Tradução revista por" é o fim da picada.
    E a Folha faz mais feio ainda, repassando o embuste.
    Pelo que pude ver, comparando meu livrinho com versões on-line de O Capital, os capítulos são os mesmos.
    Achei neste site ( http://www.marxists.org/portugues/marx/1867/ocapital-v1/vol1cap01.htm#topp ) a tradução de Teixeira Martins e Vital Moreira, a partir da edição Roy.
    Está fora das minhas possibilidades hoje passar um ano estudando O Capital, provavelmente não poderei fazer isso. Nem um ano bastaria, porque para entender uma obra como esta é preciso estudar muitas outras, seu contexto e antecessores, suas interpretações, críticas inclusive da "direita" etc.
    Mas, só de bater o olho nas primeiras linhas, vejo uma frase que tem implicações interessantes, completamente deixadas de lado por Deville:
    " A mercadoria é, antes de tudo, um objecto exterior, uma coisa que, pelas suas propriedades, satisfaz necessidades humanas de qualquer espécie."
    A expressão "objeto exterior" revela um pressuposto "metafísico", da concepção materialista de Marx (de sua visão da estrutura da realidade). Ele já começa enfrentando ou desafiando concepções interiorizadas ou subjetivas. Certamente isto não tinha utilidade para Deville, mais interessado em mostrar como se dava a exploração.Deville se situa no plano da argumentação na porta da fábrica, no terreno do senso comum, Marx está no plano filosófico (quer eu goste dele ou não).
    É isso, obrigado pelo post, um abraço.

    ResponderExcluir
  2. caro spacca, muito obrigada pelas considerações. e obrigada também pelo link com a tradução, esta sim do capital, no marxists.org.

    ResponderExcluir
  3. olá Denise!

    Estou cursando filosofia e gostaria de saber sobre essa obra de Karl Marx, então, qual seria a tradução correta para o português?

    ResponderExcluir
  4. olá. aqui não faço recomendações, apenas advertências contra fraudes que não enganem os leitores. na verdade, já acho muito ;-)

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.