9 de set de 2010

livro é produto, leitor é consumidor

.

amante desperto é o terceiro volume de j. r. ward que integra a série "irmandade da adaga negra", com histórias de vampiros que têm eletrizado milhões de leitores.

disponível em e-book, a obra em formato impresso foi lançada durante a bienal do livro em são paulo - porém faltando o epílogo. a editora, contatada, teria alegado problema de impressão.

o imbróglio foi apresentado em "amante desperto? não. amante mutilado":
Resumindo a ópera, o tal comunicado dizia que a Editora admitia seu erro, mas que ele só seria corrigido caso houvesse uma nova reimpressão, ou, PASMEM! eles poderiam incluir o epílogo do terceiro livro no início do quarto livro. Um verdadeiro absurdo. Recolher as edições defeituosas estava fora de cogitação, pois levaria cerca de seis meses (aposto que distribuir levou bem menos tempo). Para quem quisesse, o tal epílogo seria enviado por e-mail. E, no entender deles, a falta do epílogo não comprometeria o entendimento da obra, razão pela qual ficou tudo por isso mesmo. O preço do livro, evidentemente, não foi reduzido pela ausência de uma parte.  
Acho interessante quando uma Editora decide o que podemos ler ou não, o que afeta o entendimento da obra ou não. Que tal tentar corrigir o erro e substiuir os livros defeituosos, e assim deixar que O LEITOR decida se o epílogo fará falta ou não? [...]
Eu, como consumidora e leitora, mais uma vez me sinto indignada. [...] E, vão me desculpar, mas o leitor foi o mais prejudicado nessa história toda.
Como confiar nas traduções que compramos? Quantos livros traduzidos não devem ter seu texto alterado? Só descobriram esse problema porque os fãs ardorosos da série, que tinham lido o e-book, compraram a edição nacional e notaram a ausência do epílogo.
e em troublemaker? who, me?
Eu já sabia que o terceiro livro dessa série saiu com um defeito de impressão, grave, ao meu ver. Praticamente todos eles vieram sem o final do livro, sem o Epílogo. [... vi ...] uma suposta declaração oficial da editora, afirmando que reconhecia o erro, que não recolheria os exemplares defeituosos porque isso levaria mais de seis meses, e que o máximo que poderia ser feito era enviar o tal epílogo por email a quem pedisse.
Eu pergunto: qual dessas partes aí é problema do consumidor? 
quem dera todos os leitores tivessem essa mesma lucidez e clareza. a qualidade editorial do país ganharia, e muito.
.

5 comentários:

  1. Olá Denise!

    Respondi ao seu comentário lá no meu blog e repito aqui: obrigada por ter me citado, eu fico muito honrada. Admiro seu trabalho e a sua coragem, e se mais pessoas se incomformassem assim, tenho certeza de que a situação no mercado editorial brasileiro seria outra (e em outros setores da vida também). Abraços!

    ResponderExcluir
  2. obrigada, lilian! eu não conhecia essa história da universo dos livros, achei um espanto. meu único contato com ela tinha sido tempos atrás, em minha pesquisa sobre as traduções brasileiras d'o príncipe de maquiavel.
    às vezes parece que alguns leitores acham que editora já faz muito favor em publicar algum livro, e que tem mas é de agradecer, venha do jeito que vier. e às vezes parece que algumas editoras também acham isso.
    não dá, né?

    ResponderExcluir
  3. Eu li os posts da Lilian. Não li nenhum da série e não tenho interesse, mas também achei um absurdo!

    ResponderExcluir
  4. Acho que quando a editora começa a decidir o que é importante e o que não é importante na tradução de um livro, ela deixa de ser editora e passa a ser censora. Se a situação começa a tornar-se banal, não fica muito distante da ditadura ou do que o Igreja fez na Idade Média, quando "editou" e fez desaparecer partes importantes de muitos livros. Agora é um epílogo, amanhã, um capítulo; depois de amanhã compraremos só o resumo. Aliás, é de assustar como o assunto é tratado no Brasil, um país em que a imprensa e as próprias editoras ficam todas cheias de espinhos quando o assunto é censura...

    ResponderExcluir
  5. Denise, a atitude dos leitores me espantou ainda mais do que a resposta da editora. E Coringa, você disse tudo o que eu queria e não estava conseguindo!

    ResponderExcluir

comentários anônimos, apócrifos e ofensivos não serão liberados.